De Geração em Geração: A Violência Conjugal e as Experiências na Família de Origem

  • Patrícia Manozzo Colossi Universidade do Vale do Rio dos Sinos
  • Aline Riboli Marasca Universidade do Vale do Rio dos Sinos
  • Denise Falcke Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palavras-chave: Violência conjugal, família de origem, transgeracionalidade, violência familiar.

Resumo

Considerando os aspectos transgeracionais familiares e a relevância do tema da violência no relacionamento conjugal para diversas áreas do conhecimento, o presente estudo teve o objetivo de identificar possíveis associações entre violência conjugal e experiências da família de origem e verificar seu poder preditivo na perpetração de violência conjugal. Uma amostra de 300 sujeitos respondeu a um questionário de dados sociodemográficos, o Family Background Questionnaire e a Revised Conflict Tactics Scales. Os índices de violência conjugal mostraram-se expressivos e estabeleceram correlações significativas com as experiências de agressão na família de origem. Entre as mulheres, negligência física, abuso sexual e abuso de substâncias paterno foram preditores da agressão, enquanto, para os homens, o preditor foi abuso físico paterno. Discute-se o impacto das vivências na família de origem, assim como a relevância de políticas de atendimento a situações de violência, com vistas de interromper a perpetuação de um padrão relacional violento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Manozzo Colossi, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Psicóloga; Doutoranda e Mestre em Psicologia; Especialista em Psicoterapia Familiar e de Casal; Professora e Supervisora da Graduação em Psicologia das Faculdades Integradas de Taquara- FACCAT; Supervisora do Centro de Serviços em Psicologia-CESEP/FACCAT
Aline Riboli Marasca, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Psicóloga. Especialista em Avaliação Psicológica.
Denise Falcke, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Doutora em Psicologia. Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia-Unisinos

Referências

Alexander, P. (2011). Childhood maltreatment, intimate partner violence, work interference and women’s employment.

Journal of Family Violence, 26(1), 255-261. https://dx.doi.org/10.1007/s10896-011-9361-9

Ansara, D. L. & Hindin, M. J. (2009). Perpetration of intimate partner aggression by men and women in the

Philippines: prevalence and associated factors. Journal of Interpersonal Violence, 24(9), 1579-1590. http://dx.doi.

org/10.1177/0886260508323660

Banyard, V. L. & Modecki, K. L. (2006). Interpersonal violence in adolescence: ecological correlates of self-reported

perpetration. Journal of Interpersonal Violence, 21(10), 1314-1332. https://dx.doi.org/10.1177/0886260506291657

Black, D., Sussman, S., & Unger, J. (2010). A further look at the intergenerational transmission of violence: witnessing

interparental violence in emerging adulthood. Journal of Interpersonal Violence, 25(6), 1022-1042. https://dx.doi.

org/10.1177/0886260509340539

Borsoi, T. S., Brandão, E. R., & Cavalcanti, M. L. T. (2009). Ações para o enfrentamento da violência contra a mulher

em duas unidades de atenção primária à saúde no município do Rio de Janeiro. Interface – Comunicação, Saúde,

Educação, 13(28), 165-174. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000100014

Boyle, D. J., O’Leary, K. D., Rosenbaum, A., & Hassett-Walker, C. (2008). Differentiating between generally and

partner-only violent subgroups: lifetime antisocial behavior, family of origin violence, and impulsivity. Journal of

Family Violence, 23(1), 47-55. https://dx.doi.org/10.1007/s10896-007-9133-8

Bruschi, A., Paula, C. S., & Bordin, I. A. S. (2006). Prevalência e procura de ajuda na violência conjugal física ao longo

da vida. Revista de Saúde Pública, 40(2), 256-264. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000200011

Carvalho-Barreto, A., Bucher-Maluschke, J. S. N. F., Almeida, P. C., & DeSouza, E. (2009). Desenvolvimento humano

e violência de gênero: uma integração bioecológica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 86-91. http://dx.doi.

org/10.1590/s0102-79722009000100012

Cortez, M. B., Cruz, G. V., & Souza, L. (2013). Violência conjugal: desafios e propostas para a aplicação da Lei Maria

da Penha. Psico, 44(4), 499-507.

Dahlberg, L. D. & Krug, E. G. (2007). Violência: um problema global de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva,

(Supl.), 1163-1178. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000500007

Dourado, S. M. & Noronha, C.V. (2014). A face marcada: as múltiplas implicações da vitimização feminina nas relações

amorosas. Physis Revista de Saúde Coletiva, 24(2), 623-643. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312014000200016

Durand, J. G., Schraiber, L. B., França-Junior, I., & Barros, C. (2011). Repercussão da exposição à violência por

parceiro íntimo no comportamento dos filhos. Rev. Saúde Pública, 45(2), 355-364. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-

Falcke, D. (2003). Águas passadas não movem moinhos? As experiências da família de origem como preditoras da

qualidade do relacionamento conjugal (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul,

Porto Alegre, Brasil.

Falcke, D.(2006). Filho de peixe, peixinho é: a importância das experiências na família de origem. Colóquio, 3(1),

-97.

Fang, X. & Corso, P. S. (2008). Gender differences in the connections between violence experienced as a child and

perpetration of intimate partner violence in young adulthood. Journal of Family Violence, 23(5), 303-313. https://

dx.doi.org/10.1007/s10896-008-9152-0

Fehringer, J. A. & Hindin, M. J. (2009). Like parent, like child: intergenerational transmission of partner violence in

Cebu, the Philippines. Journal of Adolescent Health, 44(4), 363-371. https://dx.doi.org/10.1016/j.jadohealth.2008.

012.

Fergusson, C. J. (2011). Love is a battlefield: risk factors and gender disparities for domestic violence among

Mexican Americans. Journal of Aggression, Maltreatment & Trauma, 20(2), 227-236. http://dx.doi.org/10.1016/j.

chiabu.2005.10.006

Fernández-Montalvo, J., López-Go-i, J., & Arteaga, A. (2011). Tratamiento de agresores contra la pareja en programas

de atención a drogodependientes: un reto de future. Adicciones, 23(1), 5-9.

Gadoni-Costa, L. M., Zucatti, A. P. N., & Dell’Aglio, D. D. (2011). Violência contra a mulher: levantamento dos casos

atendidos no setor de psicologia de uma delegacia para a mulher. Estudos de Psicologia, 28(2), 219-227. http://dx.doi.

org/10.1590/S0103-166X2011000200009

Garcia, M. V., Ribeiro, L. A., Jorge, M. T., Pereira, G. R., & Resende, A. P. (2008) Caracterização dos casos de violência

contra a mulher atendidos em três serviços na cidade de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública,

(11), 2551-2563. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001100010

Gover, A. R., Park, M., Tomsich, E. A., & Jennings, W. G. (2011). Dating violence perpetration and victimization among

south korean college students: a focus on gender and childhood maltreatment. Journal of Interpersonal Violence,

(6), 1232-1263. https://dx.doi.org/10.1177/0886260508314330

Hughes, F. M., Stuart, G. L., Gordon, K. C., & Moore, T. M. (2007). Predicting the use of aggressive conflict tactics in

a sample of women arrested for domestic violence. Journal of Social and Personal Relationships, 24(2), 155-176.

https://dx.doi.org/10.1177/0265407507075406

Jaoko, J. (2010). Correlates of wife abuse in the Maseno and Nairobi areas of Kenya. International Social Work, 53(1),

-18. http://dx.doi.org/10.1177/0020872809348864

Kiss, L. B. & Schraiber, L. B. (2011). Temas médico-sociais e a intervenção em saúde: a violência contra mulheres

no discurso dos profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, 16(3), 1943-1952. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-

Koenig, M. A., Stephenson, R., Ahmed, S., Jejeebhoy, S. J., & Campbell, J. (2006). Individual and contextual determinants

of domestic violence in North India. American Journal of Public Health, 96(1), 132-138. https://dx.doi.org/10.2105/

AJPH.2004.050872

Lamoglia, C. V. A. & Minayo, M. C. S. (2009). Violência conjugal, um problema social e de saúde pública: Estudo em

uma delegacia do interior do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 595-604. http://dx.doi.org/10.1590/

S1413-81232009000200028

Lawson, D. M. & Rivera, S. (2008). Male partner abusers’ perceptions of family relationship functioning: a comparison

of clinically derived abuser types. Journal of Aggression, Maltreatment & Trauma, 17(1), 59-79. https://dx.doi.

org/10.1037/1524-9220.9.2.90

Leal, S. M. C., Lopes, M. J. M., & Gaspar, M.F.M. (2011). Representações sociais da violência contra a mulher na

perspectiva da enfermagem. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 15(37), 409-424. http://dx.doi.org/10.1590/

S1414-32832011005000012

Leôncio, K. L., Baldo, P. L., João, V. M., & Biffi, R. G. (2008). O perfil de mulheres vitimizadas e seus agressores. Revista

de Enfermagem UERJ, 16(3), 307-312.

Macy, R. & Goodbourn, M. (2012). Promoting successful collaborations between domestic violence and substance

abuse treatment service sectors: a review of the literature. Trauma, Violence & Abuse, 13(4), 234-25. https://dx.doi.

org/10.1177/1524838012455874

Martins, C., Ferriani, M. G., Silva, M. A., Zahr, N. R., Arone, K.M., & Roque, E. M. S. (2007). A dinâmica familiar na

visão de pais e filhos envolvidos na violência doméstica contra crianças e adolescentes. Revista Latino Americana

de Enfermagem, 15(5).

Melchert, T. P. (1998a). A review of instruments for assessing family history. Clinical Psychology Review, 18, 163-187.

http://dx.doi.org/10.1016/S0272-7358(97)00058-5

Melchert, T. P. (1998b). Testing the validity of an instrument for assessing family of origin history. Journal of Clinical

Psychology, 54, 863-876.http://dx.doi.org/10.1002/(SICI)1097-4679(199811)54:7<863::AID-JCLP1>3.0.CO;2-G

Melo, Z. M., Silva, D. M., & Caldas, M. T. (2009). Violência intrafamiliar: crimes contra a mulher na área metropolitana

do Recife. Psicologia em Estudo, 14(1), 111-119. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722009000100014

Mendlowicz, M. & Figueira, I. (2007). Transmissão intergeracional da violência familiar: o papel do estresse póstraumático.

Revista Brasileira de Psiquiatria, 29(1), 88-89. https://dx.doi.org/10.1590/S151644462007000100023

Milner, J. S., Thomsen, C. J., Crouch, J. L., Rabenhorst, M. M., Martens, P. M., Dyslin, C. W., Guimond, J. M., Stander,

V. A., & Merrill, L. L. (2010). Do trauma symptoms mediate the relationship between childhood physical abuse and

adult child abuse risk? Child Abuse and Neglect, 34(5), 332-344. https://dx.doi.org/10.1016/j. chiabu.2009.09.017

Miranda, M. P. M., Paula, C. S., & Bordin, I. A. (2010). Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e

impacto imediato na saúde, trabalho e família. Revista Panamericana de Salud Publica, 27(4), 300-308. http://dx.doi.

org/10.1590/S1020-49892010000400009

Moraes, C. L., Hasselmann, M. H., & Reichenheim, M. E. (2002). Adaptação transcultural para o português do

instrumento “Revised Conflict Tactics Scales (CTS2)” utilizado para identificar a violência entre casais. Cadernos de

Saúde Pública, 18(1), 163-175. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000100017

Mosmann, C., Zordan, E., & Wagner, A. (2011). A qualidade conjugal como fator de proteção do ambiente familiar. In

A. Wagner (Eds), Desafios psicossociais de família contemporânea (pp. 58-71). Porto Alegre: Artmed.

Narvaz, M. G. & Koller, S. H. (2006). Mulheres vítimas de violência doméstica: compreendendo subjetividades

assujeitadas. Psico, 37(1), 7-13.

Noll, J. G., Trickett, P. K., Harris, W. W., & Putnam, F. W. (2009). The cumulative burden borne by offspring whose

mothers were sexually abused as children: descriptive results from a multigenerational study. Journal of Interpersonal

Violence, 24(3), 424-449. https://dx.doi.org/10.1177/0886260508317194

Padovani, R. & Williams, L. (2011). Estilo parental de origem e ansiedade em homens com histórico de agressão à

parceira. Estudos de Psicologia, 16(3), 263-269. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2011000300008

Paixão, G. P. N., Gomes, N. P., Diniz, N. M. F., Couto, T. M., Vianna, L. A. C., & Santos, S. M. P. (2014). Situations

which precipitate conflicts in the conjugal relationship: the women’s discourse. Text Context Nursing, 23(4), 1041-

https://dx.doi.org/10.1590/0104-07072014003290013

Paradis, A. D. Reinherz, H. Z., Giaconia, R. M., Beardslee, W. R., Ward, K., & Fitzmaurice, G. M.(2009). Long-term

impact of family arguments and physical violence on adult functioning at age 30 years: findings from the simmons

longitudinal study. Journal of American Academic Child and Adolescence Psychiatry, 48(3), 290-298. https://dx.doi.

org/10.1097/CHI.0b013e3181948fdd

Pedro, M. M. F. (2013). Relação conjugal e relação pais-filhos: estudo de variáveis mediadoras e moderadoras (Tese

de Doutorado). Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia.

Pinto, A. S., Moraes, O. C. R., & Monteiro, J.(Orgs.). (2015). Dossiê mulher 2015. Rio de Janeiro: Instituto de Segurança

Pública.

Rosa, A., Boing, A., Büchele, F., Oliveira, W., & Coelho E. (2008). A violência conjugal contra a mulher a partir da ótica do

homem autor da violência. Saúde e Sociedade, 17(3), 152-160. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000300015

Silva, I. M., Menezes, C. C., & Lopes, R. C. S. (2010). Em busca da “cara-metade”: motivações para a escolha do

cônjuge. Estudos de Psicologia, 27(3), 383-391. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2010000300010

Silva, J. G., Valadares, F. C., & Souza, E. R. (2013). O desafio de compreender a consequência fatal da violência em

dois municípios brasileiros. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 17(46), 535-548. http://dx.doi.org/10.1590/

S1414-32832013005000022

Souto, C. M. R. M. & Braga, V. A. B. (2009) Vivências da vida conjugal: posicionamento das mulheres. Rev. Bras.

Enferm., 62(5), 670-674. http://dx.doi.org/10.1590/s0034-71672009000500003

Stenson, K. & Heimer, G. (2008). Prevalence of experiences of partner violence among female health staff: relevance

to awareness and action when meeting abused women patients. Women’s Health Issues, 18(2), 141-149. http://dx.doi.

org/10.1016/j.whi.2007.12.003

Stickley, A., Timofeeva, I., & Sparen, P. (2008). Risk factors for intimate partner Violence against women in St.

Petersburg, Russia. Violence Against Woman, 14(4), 483-495. https://dx.doi.org/10.1177/1077801208314847

Straus, M. (2010). Thirty years of denying the evidence on gender symmetry in partner violence: implications for

prevention and treatment. Partner Abuse, 1(3), 332-363. https://dx.doi.org/10.1891/1946-6560.1.3.332

Straus, M., Hamby, S., McCoy, S. B., & Sugarman, D. (1996). The Revised Conflict Tactics Scales (CTS2):

Development and preliminary psychometric data. Journal of Family Issues, 17(3), 283-316. http://dx.doi.org/

1177/019251396017003001

Vieira, E. M., Perdona, G. S. C., & Santos, M. A. (2011). Fatores associados à violência física por parceiro íntimo

em usuárias de serviços de saúde. Revista de Saúde Pública, 45(4), 730-737. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-

Villas Boas, A. C. V. B., Dessen, M. A., & Melchiori, L. E. (2010). Conflitos conjugais e seus efeitos sobre o comportamento

de crianças: uma revisão teórica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(2), 91-102.

Wagner, A., Goulart, V. (2013). Os conflitos conjugais na perspectiva dos filhos. Arquivos Brasileiros de Psicologia,

(3), 392-408.

Weisbart, C. E., Thompson, R., Pelaez-Merrick, M., Kim, J., Wike, T., Briggs, E., English, D. J., & Dubowitz, H.

(2008). Child and adult victimization: sequelae for female caregivers of high-risk children. Child Maltreatment, 13(3),

-244. https://dx.doi.org/10.1177/1077559508318392

Whiting, J. B., Simmons, L. A., Havens, J. R., Smith, D. B., & Oka, M. (2009). Intergenerational transmission of

violence: the influence of self-appraisals, mental disorders and substance abuse. Journal of Family Violence, 24(8),

-648. https://dx.doi.org/10.1007/s10896-009-9262-3

Yoshihma, M. & Horrocks, J. (2010). Risk of intimate partner violence: role of childhood sexual abuse and sexual

initiation in women in Japan. Children and Youth Services Review, 32(1), 28-37. http://dx.doi.org/10.1016/j.

Zanoti-Jeronymo, D. V., Zalesky, M., Pinsky, I., Caetano, R., Fliglie, N. B., & Laranjeira, R. (2009). Prevalência de abuso

físico na infância e exposição à violência parental em uma amostra brasileira. Cadernos de Saúde Pública, 25(11),

-2479. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001100016

Publicado
2015-12-08
Como Citar
Colossi, P. M., Marasca, A. R., & Falcke, D. (2015). De Geração em Geração: A Violência Conjugal e as Experiências na Família de Origem. Psico, 46(4), 493-502. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.4.20979
Seção
Artigos