Depressão Pós-Parto Materna: Crenças, Práticas de Cuidado e Estimulação de Bebês no Primeiro Ano de Vida

  • Bárbara Camila de Campos Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho – UNESP http://orcid.org/0000-0003-4856-1491
  • Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho – UNESP
Palavras-chave: Depressão pós-parto, práticas e crenças maternas, cuidados primários, estimulação.

Resumo

Após o nascimento a mediação da interação do recém-nascido com o mundo é facilitada pela mãe, estudos indicam que mães deprimidas podem interagir pouco com seu bebê, gerando déficits comportamentais e cognitivos ao longo do desenvolvimento. Este estudo pretendeu descrever e relacionar o índice de depressão pós-parto apresentado por mães de bebês e as práticas e crenças sobre cuidado primário e estimulação. Foi utilizada a “Escala de Edinburgh de Depressão Pós-Parto – EPDS e a “Escala de crenças parentais e práticas de cuidado (E-CPPC) na primeira infância”. Os resultados obtidos com 132 mães indicaram sintomas de depressão para 29,5% da amostra. Com relação às práticas houve diferenças significativas entre os grupos clínicos e não clínicos na dimensão Estimulação, indicando que mães deprimidas podem interagir e estimular menos seus bebês. Desta forma têm-se aí um grupo de risco em que a díade deve ser cuidada em busca de um desenvolvimento adequado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Camila de Campos, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho – UNESP
Psicóloga, possui Graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, campus de Bauru. Atualmente é aluna e bolsista FAPESP do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP de Bauru. Desenvolve atividade de pesquisa na área de Análise do Comportamento aplicada ao Desenvolvimento Infantil e interação mãe-bebê. Participa do Projeto de Extensão: " Acompanhamento do desenvolvimento de bebês: avaliação e orientação aos pais " e do Grupo de Pesquisa: "Ações preventivas e processos de intervenção em desenvolvimento infantil". Atuou como professor bolsista junto ao Departamento de Psicologia da UNESP/Bauru.

Referências

Alvarenga, P. & Palma, E. M. S. (2013). Indicadores de Depressão Materna e a Interação Mãe-Criança aos 18 Meses de

Vida. Psico, 44(3), 402-410.

Bowlby, J. (2002) Primórdios do comportamento do apego. In J. Bowlby. Apego e perda: apego (pp. 329-69). São Paulo:

Martins Fontes.

Bowlby, J. (1984a). Apego. São Paulo: Martins Fontes.

Cantilino, A., Albuquerque, C. F., Paes, T. L. C., Montenegro, J. A., Peres, A. C., & Sougey, E. B. (2010). Postpartum

depression in Recife – Brazil: prevalence and association with bio-socio-demographic factors. Jornal Brasileiro de

Psiquiatria, 59(1), 1-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852010000100001

Cantilino, A., Albuquerque, C., & Cantilino, G. (2003). Validação da escala de depressão pós-parto de Edinburgh (versão

em português) no Nordeste do Brasil. Anais do XXI Congresso Brasileiro de Psiquiatria, Goiânia, GO.

Carvalho, F. A. & Lima Salum, M. (2014). Relação entre Depressão Pós-Parto e Apoio Social: Revisão Sistemática da

Literatura. Psico, 45(4), 463-474. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.4.15423

DSM-V: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorder. (2013). American Psychiatric Association (APA).

Evans, J., Heron, J., Lewis, G., Araya, R., & Wolke D. (2005). Negative self-schemas and the onset of depression in

women: longitudinal study. The British Journal of Psychiatry, 186(4), 302-307. http://dx.doi.org/10.1192/bjp.186.4.302

Figueira, P. G., Diniz, L. M., & Silva Filho, H. C. (2011). Características demográficas e psicossociais associadas à

depressão pós-parto em uma amostra de Belo Horizonte. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 33(2), 71-75.

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082011005000009

Figueira, P. G., Diniz, L. M., & Silva-Filho, H. C. (2011). Características demográficas e psicossociais associadas à

depressão pós-parto em uma amostra de Belo Horizonte. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul (Porto Alegre),

(2), 71-75. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082011005000009

Flores, M. R., Ramos, A. P., Moraes, A., & Beltrami, L. (2012). Associação entre indicadores de risco ao desenvolvimento

infantil e estado emocional materno. Revista CEFAC, 15(02), 348-360. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-

Fonseca, V. R. J. M., Silva, G. A., & Otta E. (2010). Relação entre depressão pós-parto e disponibilidade emocional

materna. Cadernos de Saúde Pública, 26 (4), 738-746. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-311x2010000400016

Goodman, S. H. & Rouse, M. H. (2010). Perinatal depression and children: A developmental perspective. Encyclopedia

on early childhood development, Montreal, Quebec: Centre of Excellence for Early Childhood Development, 1-7.

Gradvohl, S. M. O., Osis, M. J. D., & Makuch, M. Y. (2014). Maternidade e formas de maternagem desde a idade média

à atualidade. Pensando famílias, 18 (1), 55-62.

Guedes, A. C. E., Kami, C. T., de Vargas Cavalli, L. K., Nicolaou, S. K., Hess, V. B., & Maluf, E. M. C. P. (2011).

Depressão pós-parto: incidência e fatores de risco associados. Revista de Medicina, 90(3), 149-154. http://dx.doi.

org/10.11606/issn.1679-9836.v90i3p149-154

Guerra, M. J., Braga, M. C., Quelhas, I., & Silva, R. (2014). Promoção da saúde mental na gravidez e no pós-parto.

Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (SPE1), 117-124.

Halligan, S. L., Murray, L., Martins, C., & Cooper, P. J. (2007). Maternal depression and psychiatric outcomes in

adolescent offspring: a 13-year longitudinal study. Journal of affective disorders, 97(1), 145-154. http://dx.doi.

org/10.1016/j.jad.2006.06.010

Holmes, D. S. (2001). Psicologia dos transtornos mentais (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Keller, H. (2007). Culture of Infancy. Mahwah, New Jersey; London: Lawrence Erlbaum Associates Publishers.

Leahy-Warren, P., Mccarthy, G., & Corcoran, P., (2012) First-time mothers: social support, maternal parental selfefficacy

and postnatal depression. Journal of Clinical Nursing, 13(3), 88-397. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-

2011.03701.x

Liberato, M. D. M. (2009). Desinstitucionalizar é ultrapassar fronteiras sanitárias: o desafio da intersetorialidade e do

trabalho em rede. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 2009.

Lobato, G., Moraes, C. L., & Reichenheim, M. E. (2011). Magnitude da depressão pós-parto no Brasil: uma revisão

sistemática. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 11(4), 369-379. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-

Lobato, Gustavo, Moraes, Claudia L, & Reichenheim, Michael E. (2011). Magnitude da depressão pós-parto no Brasil:

uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 11(4), 369-379. http://dx.doi.org/10.1590/

S1519-38292011000400003

Macarini S. M., Martins, G. D. F., Minetto. M. F., M. F. J., & Vieira, M. L. (2010). Práticas parentais: uma revisão da

literatura brasileira. Arquivos Brasileiro de Psicologia, 62(1), 119-134.

Martins, G. D. F., Macarini, S. M., Vieira, M. L., Seidl-de-Moura, M. L., Bussab, V. L. R., & Cruz, R. M. (2010).

Construção e validação do Inventário de Crenças Parentais sobre Práticas de Cuidado (CPPC) na primeira infância.

Psico-USF, 15, 23-34. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712010000100004

Martins, G. D. F., Vieira, M. L., Seidl-de-Moura, M. L., & Macarini, S. M. (2011). Crenças e práticas de cuidado entre

mães residentes em capitais e pequenas cidades Brasileiras. Psicologia Reflexão e Critica, 24(9), 692-701.

Morais, M. L. S., Lucci, T. K., & Otta, E.(2013). Postpartum depression and child development in first year of life.

Estudos de Psicologia, 30(1) 7-17. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-166x2013000100002

Murray, L., Arteche, A., Fearon, P., Halligan, S., Goodyer, I., & Cooper, P. (2011). Maternal postnatal depression and the

development of depression in offspring up to 16 years of age. Journal of the American Academy of Child & Adolescent

Psychiatry, 50(5), 460-470. http://dx.doi.org/10.1016/j.jaac.2011.02.001

Murray, L., Halligan, S., & Cooper, P. (2010). Effects of postnatal depression on mother-infant interactions

and child development. Wiley-Blackwell Handbook of Infant Development, 2(2), 192-220. http://dx.doi.

org/10.1002/9781444327588.ch8

Piccinini, C. A. P., Frizzo, C. A., Brys, G. B. I., & Lopes, R. C. S. (2014). Parenthood in the context of maternal

depression at the end of the infant’s first year of life. Estudos de Psicologia (Campinas), 31(2), 203-214. http://dx.doi.

org/10.1590/0103-166X2014000200006

Prenoveau, J., Craske, M., Counsell, N., West, V., Davies, B., Cooper, P., & Stein, A. (2013). Postpartum GAD is a risk

factor for postpartum MDD: the course and longitudinal relationships of postpartum GAD and MDD. Depression and

anxiety, 30(6), 506-514. http://dx.doi.org/10.1002/da.22040

Ribeiro, D. G., Perosa, G. B., & Padovani, F. H. P. (2014). Saúde mental, interação mãe-criança e desenvolvimento ao final

do primeiro ano de vida. Paidéia (Ribeirão Preto), 24(59), 331-339. http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272459201407

Santos, I. S., Matijasevich, A., Tavares, B. F., Barros, A. J., Botelho, I.P., Lapolli, C., Magalhães, P. V., Barbosa, A. P.,

& Barros, F. C., (2007). Validation of the Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS) in a sample of mothers

from the 2004 Pelotas Birth Cohort Study. Cad Saúde Pública, 23, 2577-2588. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-

X2007001100005

Schardosim, J. M. & Heldt, E. (2011). Escalas de rastreamento para depressão pós-parto: uma revisão sistemática. Revista

Gaúcha de Enfermagem (Porto Alegre), 32(01), 159-166. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000100021

Sit, D. K. & Wisner, K. L. (2009). The identification of postpartum depression. Clinical obstetrics and gynecology, 52(3),

http://dx.doi.org/10.1097/GRF.0b013e3181b5a57c

Publicado
2015-12-08
Como Citar
Campos, B. C. de, & Rodrigues, O. M. P. R. (2015). Depressão Pós-Parto Materna: Crenças, Práticas de Cuidado e Estimulação de Bebês no Primeiro Ano de Vida. Psico, 46(4), 483-492. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.4.20802
Seção
Artigos