Unidade de Polícia Pacificadora: suas representações sociais no morro e no asfalto

  • Karen Sibila Strobel Moreira Weimer Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Celso Pereira de Sá Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: UPP, Representações sociais, Comunidades.

Resumo

Este estudo analisou representações sociais construídas por moradores de um bairro do Rio de Janeiro e das comunidades lá situadas, acerca das modificações associadas à instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora. A amostra foi composta por 200 participantes, sendo 100 da parte plana do bairro e 100 das comunidades localizadas no morro. O instrumento utilizado envolveu: dados sociodemográficos; tarefa de evocação livre de palavras ao termo indutor “UPP”; questões referentes a mudanças devidas à implantação do projeto e expectativas quanto ao seu futuro. Os resultados sugerem que os dois conjuntos de elementos cognitivos levantados constituem uma única representação, visto que as diferenças no nível central de suas estruturas são mínimas. Apresentam caráter predominantemente positivo, tendo em comum os elementos “segurança”, “paz” e “tranquilidade”, de natureza normativa, e o elemento “melhoria”, de natureza funcional, característico apenas do núcleo central da representação do Morro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Sibila Strobel Moreira Weimer, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda em psicologia social (UERJ)

Mestre em psicologia social (UERJ)

Celso Pereira de Sá, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutor em Psicologia (FGV)

In Memoriam

Referências

Abric, J.-C. (1994). Pratiques sociales et représentations. Paris, França: PUF.

Abric, J.-C. (2003). Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In P. H. F. Campos & M. C. S. Loureiro (Orgs.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia, GO: UCG.

Andrada, A. F. (2013). O significado das UPPs, seus limites e possibilidades: a Santa Marta na cidade do Rio de Janeiro. (Dissertação de mestrado). Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Berthet, R. S. (Org.). (2012). O retorno do Estado às favelas do Rio de Janeiro: uma análise da transformação do dia a dia das comunidades após o processo de pacificação das UPPs. Brasília, DF: Banco Mundial.

Cunha, N. V. & Mello, M. A. S. (2011, julho). Novos conflitos na cidade: a UPP e o processo de urbanização na favela. Dilemas: Estudos de Conflitos e Controle Social, 4(3), 371-401. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Demográfico 2010 – Resultados do Universo. Brasília, DF: Gov. Recuperado de <http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=rj>.

Jodelet, D. (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro, RJ: EdUerj. Machado, L. A. (2011). Afinal, qual é a das UPPs? Disponível em: . Acesso em: 3 fev.

Melicio, T. B. L., Geraldini, J. R., & Bicalho, P. P. G. (2012, setembro) Biopoder e UPPs: alteridade na experiência do policiamento permanente em comunidades cariocas. Fractal, Revista de Psicologia, 24(3), 599-622. https://doi.org/10.1590/S1984-02922012000300011

Moscovici, S. (1984). The phenomena of social representations. In R. M. Farr, & S. Moscovici. (Ed.). Social representations. Condado de Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press.

Moscovici, S. (2009). Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes. Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. (S. Fuhrmann, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Ost, S. & Fleury, S. (2013). O Mercado Sobe o Morro. A Cidadania Desce? Efeitos Socioeconômicos da Pacificação no Santa Marta. Dados, Revista de Ciências Sociais, 56(3), 635-671.

Palmonari, A. & Cerrato, J. (2011) Representações sociais e psicologia social. In A, M. O. Almeida, M. F. S. Santos, & Z. A. Trindade (Orgs.). Teoria das representações sociais, 50 anos (pp. 305-332). Brasília, DF: Technopolitik.

Perlman, J. (2010) Favela: four decades of living on the edge in Rio de Janeiro. New York: Oxford University Press.

Rouvenat, F. (2009, 14 maio). Bope ocupa morros do Leme em busca de armas e traficantes. O Globo. Recuperado de: <http://gazetaonline.globo.com/_ conteudo/2009/05/87817-bope+ocupa+morros+do+leme+em+busca+de+armas+e+traficantes html>.

Sá, C. P. (1993) Representações sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In M. J. Spink (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo, SP: Brasiliense.

Sá, C. P. (2015) Estudos de psicologia social: história, comportamento, representações e memória. Rio de Janeiro, RJ: EdUerj.

Santana, G. C. A., Costa, M. H. C., & Castro, R. V. (2016). Violência, favela e pacificação: representações sobre a Unidade de Polícia Pacificadora no Morro do Andaraí do Rio de Janeiro. Emancipação, 16(1), 61-79. https://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.16i1.0004

Santos, M. F. S. (2005). A teoria das representações sociais. In, M. F. S. Santos & L. M. Almeida (Orgs.). Diálogos com a Teoria da Representação Social (pp. 13-38). Recife, PE: Editora Universitária da UFPE.

Tajfel, H. & Turner, J. C. (1986). The social identity theory of intergroup behavior. In S. Worchel, & W. Austin (Orgs.). Psychology of intergroup relations (2ª ed.) (pp. 07-24). Chicago, ILL: Nelson-Hall.

Trindade, Z. A., Santos, M. F. S., & Almeida, A. M. O. (2011) Ancoragem: notas sobre consensos e dissensos. In A, M, O. Almeida, M. F. S. Santos, & Z. A. Trindade (Orgs.). Teoria das representações sociais, 50 anos (pp. 305-332). Brasília, DF: Technopolitik.

Valla, V. (1986). Educação e Favela – Políticas para as favelas do Rio de Janeiro, 1940-1985. Petrópolis, RJ: Vozes.

Valladares, L. P. (2010, julho). Educação e Mobilidade Social nas favelas do Rio de Janeiro: o caso dos universitários (graduandos e graduados) das favelas. Dilemas – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 2(5-6), 153-172.

Vergès, P. (1992). L’évocation de l’argent: une méthode pour la definition du noyau central de la représentation. Bulletin de Psychologie, 45 (405), 203-209.

Publicado
2018-04-04
Como Citar
Weimer, K. S. S. M., & de Sá, C. P. (2018). Unidade de Polícia Pacificadora: suas representações sociais no morro e no asfalto. Psico, 49(1), 50-61. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.1.26886
Seção
Artigos