Razões para a queda do lulismo

Palavras-chave: lulismo, capitalismo dependente, padrão de reprodução do capital.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar uma contribuição ao debate sobre o significado do ciclo político-econômico “lulista” no Brasil e as razões de seu dramático declínio. O texto busca apontar algumas das causas para o esgotamento de um modelo que se colocou como alternativa ao liberalismo que caracterizou a década de 1990, também denominado de neoliberalismo ou Consenso de Washington. Em nossa hipótese, uma das razões para o esgotamento da fórmula de conciliação de classes encarnada por Lula foi o fortalecimento de um padrão de reprodução capitalista exportador de especialização produtiva, encarnado no setor do agronegócio e das atividades financeiras. Embora os grandes superávits comerciais proporcionados por esse setor tenham sido decisivos para os programas sociais que garantiram o sucesso político do lulismo, quando a conjuntura econômica modificou-se a partir da crise mundial de 2008, o agronegócio tornou-se o pivô de um realinhamento no bloco de poder, que se expressou no colapso do lulismo no impeachment de 2016.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Pereira Siqueira, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.
Doutor pelo Programa em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BERRINGER, Tatiana. A burguesia brasileira e a política externa nos governos FHC e Lula. Curitiba: Appris, 2015. https://doi.org/10.18366/tb.3006.2017

DELGADO, Guilherme Costa. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2012.

DIEESE. Política de Desenvolvimento Produtivo: Nova Política Industrial do Governo. São Paulo: Nota Técnica nº 67, 2008.

FELICIANO, Carlos Alberto. A prática da violência no campo brasileiro no século XXI. Disponível em: http://www.reformaagrariaemdados.org.br/sites/default/files/A%20pratica%20da%20violencia%20no%20campo%20do%20seculo%20XXI.pdf.

FILGUEIRAS (org.). Vitor Araújo. Saúde e segurança do trabalho na construção civil brasileira. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2015.

FERREIRA, Carla; LUCE, Mathias (org.). Padrão de reprodução do capital. São Paulo: Boitempo, 2012.

GOES, Fernanda Lira. Financiamento do BNDES para obras e serviços de empresas brasileiras no exterior. São Paulo: IPEA, 2016. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/

stories/PDFs/TDs/td_2297.pdf.

HIRATUKA, Célio; SARTI, Fernando. Investimento direto e internacionalização de empresas brasileiras no período recente. São Paulo: IPEA, 2011.

LAPLANE, Mariano; COUTINHO, Luciano; HIRATUKA, Célio (org.). Internacionalização e desenvolvimento da indústria no Brasil. São Paulo: Unesp, 2003.

LISBOA, Marijane Vieira. Balanço da política ambiental do governo Lula: grandes e duradouros impactos. In: PAULA, Marilene de (org.). “Nunca antes na história desse país”...? Um balanço

das políticas do governo Lula. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll Stiftung, 2011. https://doi.org/10.1590/1678-987316245708

LUCE, Mathias Seibel. O subimperialismo revisitado: a política de integração regional do governo Lula. Tese de Mestrado. Porto Alegre, 2007.

LUCE, Mathias Seibel. Teoria Marxista da Dependência – Problemas e categorias, uma visão crítica. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

MORENO, Camila. O Brasil made in China: para pensar as reconfigurações do capitalismo contemporâneo. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2015.

OLIVEIRA, Chico; BRAGA, Ruy; RIZEK, Cibele (org.). Hegemonia às avessas. São Paulo: Boitempo, 2010.

RICCI, Rudá. Lulismo: da era dos movimentos sociais à ascensão da nova classe média brasileira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. https://doi.org/10.33026/peg.v14i1.2103

SINGER, André. O lulismo em crise. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

STÉDILE, João Pedro (org.). A questão agrária no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2013. v. 7: O debate na década de 2000.

ZIBECHI, Raúl. Brasil potência: entre a integração regional e um novo imperialismo. Rio de Janeiro: Consequência, 2012.

Publicado
2019-12-18
Como Citar
Siqueira, D. P. (2019). Razões para a queda do lulismo. Oficina Do Historiador, 12(2), e34942. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2019.2.34942
Seção
Artigos