A essência do humano: identidade, memória, testemunho e trauma na obra “é isto um homem?” de primo Lévi

Palavras-chave: Identidade, Memória e Memória Traumática

Resumo

Este artigo tem como objetivo a partir da análise da obra “É isto  um homem?” de Primo Lévi, estabelecer ligação entre os conceitos de memória e identidade, destacando como lógica interna do campo de Auschwitz a impossibilidade de manutenção da identidade individual. Busca demonstrar como a “vivência irracional” dentro dos campos de concentração constitui uma memória traumática, a partir da análise dos testemunhos de Lévi, com os trabalhos dos autores referenciais na temática memória coletiva e individual, identidade e memória traumática. Entre estes utilizei Halbawachs e Catroga no contexto da constituição e usos da memória; M. Pollack para as questões da identidade; Paul Ricouer no tocante ao trabalho de luto e perdão; Sigmunt Baumann nos aspectos sobre o holocausto; H. Arendt sobre a violência e seus aspectos coercivos e Eric Hobsbawn, em um contexto histórico da Segunda Guerra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Michel dos Santos Camargo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (UFRGS).

Referências

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: Um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Cia da Letras, 1999.

ARENDT. H. Da violência. De 1969/70. traduzido por: Maria Cláudia Drummond em domínio publico.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e holocausto. RJ, Editora Zahar,1998.

CYTRYNOWICZ, Roney. Memória da barbárie: a história do genocídio dos judeus na segunda guerra mundial. SP, Ed: Nova Stella, 1990.

CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Primeira edição. Coimbra-Portugal, Ed: Quarteto, 2001.

DA SILVA, Helenice Rodrigues. Rememoração”/comemoração:as utilizações sociais da memória. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 22.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HALBABWACHS, Maurice. A memória coletiva. SP: Vértice,1990.

HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos. O breve século XX: 1914-1991. Trad. SANTARRITA, Marcos. SP: Companhia das Letras,1995.

LÉVI, Primo. É Isto um Homem? SP: Editora Rocco, 1988.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC Rio, 2006.

POLACK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

RICOUER, Paul. O perdão pode curar in HENRIQUES, Fernanda (org.), Paul Ricoeur e a Simbólica do Mal, Porto, Edições Afrontamento, 2005, pp. 35-40.

SELIGMANN-SILVA, M. (orgs.). História, memória, literatura. O testemunho na era das catástrofes. São Paulo: Escuta, 2003.

VIDAL-NAQUET, P. Os assassinos da memória. Tradução Marina Appenzeller. SP: Editora Papirus,1988.

WIEVIORKA, Annette. L’ère du témoin. Paris: Hachette Littératures, 1998.

Publicado
2019-12-18
Como Citar
Camargo, C. M. dos S. (2019). A essência do humano: identidade, memória, testemunho e trauma na obra “é isto um homem?” de primo Lévi. Oficina Do Historiador, 12(2), e33395. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2019.2.33395
Seção
Artigos