Por uma História Negra

A potência teórica do pensamento de Maria Beatriz Nascimento para a (re)escrita da História

Palavras-chave: Maria Beatriz Nascimento, Historiografia, Quilombo

Resumo

Para a historiadora Maria Beatriz Nascimento (1942-1995), a historiografia produziu ao longo dos anos uma série de distorções e negligenciamentos sobre os passados das populações negras. Ao (re)escrever a história dos quilombos a autora propôs que essa fosse feita a partir de outras temporalidades, teorias e aspirações, em vista a uma reconciliação das populações negras com os seus passados e com as possibilidades futuras abertas por esse movimento. Contudo, apesar da importância de suas produções para os debates sobre subjetividade negra, raça e historiografia ao longo das décadas de 1970, 1980 e 1990 no Brasil, sua obra e agência pouco figuram na disciplina histórica enquanto uma possibilidade teórica e historiográfica para a escrita da história. Dessa maneira, propomos neste artigo celebrar suas produções, tomando-as como “uma possibilidade nos dias da destruição”. Para isso, temos como enfoque central a concepção de uma epistemologia que privilegia a (re)escrita da história frente a uma perspectiva negra, a fim de evidenciar a potência teórica do pensamento da historiadora para sua área de formação e atuação acadêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lídia de Godoy Pinn, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Mariana, MG, Brasil.

Doutoranda em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em Mariana, MG, Brasil. Mestra e graduada em História pela mesma instituição. Integrante do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas da Universidade Federal de Ouro Preto e membro do Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade.

João Carlos Reis, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Mariana, MG, Brasil.

Mestrando em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em Mariana, MG, Brasil. Graduado em História-Licenciatura pela Universidade da Integração Latino-Americana (UNILA), em Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte, MG: Letramento, 2018.

BARRETO, Raquel. Introdução. In: NASCIMENTO, Maria Beatriz. Beatriz Nascimento, Quilombola e Intelectual: Possibilidades nos dias da destruição. São Paulo: Editora Filhos da África, 2018.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005

CARNEIRO, Sueli. Prefácio. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: Sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006. p. 11-13.

CUNHA JÚNIOR, Henrique. Quilombo: patrimônio histórico e cultural. Revista Espaço Acadêmico, [S. I.], v. 11, n. 129, p. 158-167, 17 nov. 2011.

DOMINGUES, Petrônio; GOMES, Flávio. Histórias dos quilombos e memórias dos quilombos no Brasil: Revisitando um diálogo ausente na Lei 10.639/2003. Revista da ABPN, Goiânia, v. 5, n. 11, p. 5-28, jul./out. 2013.

FRICKER, Miranda. Epistemic Injustice: Power and the Ethics of Knowing. New York: Oxford University Press, 2007.

KÖSSLING, Karin Sant’Anna. As Lutas Antirracistas de Afrodescendentes sob vigilância do DEOPS/SP (1964- 1983). 2007. Dissertação (Mestrado em História Social) – FFLCH/USP, São Paulo 2007.

MARTINS, Sandra; THEODORO (TOGO IORUBA), Gerson; GOMES, Flávio. Redemocratizando na raça: sobre memórias, intelectuais negros e movimentos sociais contemporâneos (notas de pesquisa). História: Questões & Debates, [S. l.], v. 63, n. 2, p. 195-210, maio 2016. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/historia/article/view/46707. Acesso em: 12 maio 2021.

NASCIMENTO, Beatriz. Beatriz Nascimento, Quilombola e Intelectual: Possibilidades nos dias da destruição. Filhos da África, 2018.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. Uma história feita por mãos negras: Relações raciais, quilombos e movimentos. Organização de Alex Ratts. 1. ed. Rio de janeiro: Zahar, 2021.

SILVEIRA, Oliveira. Vinte de novembro: história e conteúdo. In: SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves; SILVÉRIO, Valter Roberto. Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP/MEC-Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2003. p. 23-42.

SMITH, Christen; DAVIES, Archie; GOMES, Bethania. “In Front of the World”: Translating Beatriz Nascimento. Antipode, [S. l.], n. 53, 279-316, 2021. https://doi.org/10.1111/anti.12690.

VINHAS, Wagner. Palavras sobre uma historiadora transatlântica: estudo da trajetória intelectual de Maria Beatriz Nascimento. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

VINHAS, Wagner. Revisitando Maria Beatriz Nascimento: a continuidade histórica entre os sistemas sociais negros do passado e os assentamentos em favelas urbanas e comunidades rurais da atualidade. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/ as (ABPN), [S. l.], v. 10, n. 25, p. 271-293, 2018. Disponível em: http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/616/544&. Acesso em: 25 maio 2021.

ORÍ. Direção: Raquel Gerber. Fotografia: Hermano Penna, Jorge Bodanzky, Pedro Farkas, Adrian Cooper, Chico Botelho, Cláudio Kahns, Jorge Bodanzky, Raquel Gerber, Waldemar Tomas. Brasil: Angra Filmes Ltda.: Fundação do Cinema Brasileiro, 1989. (91 min), son., color.

PINN, Maria. Beatriz Nascimento e a invisibilidade negra na historiografia brasileira: mecanismos de anulação e silenciamento das práticas acadêmicas e intelectuais. Aedos, Porto Alegre, v. 11, n. 25, p. 140-156, dez. 2019.

PINN, Maria. Tem-se que se tornar visível, porque o rosto de um é o reflexo do outro, o corpo de um é o reflexo do outro: Maria Beatriz Nascimento e a reescrita da história do Brasil. 2021. 100 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2021.

RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: Sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

REIS, Rodrigo F dos. Ôrí e Memória: O pensamento de Beatriz Nascimento. Sankofa, São Paulo, v. 12, n. 23, p. 9-24, 2019. https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2019.169143.

REIS, Rodrigo F. dos. Beatriz Nascimento vive entre nós: pensamentos, narrativas e a emancipação do ser (anos 70/90). 2020. Dissertação (Mestrado em História) –Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

REIS, R. F. dos. Ôrí na perspectiva de gnose liminar. Revista Espaço Acadêmico, [S. I.], v. 20, n. 227, p. 99-110, 2021. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/54011. Acesso em: 23 ago. 2021

REIS, João Carlos. A historiografia e o quilombo na obra de Beatriz Nascimento. 2019. 22 p. Artigo (Trabalho de Conclusão de Curso em História) – Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Foz do Iguaçu, 2019.

REIS, Diego dos Santos. Re-ori-entar: Beatriz Nascimento e Mãe Beata de Yemonjá, historiadoras afro-atlânticas. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S. l.], v. 12, n. 34, p. 841-863, 2020. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/899. Acesso em: 2 fev. 2021.

Publicado
2021-09-03
Como Citar
Pinn, M. L. de G., & Reis, J. C. (2021). Por uma História Negra: A potência teórica do pensamento de Maria Beatriz Nascimento para a (re)escrita da História. Oficina Do Historiador, 14(1), e41033. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.41033
Seção
Dossiê: Mulheres Atlânticas