Resilience and psychoanalysis: a systematic review

  • Bibiana Godoi Malgarim UFRGS
  • Márcia Rosane Moreira Santana UFRGS
  • Amanda Pacheco Machado
  • Andre Goettems Bastos Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Lúcia Helena Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Palavras-chave: Resiliência, Psicanálise, Revisão sistemática.

Resumo

The aim of this paper was to investigate the concept of resilience by studying texts published in the field of psychoanalysis (over a ten-year period). Through a systematic review of articles published between 2004 and 2014, using descriptors in Portuguese, Spanish and English. Five data bases were searched, namely Pubmed, Lilacs, Scielo, BVS Index Psi and PsycInfo. We gathered 280 published items, including articles, papers, reviews and other types of material. After exclusion criteria, 11 articles were selected for analysis. The majority of the analysed articles were theoretical reviews. The concept of resilience in Psychoanalysis tends to be related to other concepts (e.g. trauma and violence). By itself it indicates an ability that was built fundamentally in through relationships: between subjects, and between subjects and their environments. The studies agree on the notion of resilience as a process that goes beyond simple adaptation. It is in fact an ability to survive, related to intra-psychic capabilities and early emotional experiences. In this respect, resilience emerges as a characteristic that is closely related to the social context of the subject. In fact, it develops from and within this context.

***Resiliência e psicanálise: uma revisão sistemática***

O objetivo deste trabalho foi investigar o conceito de resiliência estudando textos publicados no campo da psicanálise (em um período de dez anos). Através de uma revisão sistemática de artigos publicados entre 2004 e 2014, usando descritores em português, espanhol e inglês. Foram pesquisadas cinco bases de dados: Pubmed, Lilacs, Scielo, BVS Index Psi e PsycInfo. Reunimos 280 artigos publicados, incluindo artigos, artigos, revisões e outros tipos de material. Após os critérios de exclusão, 11 artigos foram selecionados para análise. A maioria dos artigos analisados foram revisões teóricas. O conceito de resiliência na psicanálise tende a estar relacionado a outros conceitos (por exemplo, trauma e violência). Por si só indica uma habilidade que foi construída fundamentalmente através de relacionamentos: entre sujeitos e entre sujeitos e seus ambientes. Os estudos concordam com a noção de resiliência como um processo que vai além da simples adaptação. Na verdade, é a capacidade de sobreviver, relacionado às capacidades intra-psíquicas e às experiências emocionais iniciais. A este respeito, a resiliência surge como uma característica intimamente relacionada com o contexto social do sujeito. Na verdade, ela se desenvolve a partir de e dentro desse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bibiana Godoi Malgarim, UFRGS

Bibiana Godoi Malgarim é psicóloga clínica (desde 2004) na cidade de Porto Alegre, especialista e mestre em Clínica Psicanalítica Infantil e Adolescente. Realiza doutoramento na linha de Psicoterapias Psicanalíticas pela UFRGS com pesquisa na área de Trauma e Resiliência.

 

Como docente atua desde 2007 e atualmente, no nível de Graduação, compõem o quadro de professores do curso de Psicologia da UNISINOS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos, RS), além de ministrar disciplinas em cursos de Pós-Graduação.

 

Publicou vários artigos os quais contemplam a temática da infância, violência sexual e avaliação psicológica. 

Referências

Anaut, M. (2005). A Resiliência – Ultrapassar os traumatismos. Lisboa: Climepsi Editores.

Baraitser, L. & Noack, A. (2007). Mother courage: Reflections on maternal resilience. British Journal of Psychotherapy, 23, 171-188. https://doi.org/10.1111/j.1752-0118.2007.00016.x

Benghozi, P. (2005). Resiliência familiar e conjugal numa perspectiva psicanalítica dos laços. Psicologia Clínica, 17, 101-109. https://doi.org/10.1590/S0103-56652005000200008

Brandão, J. M., Mahfoud, M., & Nascimento, I. F. G. (2011). A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paidéia, 21, 263-271. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2011000200014

Cabral, A. S., & Levandowkski, D. C. (2013). Resiliência e psicanálise: aspectos teóricos e possibilidades de investigação. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental, 16, 42-55. https://doi.org/10.1590/S1415-47142013000100004

Charles, M. & O'Loughlin, M. (2012). The complex subject of psychosis. Psychoanalyses, culture & society, 17, 410-421. https://doi.org/10.1057/pcs.2012.30

Cyrulnik, B. (1999). La résilience: Un espoir inattendu. In Cyrulnik, B. (M.-P. Poilpot, org.). Souffrir et se Construire (pp. 13-24). Ramonville: Editions Érès.

Costa A. B. & Zoltowski, A. P. C. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. In Koller SH, Couto MCPP and Hohendorff JV (eds), Manual da Produção Científica. (pp.55-70). Porto Alegre: Penso.

Cruz, S. H., Zanon, R. B., & Bosa,C. A. (2015). Relação entre Apego e Obesidade: Revisão Sistemática da Literatura. Psico 46(1), 6-15. doi: https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.1.13227

Galvão, T. F., Pansani, T. S. A., & Harrad, D. (2015). Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24 (3), 335-342.

Harris, A. (2006). Narrative in the study of resilience. Psychoanalytic dialogues, 16, 543-51.

Hauser, S. T. & Golden, J. A. E. (2006). Narrative in the study of resilience. The psychoanalytic study of the child, 61, 205-227. https://doi.org/10.1080/00797308.2006.11800771

Junqueira, M. F. P. S. & Deslandes, S. F. (2003). Resiliência e maus-tratos à criança. Cadernos de Saúde Pública, 19, 227-235. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000100025

LaMothe, R. (2012). Potential space: creativity, resistance, and resilience in the face of racism. Psychoanalytic review, 99, 851-876. https://doi.org/10.1521/prev.2012.99.6.851

Massie, H. & Szajnberg, N. (2006). My life’s longing: child abuse and its adult sequelae. International Journal Psychoanalysis, 87, 471-496. https://doi.org/10.1516/2R7R-0P2T-69Q4-BX0P

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., & Altman, D. G. (2009). Preferred reporting items for systematic reviews and metaanalyses: The PRISMA statement. Research Methods and Reporting, 339, 332-336. Ostermann, G. (2011). Incesto e Resiliência. Revista Brasileira de Psicoterapia, 13, 169-187.

Rosa, G. A. M. (2012). Un aporte de la resiliencia a la clínica psicoanalítica. Revista Psicologia: teoria e prática, 14, 168-179.

Rooke, M. I. (2015). Aspectos conceituais e metodológicos da resiliência psicológica: uma análise da produção científica brasileira. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 671-687. https://doi.org/10.12957/epp.2015.17665

Sampaio, R. F., Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, 11, 83-89. https://doi.org/10.1590/S1413-35552007000100013

Sordi, A. O., Manfro, G. G., & Hauk, S. (2011). O conceito de Resiliência: Diferentes Olhares. Revista Brasileira de Psicoterapia, 13, 115-132.

Ungaretti, M. S. (2013). Revisão literária sobre a relação de resiliência com conceitos psicanalíticos. Diaphora. 13(1), 63-69.

Publicado
2018-08-24
Como Citar
Malgarim, B. G., Santana, M. R. M., Machado, A. P., Bastos, A. G., & Freitas, L. H. (2018). Resilience and psychoanalysis: a systematic review. Psico, 49(2), 206-212. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.2.27632
Seção
Artigo de Revisão