Eleitor e comunicação eleitoral em Porto Alegre: da ideologia partidária à eficiência midiática

Palavras-chave: Comunicação Política. Campanha Eleitoral. Comportamento Político.

Resumo

Este artigo apresenta uma análise das eleições municipais de 2008, 2012 e 2016 em Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul (RS), Brasil, a partir da construção de um quadro comparativo entre o comportamento dos eleitores e as estratégias de comunicação das coligações. São analisadas características históricas do eleitorado, resultados eleitorais e estratégias de comunicação eleitoral, e, finalmente, são comparados os dados dos candidatos vitoriosos nos três pleitos. Busca-se identificar os modelos mais bem-sucedidos de comunicação eleitoral nesses pleitos e se há padrão histórico de comunicação eleitoral que leve os candidatos ao poder ou se novas estratégias vêm sendo agregadas aos processos. Identificamos a repetição de temas, abordagens e uso de mídias nos dois primeiros pleitos, com inflexão na última eleição, a de 2016.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Mendonça, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa

Pesquisadora do Doutoramento em Ciências da Comunicação e do Laboratório de Ciências da Comunicação do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL ) do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Portugal. Doutora desde 2013 em Ciências Sociais, Especialista em Estudos Comparados sobre as Américas, pelo Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas (Ceppac) do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Brasília (UnB), Brasil, com bolsa da Capes/MEC. Especialização em Relações Internacionais pelo Instituto de Relações Internacionais (Irel) da UnB em 2008. Graduada pela Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação Social (Fabico) com ênfase em Jornalismo pela UFRGS, Brasil, em 1998.

Jéssica Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS)

Doutoranda em Ciência Política pelo Programa de Pós Graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestre em Ciência Política pelo mesmo programa. Graduada bacharel em Ciências Sociais pela UFRGS. Pesquisadora no Grupo de Pesquisa em Cultura Política do PPGPOL UFRGS e colaboradora da equipe do World Value Survey Brasil. Além disso, participa das atividades do Núcleo de Pesquisa sobre a América Latina (NU PESAL). Foi colaboradora em grupos de pesquisa no Núcleo de Pesquisa e Documentação da Política Rio-Grandense (NU PERGS), sob a orientação da professora Doutora Maria Izabel Saraiva Noll. Dedicando-se, atualmente, a pesquisas na área de Cidadania e Qualidade Democrática.

Referências

BAQUERO, Marcello; PRÁ, Jussara Reis. Matriz histórico-estrutural da cultura política no Rio Grande Sul e padrões de participação política. Cadernos de Ciência Política, Série Pré-Edições, n. 3. Porto Alegre: Universidade/UFRGS, 1995. https://doi.org/10.22533/at.ed.2301828122

CANAVILHAS, João. A comunicação política na era da internet. VIII CONGRESSO LU SOCOM. Labcom, 2009.

CASTELL S, Manuel. La era de la información. Madrid: Alianza Editorial, 1996. v. I. La sociedad en red.

COSTA, Ricardo. A Comunicação na Campanha Política. Aurora Revista de Arte, Mídia e Política, São Paulo, v. 6, n. 16, p. 65-94, fev.-maio 2013.

DIAS, M. R.; NOLL , M. I. S; KRAUSE, Silvana. O eleitor portoalegrense: voto retrospectivo, identidade partidária e estabilidade política. In: LAVAREDA, Antonio; TELL ES, Helcimara (org.). Como o eleitor escolhe seu prefeito. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011. p. 229-262.

FEE. Fundação de Economia e Estatística. PIB dos municípios do RS em 2015: municípios industriais foram os mais afetados em ano de crise. Disponível em: https://www.fee.rs.gov.br/indicadores/pib-rs/municipal/destaques/. Acesso em: 18 dez. 2018. https://doi.org/10.21115/jbes.v8.n2.p108-117

FERREIRA, Suzana Andrade. A internet como meio de comunicação política e construção de imagem no Brasil democrático. IV ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃ O BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM COMUN ICAÇÃ O POLÍTICA (COMPOLÍTICA). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011. https://doi.org/10.1590/1807-01912016223524

FIGUEIREDO, Ney Lima. Jogando para ganhar. Marketing político: verdade e mito. Geração Editorial, 1994.

GAÚCHA ZH. Eleições 2016: Como os principais candidatos de Porto Alegre usam as redes sociais em campanha. Zero Hora. 21 set. 2016. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/eleicoes-2016/noticia/2016/09/como-os-principais-candidatos-de-porto-alegre-usam-as-redes-sociais-em-campanha-7513903.html. Acesso em: 4 fev. 2018. https://doi.org/10.5216/sec.v15i1.20670

GIDDENS, Anthony. The Consequences of Modernity. Cambridge: Polity Press, 1990.

HOWARD, Philip N. New Media Campaigns and the Managed Citizens. Cambridge: University Press, 2006.

KERBEL, Matthew Robert. Edited for television: CNN , ABC and American Presidential elections. Boulder: Westview Press, 1998.

LLOYD, Jenny. Square peg, round hole? Can marketing-based concepts such as ‘product’ and the ‘marketing-mix’ have a useful role in political arena? In: W. WYMER JR.; J. LEES-MARSHMENT (ed.). Current Issues in Political Marketing. Binghamton: The Haworth Press, 2005. https://doi.org/10.1300/j054v14n01_03

MANIN, Bernard. As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 29, p. 5-34, 1995.

MARENCO, André. Voto em dois tempos: Notas sobre as eleições 2008 em Porto Alegre. In: BAQUERO, Marcello; CREMONESE, Dejalma (org.). Eleições Municipais 2008: Uma análise do Comportamento Eleitoral Brasileiro. Ijuí: Ed. Ijuí, 2009. p. 67-81. https://doi.org/10.5585/rdb.v2i2.86

NORRIS, Pippa. Virtuous Circle – Political Communications in Postindustrial Societies. Cambridge: University Press, 2000. https://doi.org/10.1093/ijpor/13.4.442

PASSOS, Manoel; NOLL , Maria Isabel. Eleições Municipais em Porto Alegre (1947-1992). Porto Alegre, 1996.

PORTO ALEGRE. Prefeitura Municipal. Anuário Estatístico – 2016. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre/Secretaria Municipal de Planejamento Estratégico e Orçamento/ Gerência de Monitoramento de Resultados, 2016. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/smpeo/usu_doc/anuario_estatistico_2016_31-10.pdf. Acesso em: 18 dez. 2018. https://doi.org/10.5700/rege328

ESPÍRITO SANTO, Paula do; FIGUEIRAS, Rita. Comunicação eleitoral. In: CORREIA, João Carlos; FERREIRA, Gil Baptista; ESPÍRITO SANTO, Paula do (org.). Conceitos de Comunicação Política. LabCom Books, 2010.

SERRANO, Estrela. Spin doctoring e profissionalização da comunicação política. In: CORREIA, João Carlos; FERREIRA, Gil Baptista; SANTO, Paula do Espírito (org.). Conceitos de Comunicação Política. Covilhã, 2010. p. 91-98.

SWANSON, David L. El campo de la comunicación política: la democracia en los médio. In: MUN ÕZ-ALONSO, A.; ROSPIR, J. L. Comunicación Política. Madrid: Ed. Universitas, 1995. https://doi.org/10.2307/j.ctvn96f5x.7

TRINDADE, Helgio. Padrões e tendências do comportamento eleitoral no Rio Grande do Sul (1950/1974). In: CARDOSO, Fernando Henrique; LAMOUN IER, Bolívar (org.). Os Partidos e as Eleições no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. https://doi.org/10.1590/1806-93472016v36n73-016

TRINDADE, Helgio; NOLL , M. I. S. Rio Grande da América do Sul – Partidos e Eleições (1823-1990). Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS/Sulina, 1991. https://doi.org/10.21041/conpat2019/v2pat222

TSE. Tribunal Superior Eleitoral. Brasil. Disponível em: http://www.tse.jus.br/. Acesso em: 18 dez. 2018.

Publicado
2019-12-27
Como Citar
Mendonça, C., & Duarte, J. (2019). Eleitor e comunicação eleitoral em Porto Alegre: da ideologia partidária à eficiência midiática. Revista FAMECOS, 26(3), e32791. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.3.32791
Seção
Pensamento Midiático Comunicacional