O nascimento e a morte da “Revolução”

O discurso do Jornal do Brasil (1964-1968)

Palavras-chave: Revolução, Jornal do Brasil, Ditadura militar

Resumo

A pesquisa vigente pretende analisar os editoriais produzidos pelo Jornal do Brasil, representante da grande imprensa, entre os anos de 1964 até 1968. O objetivo é explorar as definições e as justificativas em torno do golpe civil-militar e da ditadura militar. Para isso, o estudo foca em compreender o conceito de “Revolução” registrado pelo periódico nesse contexto. Assim, se verifica que as mudanças políticas se refletem no discurso que precisa se acomodar, demonstrando sua contradição diante de um momento histórico de incertezas e instabilidades políticas. A imprensa escrita na década de 1960 exercia forte influência na sociedade e na política, dessa forma, utiliza as suas páginas para pressionar e interferir na pauta política do Governo, mas também para justificar suas posições políticas e decisões, principalmente, em 1964. Apesar da sua linha de defesa ao Governo, o periódico entende, antes mesmo da deflagração do Ato Institucional n.º 5, que a permanência de um governo militar no poder significava uma ameaça para a sua própria liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane Cristina Guarnieri, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil.

Mestra em História pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), em Londrina, PR, Brasil.

Referências

ABREU, Alzira Abreu de. 1964: a imprensa ajudou a derrubar o governo Goulart. In: FERREIRA, Marieta de Moraes. João Goulart entre a memória e a história. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 107-129.

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e Oposição no Brasil (1964-1984). 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

BAHIA, Juarez. Jornal, História e Técnica. As técnicas do jornalismo. São Paulo: Ática, 1990.

BRASIL. Ato Institucional nº 1, de 9 de abril de 1964. Dispõe sobre a manutenção da Constituição Federal de 1946 e as Constituições Estaduais e respectivas Emendas, com as modificações introduzidas pelo Poder Constituinte originário da revolução Vitoriosa. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/AIT/ait-01-64.htm. Acesso em: 13 de abr. de 2017.

BRASIL. Presidente (1964-1967: Humberto Alencar Castelo Branco). A Revolução de 31 de março. Belo Horizonte, 31 mar.1965. 3 f. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/presidencia/ex-presidentes/castello-branco/discursos/1965/03.pdf/view. Acesso em: 2 de nov. 2020.

CARVALHO, Aloysio Castelo de. A Rede Democrática: O Globo, O Jornal e o Jornal do Brasil na queda do Governo Goulart. Niterói: NitPress, 2010.

CARVALHO, Aloysio Castelo. Os Jornais Cariocas da Rede da Democracia na queda do Governo Goulart. Histórica, São Paulo, n. 60, dez. 2013. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/historica/materia. php?id=4&edicao=58. Acesso em:12 de mar. 2013

CHIRIO, Maud. A política nos quartéis: Revoltas e protestos de oficiais na ditadura militar brasileira. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

CICCO, Cláudio. O que os militares fizeram foi uma contrarrevolução para frear uma revolução socialista. Jornal Campus, São Paulo, 19, out. 2011. Disponível em: http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2011/10/1964-um-golpe-ou-uma-revolucao. Acesso em: 05 de nov. 2018.

DIAS, Reginaldo Benedito. Sob o signo da Revolução Brasileira. A experiência da AP no Paraná. Maringá: Eduem, 2003.

D’ARAUJO, Maria Celina; SOARES, Glauco Ary Dillon CASTRO, Celso (org.). Visões do golpe. A memória militar sobre 1964. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

FERREIRA, Jorge. O Governo Goulart e o Golpe Civil Militar de 1964. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida. O Brasil Republicano. O Tempo da Experiência Democrática. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. v. 3, p. 346-404.

FICO, Carlos. Além do Golpe. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura Militar. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

FICO, Carlos. O golpe de 1964: momentos decisivos. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

FICO, Carlos. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 5-74, abr. 2017.

FREITAS, Jânio de. A imprensa e o AI-5. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. 5, 15 dez. 1998. Disponível em: http://acervo.folha.com.br/fsp/1998/12/15/2. Acesso em: 1 fev. 2020.

GRINBERG, Lucia. Partido Político ou bode expiatório, um estudo sobre a Aliança Renovadora Nacional ARENA, (1965-1979). Rio de Janeiro: Muad X, 2009.

JORNAL DO BRASIL. News Archive. Disponível em: http://www.jb.com.br/paginas/news-archive. Acesso dia 15 outubro 2020.

KINZO, Maria Dalva Gil. Oposição e autoritarismo. Gênese e trajetória do MDB (1966-1979). São Paulo: Vértice, 1988.

KOSSELECH, Reinhart. Sobre a Teoria e o método da determinação do tempo histórico. In: Futuro do Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma P. Mass e Carlos A. Pereira. Rio de Janeiro: Contrapontos, 2006. p. 97-190.

KOSSELECH, Reinhart. Uma História dos Conceitos: problemas teóricos e práticos. Tradução de Manuel Luís Salgado Guimarães. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134 -146, 1992.

LABOURIE, Pierre. 1940-1944. Os franceses do pensar-duplo. In: A construção Social dos regimes autoritários. QUADRAT Samantha Viz; ROLLEMBERG, Denise (org.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. p. 31-44.

MARTINS FILHO, João Roberto. O Palácio e a Caserna. A dinâmica militar das crises políticas na ditadura (1964-1969). São Carlos: EDUFSCar, 1996.

MELO, Demian Bezerra de. Ditadura “civil militar”? controvérsias historiográficas sobre o processo político brasileiro no pós-1964 e os desafios do tempo presente. Espaço Plural, Marechal Cândido Rondon, v. 13, n. 27, p. 39-53, 2012.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. João Goulart e a mobilização anticomunista de 1961- 1964. In: FERREIRA, Marieta de Moraes. João Goulart entre a memória e a história. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 107-128.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. O golpe de 1964 e a ditadura nas pesquisas de opinião. Tempo, Rio de Janeiro. v. 20, p. 1-20, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

PINHEIRO, Paulo Sergio. Os Atos Institucionais foram mera legalização de um golpe de estado, usurpação do governo. Jornal Campus, São Paulo, 19 out. 2011. Disponível em: http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2011/10/1964-um-golpe-ou-uma-revolucao. Acesso em: 5 nov. 2018.

QUADRAT Samantha Viz. A ditadura civil-militar em tempo de (in) definições (1964-1968). In: MARTINHO, Francisco Carlos Palmares (org.). Democracia e Ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006. p. 127-139.

PRADO JUNIOR, Caio. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PINHEIRO, Paulo Sergio. Os Atos Institucionais foram mera legalização de um golpe de estado, usurpação do governo. Jornal Campus, São Paulo, 19 out. 2011. Disponível em: http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2011/10/1964-um-golpe-ou-uma-revolucao. Acesso em: 5 de nov. 2018.

REGO, Gaudêncio T. do. Imprensa Brasileira contemporânea. Projeto TV Pesquisa, Rio de Janeiro, 1, nov.1969. Disponível em: http://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br. Acesso em: 5 out. 2012.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

RICOUER, Paul. A memória a história o esquecimento. Tradução de Alan Françoa. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

RICOUER, Paul. Do texto à ação. Ensaios de hermenêutica II. Porto: Rés, 1989.

RICOUER, Paul. Teoria da interpretação. Tradução de Artur Morão. Rio de Janeiro: Edição 70, 1976.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Unesp,1993.

SMITH, Anne Marie. Um acordo forçado. O consentimento da imprensa à censura no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

TUZZO, Simone Antoniaci. Deslumbramento coletivo: opinião pública, mídia e universidade. São Paulo: Annablume, 2004.

Publicado
2021-07-29
Como Citar
Guarnieri, D. C. (2021). O nascimento e a morte da “Revolução”: O discurso do Jornal do Brasil (1964-1968). Oficina Do Historiador, 14(1), e39676. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.39676
Seção
Dossiê: Mídias e História