GHOST IN THE SHELL (1995)

O FUTURO COMO POSSIBILIDADE

Palavras-chave: cinema, cibercultura, animação japonesa

Resumo

O artigo propõe uma reflexão acerca da construção de uma imagem de futuro feita pela animação japonesa Ghost In The Shell (1995). A intenção é pensar nas interfaces proporcionadas pelas novas tecnologias na história e na animação, as quais trabalham com e fala sobre estas novas tecnologias. As chaves de análise perpassam, também, os deslocamentos e encontros entre os elementos da cibercultura e da cultura japonesa, mostrando que a imagem de futuro projetada pelo filme é a imagem de possibilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geovana Siqueira Costa, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Seropédica, RJ, Brasil.

Mestranda em História pelo Programa de Pós Graduação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, bolsista FAPERJ, pesquisadora do Centro de Estudos Asiáticos (CEA-UFF) e participante do grupo de trabalho Entremeios (www.entre-meios.webnode.com)

Referências

AMARAL, Adriana. Visões perigosas: uma arque-genealogia do cyberpunk. Porto Alegre: Sulina, 2006.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: GRUNNEWALD, José Lino. A ideia do cinema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

HAYLES, Katherine. How we became posthuman. Chicago: University of Chicago Press, 1999. https://doi.org/10.7208/chicago/9780226321394.001.0001

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: TADEU, Thomaz. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

KIM, Joon Ho. Cibernética, ciborgues e ciberespaço: notas sobre as origens da cibernética e sua reinvenção cultural. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 10, n. 21, p. 199-219, jan./jun. 2004. https://doi.org/10.1590/S0104-71832004000100009

LAMARRE, Thomas. The anime machine: a media theory of animation. Minneapolis; London: University of Minnesota Press, 2009.

LE GUIN, Ursula K. The carrier bag theory of fiction. In: LE GUIN, Ursula K. Dancing at the edge of the world. Grove Press, 1986.

GHOST In The Shell. Direção: Oshii Mamoru. Produção: I.G., Companhia Bandai, Kondasha. Flashstar Home Video, c1995, 82 minutos. Roteiro: Kazunori Ito. Baseado no mangá de mesmo nome escrito por Shirow Masamune.

OKANO, Mitchiko. Ma: entre-espaço da arte e comunicação no Japão. São Paulo: Annablume; FAPESP; Fundação Japão, 2012.

ORTIZ, Renato. O próximo e o distante: Japão e modernidade mundo. São Paulo: Editora Brasiliense, 2000.

SIBILIA, Paula. O homem pós-orgânico. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015.

SHIN, Hyewon. Voice and vision in Oshii Mamoru’s Ghost in The Shell: beyond Cartesian optics. SAGE Animation, mar. 2011. https://doi.org/10.1177/1746847710391506

YAMADA, Arthur Yoshihiro Junqueira Garcia. Ciborgues e pós-humanismo: analisando Ghost In The Shell (1995) de Mamoru Oshii. Monografia apresentada junto ao curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos, 2015.

TZE-YUE, G. Hu. Frames of anime culture and image-building. Hong Kong University Press, 2010.

Publicado
2021-07-29
Como Citar
Siqueira Costa, G. (2021). GHOST IN THE SHELL (1995): O FUTURO COMO POSSIBILIDADE. Oficina Do Historiador, 14(1), e39616. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.39616
Seção
Dossiê: Mídias e História