A liberdade para distribuir a «Bíblia Protestante» em Portugal no início do século XX: «o caso José Alexandre»

Palavras-chave: Monarquia Constitucional, Bíblia, Liberdade Religiosa, Sociedade Bíblica

Resumo

No acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, datado de 19 de outubro de 1907, reconhecia-se pela primeira vez sem ambiguidade a legalidade da venda da chamada «Bíblia Protestante» e, mais do que isso, a permissão da religião protestante em Portugal, com base no texto da Carta Constitucional de 1826. Quase quatro anos antes da consagração da «igualdade civil e política de todos os cultos» na nova lei fundamental da República, a jurisprudência do Estado confessional da Monarquia Constitucional já apontava para o reconhecimento do pluralismo religioso que se tinha começado a afirmar na sociedade portuguesa a partir da segunda metade do séc. XIX. Na origem desta decisão judicial histórica esteve uma acusação do foro penal mas também eclesiástico contra o vendedor itinerante José Alexandre que atuava em nome da Sociedade Bíblica, organização que se dedicava à distribuição da Bíblia em territórios portugueses desde 1809. Neste artigo procura-se aprofundar a fundamentação jurídica utilizada pelos juízes desembargadores para arquivar o processo deduzido em primeira instância contra o colportor da Sociedade Bíblica, num contexto político e jurídico, mas fundamentalmente social e religioso, em que a religião católica continuava a deter o quase exclusivo da propagação e afirmação da fé, bem como da pertença religiosa dos portugueses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

«A simples venda ambulante da chamada “Bíblia Protestante” não constitui o crime de falta de respeito à religião do reino: Nota», Gazeta da Relação de Lisboa: revista crítica dos tribunais (32), 31 de outubro de 1907, p. 254-255.

ADRAGÃO, Paulo Pulido ADRAGÃO. A Liberdade Religiosa e o Estado. Coimbra: Almedina, 2002.

Almanach das Famílias Christãs Protestantes para 1901. Lisboa: Typ. De Ferreira Medeiros, 1900.

«Bíblias Protestantes», Gazeta da Relação de Lisboa: revista crítica dos tribunais. (34), 7 de novembro de 1907, p. 265-266.

«Bíblias Protestantes», Gazeta da Relação de Lisboa: revista crítica dos tribunais. (35), 10 de novembro de 1907, p. 273-274.

CANDEIAS, António (dir. e coord.), PAZ, Ana Luísa e ROCHA, Melânia. Alfabetização e Escola em Portugal nos Séculos XIX e XX: os censos e as estatísticas (2.ª ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

Censo da População de Portugal no 1.º de Dezembro de 1911: 5.º recenseamento geral da população – estatística demográfica. Lisboa: Imprensa Nacional, 1913.

Codigo Civil Portuguez: approvado por carta de lei de 1 de Julho de 1867 (2.º ed.). Lisboa: Imprensa Nacional, 1868.

Código Penal Português: nova publicação oficial ordenada por decreto de 16 de Setembro de 1886 (Diário do Govêrno, de 20 de Setembro do mesmo ano) (7.ª ed.). Coimbra: Imprensa da Universidade, 1919.

Constituições Portuguesas: 1822|1826|1838|1911|1933. Lisboa: Assembleia da República, 2004.

FERREIRA, Ernesto. Arautos de Boas Novas: centenário da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Portugal (1904-2004). Lisboa: União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia, 2008.

FERREIRA, G. L. Santos. A Bíblia em Portugal: apontamentos para uma monografia (1495-1850). Lisboa: Typ. Ferreira de Medeiros, 1906.

LEITE, Rita Mendonça. Representações do Protestantismo na Sociedade Portuguesa Contemporânea: da exclusão à liberdade de culto (1852-1911). Lisboa: Centro de Estudos de História Religiosa, 2009.

LEITE, Rita Mendonça e CAVACO, Timóteo. «Edição e Distribuição da Bíblia em Portugal e no Brasil na Transição do Século (1864-1907), Investigar, Intervir e Preservar: caminhos da história da educação luso-brasileira – XI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação. Porto: CITCEM, 2016, CD-Rom.

MIRANDA, Jorge. «Estado, Liberdade Religiosa e Laicidade», Gaudium Sciendi (4), Julho 2013, p. 21-48.

MOREIRA, Eduardo. «Os Protestantes em Portugal», O Século: Suplemento Ilustrado, 21 de abril de 1910, s/p.

NETO, Vitor. O Estado, a Igreja e a Sociedade em Portugal (1832-1911). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1998.

SANTOS, Luís Aguiar. «Pluralidade Religiosa: correntes cristãs e não-cristãs no universo religioso português» in Carlos Moreira AZEVEDO (dir.), História Religiosa de Portugal (vol. 3). Lisboa: Círculo de Leitores, 2002, p. 399-501.

The Conquests of the Bible: a popular illustrated report of the British and Foreign Bible Society for the year 1902-3. Londres: The Bible House, 1903.

The (Ninety-Sixth) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCC. Londres: The Bible House, 1900.

The (Ninety-Seventh) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCI. Londres: The Bible House, 1901.

The (Ninety-Nineth) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCIII. Londres: The Bible House, 1903.

The (Hundredth) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCIV. Londres: The Bible House, 1904.

The (Hundredth and Second Report) of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCVI. Londres: The Bible House, 1906.

The (Hundred and Third) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCVII. Londres: The Bible House, 1907.

The (Hundred and Fourth) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCVIII. Londres: The Bible House, 1908.

The (Hundred and Fifth) Report of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCIX. Londres: The Bible House, 1909.

The (Hundredth and Sixth Report) of the British and Foreign Bible Society: for the year ending March MDCCCCIX. Londres: The Bible House, 1910.

VILAÇA, Helena. Da Torre de Babel às Terras Prometidas: pluralismo religioso em Portugal. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

Publicado
2018-07-29
Como Citar
Cavaco, T. (2018). A liberdade para distribuir a «Bíblia Protestante» em Portugal no início do século XX: «o caso José Alexandre». Oficina Do Historiador, 11(1), 122-141. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2018.1.26873
Seção
Artigos