O “bom imigrante”: as religiosidades católica e protestante luterana como fator de identidade nacional (ou não) durante o Estado Novo

  • Sergio Luiz Marlow Professor do Centro Universitário Luterano de Manaus - ULBRA
Palavras-chave: Estado Novo. Religião. Nacionalismo.

Resumo

O presente artigo objetiva analisar a chamada “Campanha de Nacionalização” imposta pelo Governo de Vargas durante o Estado Novo. Entendia o Estado Brasileiro que faria parte deste processo de nacionalização o “abrasileiramento” de todos os imigrantes e seus descendentes que viviam em solo brasileiro, sendo que, além de falar a língua nativa, preferencialmente deveriam seguir como confissão de fé o Catolicismo. Neste sentido, em especial, foram atingidos os grupos protestantes, entre eles os luteranos, visto que,por utilizarem em seus ritos religiosos basicamente a língua alemã, poderiam ser considerados “dissidentes religiosos” em solo brasileiro. Desta forma, o artigo busca compreender como o processo de Nacionalização ocorreu para com os protestantes luteranos, a importância que o Catolicismo adquiria como uma espécie de fomentador da identidade nacional e de que forma um dos sínodos luteranos no Brasil, o Sínodo de Missouri, percebia a possível ligação entre o Estado Brasileiro e o Catolicismo Romano quando da perspectiva do Nacionalismo que se desejava impor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Luiz Marlow, Professor do Centro Universitário Luterano de Manaus - ULBRA

Doutor em História Social - Universidade de São Paulo

Mestre em História das Relações Políticas - Universidade Federal do Espírito Santo

Licenciatura Plena em História - Universidade Federal do Espírito Santo

Referências

BEOZZO, Oscar. A Igreja entre a Revolução de 1930, o Estado Novo e a Redemocratização. In: FAUSTO, Boris. História Geral da Civilização Brasileira. Vol. 11, São Paulo: Difel, 1984.

CANCELLI, Elizabeth. O mundo da violência: a polícia na Era Vargas. 2 ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994.

CARNEIRO, Maria L. T. O anti-semitismo na era Vargas. São Paulo: Brasiliense, 1988.

DREHER, Martin N. O Estado Novo e a Igreja Luterana. In.: MULLER, Telmo L. (org.). IV Simpósio de Imigração e Colonização Alemã. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 1994.

FONSECA, Alexandre B. Relações e privilégios. Estado, secularização e diversidade religiosa. Coleção Protestantismo e Sociedade. Rio de Janeiro: Novos Diálogos, 2011.

LENHARO, Alcir. Sacralização do poder. Campinas: Papirus, 1986.

MARLOW, Sergio L. Nacionalismo e Igreja: A Igreja Luterana – Sínodo de Missouri nos “porões” do Estado Novo. Dissertação de Mestrado em História Social das Relações Políticas. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2006.

______. Confessionalidade a toda prova: O Sínodo Evangélico Luterano do Brasil e a questão do Germanismo e do Nacional-Socialismo Alemão durante o Governo de Getúlio Vargas no Brasil. Tese de Doutorado em História Social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2013.

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

NOTÍCIAS NO BRASIL. Mensageiro Luterano. Novembro de 1938. Instituto Histórico da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB).

OLIVEIRA, Lucia L. Estado Novo: ideologia e poder. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1982.

SCHWARTZMAN, Simon et all. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

SEYFERTH, Giralda. Nacionalismo e identidade étnica: a ideologia germanista e o grupo teuto-brasileiro numa comunidade do Vale do Itajaí. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, 1981.

______. A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica. In: MAUCH, Cláudia; VASCONCELOS, Naira (Org.). Os alemães no sul do Brasil: cultura – etnicidade – história. Canoas: Editora da Ulbra, 1994.

______. A assimilação dos imigrantes como questão nacional. In: Mana – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Cultural. Museu Nacional, Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

UM POUCO DE HISTÓRIA: A IGREJA UNIDA ALEMÃ. Mensageiro Luterano. Junho de 1938. Instituto Histórico da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB).

Publicado
2018-01-11
Como Citar
Marlow, S. L. (2018). O “bom imigrante”: as religiosidades católica e protestante luterana como fator de identidade nacional (ou não) durante o Estado Novo. Oficina Do Historiador, 10(2), 77-92. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2017.2.27447