Os conflitos entre a diplomacia e os comerciantes britânicos sobre o tráfico negreiro brasileiro (1826-1850)

Palavras-chave: Inglaterra. Brasil. Tráfico de escravos.

Resumo

Os historiadores, ao longo das décadas, têm se debruçado sobre o tema da presença inglesa no Brasil e a sua atuação na erradicação do tráfico negreiro para o império. O objetivo do texto é analisar os conflitos de interesses entre os comerciantes ingleses no Brasil e a diplomacia de Londres na questão do tráfico de escravos africanos, apontando caminhos para uma análise mais meticulosa e crítica da ideia de uma Inglaterra unida contra o comércio de africanos. O artigo está dividido em quatro partes. A primeira parte será uma contextualização historiográfica sobre a atuação da Inglaterra e do governo britânico no Brasil do século XIX, apresentando uma plêiade de textos que tratam sobre o tema e de como eles foram exitosos ou não em resolver o problema dos ingleses no Brasil. Na segunda parte será demonstrando um exemplo de fonte documental que trata do assunto em questão. Na terceira, serão apontados caminhos teórico-metodológicos para uma melhor análise das disputas de poder entre os ingleses no Brasil, além de mais fontes documentais. E, finalizando, a última parte funcionará como uma tentativa de conclusão e harmonização do que foi apresentado ao longo do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Daniel Antunes Cardoso do Lago Carvalho, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ

Doutorando em História Contemporânea no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ

Referências

ARRUDA, José Jobson de Andrade. Uma colônia entre dois Impérios. A abertura dos portos brasileiros 1800-1808. Bauru: EDUSC, 2008.

BETHELL, Leslie. A abolição do comércio brasileiro de escravos. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2002.

BETHELL, Leslie. O Brasil no século XIX: parte do “império informal britânico”? In: CARVALHO, José Murilo de; CAMPOS, Adriana Pereira (org.). Perspectivas da cidadania no Brasil Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. p. 15-36.

CARDOSO, José Luís. Leitura e interpretação do Tratado de Methuen: balanço histórico e historiográfico. In: CARDOSO, José Luís. et. al. O Tratado de Methuen. Diplomacia, guerra, política e economia. Lisboa: Livros Horizonte, 2003. p. 11-29.

CARVALHO, João Daniel Antunes Cardoso do Lago. Uma lei “para britânico lamentar”: A lei de 7 de novembro de 1831 e o fim da preeminência inglesa no Brasil (1822-1850). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, 2013.

CONRAD, Robert. Tumbeiros. O tráfico de escravos para o Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

COSTA, Leonor et al. O Tratado de Methuen (1703). Diplomacia, Guerra, Política e Economia. Lisboa: Livros Horizonte, 2006.

DAVIS, David Brion. The problem of slavery in the age of revolution 1770-1823. New York/Oxford: Oxford University Press, 1999.

DRESCHER, Seymour. Econocide: British slavery in the era of abolition. 2. ed. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2010.

FAIRCLOGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Ed. UnB, 2001.

FLORENTINO, Manolo. Em Costas Negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

FREYRE, Gilberto. Ingleses no Brasil. Aspectos da influência britânica sobre a vida, a paisagem e a cultura do Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. O Comittee de 1808 e a defesa dos interesses ingleses com a Corte no Brasil. In: CARVALHO, José Murilo de (org.). Nação e cidadania no Império. Novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, pp. 371-393.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil Imperial. Os casos da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Co. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Co (1808-1840). São Paulo: Alameda, 2012.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. A presença inglesa no Império Brasileiro: a firma Edward Johnston & Co. e o comércio exportador, 1842-1852. Tempo, Niterói, p. 187-207, 2015. https://doi.org/10.1590/tem-1980-542x2015v213705

GINZBURG, Carlo. Nenhuma ilha é uma ilha. Quatro visões da literatura inglesa. Tradução de Samuel Titan Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. O cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Tradução de Maria Betânia Amoroso, José Paulo Paes e Hilário Franco Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GINZBURG, Carlo. Medo, reverência, terror. Quatro ensaios de iconografia política. Tradução de Frederico Carotti, Joana Angélica D’Avila Melo e Júlio Castañon Guimarães. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GUIZELIN, Gilberto da Silva. Comércio de almas & política externa. A diretriz atlântico- -africana da diplomacia imperial brasileira, 1822-1856. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.

INIKORI, Joseph E.; ENGERMAN, Stanley (org.). The atlantic slave trade: Effects on economies, societies, and people in Africa, the Americas and Europe. Durhan/London: Duke University Press, 1998.

MANCHESTER, Alan K. Preeminência inglesa no Brasil. Tradução de Janaína Amado. São Paulo: Brasiliense, 1973.

NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

PARRON, Tâmis Peixoto. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

PEIXOTO, Rafael Cupello. O poder e a lei. O jogo político no processo de elaboração da “lei para inglês ver” (1826-1831). Dissertação (Mestrado em História) -Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

PENHA, Ana Lúcia Nunes. Nas águas do canal. Política e poder na construção do canal Campos-Macaé. (1835-1875). Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

RIBEIRO, Alan dos Santos. “The leading commission-house of Rio de Janeiro”. A firma Maxwell, Wright & Co. no comércio do Império do Brasil (c.1827 – c.1850). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

RODRIGUES, Jaime. O infame comércio. Propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Unicamp/CECULT, 2000.

SHERWOOD, Marika. After abolition: Britain and the slave trade since 1807. Londres: I. B. Tauris, 2007.

SILVA, Camila Borges da. O símbolo indumentário. Distinção e prestígio no Rio de Janeiro (1808-1821). Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura/Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2010.

SOLOW, Barbara (org.). Slavery and the rise of the Atlantic System. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

TAVARES, Luís Henrique Dias. Comércio proibido de escravos. São Paulo: Ática, 1988. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i28p37-52

TOMICH, Dale W. Pelo prisma da escravidão. Trabalho, capital e economia mundial. São Paulo: Edusp, 2011.

WILLIANS, Eric. Capitalismo & escravidão. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Fontes documentais

BRASIL. Relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa pelo Ministro e Secretário D’Estado dos Negócios Estrangeiros na Sessão Ordinária de 1833. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1833. Center for Research Libraries. Disponível em: http://www-apps.crl.edu/brazil. Acesso em: 11 maio 2017.

BIOGRAFIA de Manuel da Silva Lisboa. My Heritage DNA. Disponível em: www.myheritageimages.com. Acesso em: 20 maio 2017.

Ofício nº 20, de dois de setembro de 1835, de Miguel Maria Lisboa para Manuel Alves Branco. Arquivo Histórico do Itamaraty. Missões Brasileiras em Londres. Código 216/1/15.

JORNAL do Commercio (RJ). Vol. 1, nº 18, 25 de janeiro de 1830. Fundação Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital. Acesso em: 10 nov. 2016.

JORNAL do Commercio. V. 4, n. 290, de 24 de setembro de 1828. Fundação Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital. Acesso em: 08 out 2016.

DESPACHO de maio de 1829, de Lord Ponsomby para o Earl of Aberdeen. Foreign Office. Slave Trade Department and successors – General Correspondence before 1906. The National Archives. Kew Gardens, Londres. Código: FO 84/95. Plataforma Discovery. Disponível em:

http://discovery.nationalarchives.gov.uk. Acesso em: 13 abr. 2016.

DESPACHO de 27 de junho de 1829, de Lord Ponsomby para o Earl of Aberdeen. Foreign Office. Slave Trade Department and successors – General Correspondence before 1906. The National Archives. Kew Gardens, Londres. Código: FO 84/95. PLATAFORMA DISCOVERY.

http://discovery.nationalarchives.gov.uk. Acesso em: 12 abr. 2016.

CARTA de Lei de 23 de novembro de 1826. In: CÂMARA FEDERAL DO BRASIL. Coleção de Leis do Império do Brasil de 1826. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1880.

STURZ, J. J. A review, financial, statistical and commercial, of the Empire of Brazil and its resources: together with a suggestion of the expediency and mode of admitting Brazilian and other foreign sugar into Great Britain for refining and exportation. London: Effingham Wilson, Royal Exchange, 1837.

Publicado
2019-10-04
Como Citar
Carvalho, J. D. A. C. do L. (2019). Os conflitos entre a diplomacia e os comerciantes britânicos sobre o tráfico negreiro brasileiro (1826-1850). Oficina Do Historiador, 12(1), e30651. https://doi.org/10.15448/21778-3748.2019.1.30651
Seção
Artigos