Reflexões acerca do cotidiano de mulheres trabalhadoras rurais “boias frias” na cultura canavieira do interior paulista

  • ANTONIO ALVES BEZERRA UFAL/PPGH
Palavras-chave: Trabalhadoras rurais. Canavial. História Oral.

Resumo

Este artigo reflete acerca das experiências de lutas vivenciadas por mulheres trabalhadoras rurais “boias-frias”que atuaram na cultura canavieira no oeste paulista,nos primórdios do século XXI. Por meio da História Oral e dos estudos de gênero enquanto categoria de análise, evidencia a maneira pelas quais essas trabalhadoras percebem e explicam a sua segregação no mundo do trabalho e a exploração do capitalismo implementado em larga escala no setor sucroalcooleiro a partir dos anos de 1960. Além disso, o artigo discorre sobre os registros, nas memórias dessas mulheres, das transformações no campo, e sobre suas perspectivas de futuro no universo do trabalho rural em constante modificação. Utilizando essa metodologia de pesquisa, são explicitadas algumas das interfaces que marcaram as experiências de vida e de lutas das trabalhadoras rurais cortadoras decana das Usinas Nova América e Maracaí (complexos sucroalcooleiros alocados na região de Assis, interior paulista).As reflexões do artigo partem da análise das falas das trabalhadoras,entrevistadas à luz de referenciais teóricos, em busca de se compreender as interfaces de suas experiências de lutas e sobrevivência,tanto no campo dos canaviais, quanto no espaço do lar, problematizando os diferentes contextos dos eu cotidiano,com base no reconhecimento de que são sujeitos sociais e históricos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

ANTONIO ALVES BEZERRA, UFAL/PPGH
Graduação em História - Licenciatura Plena - UNESP/1999; Mestrado em História - História Social - PUC/SP/2002; Doutorado em História - História Social - PUC/SP/2011; Docente efetivo do curso de História e do PPGH da UFAL/ICHCA; Coordenador do PIBID/História - UFAL.

Referências

Referências

AMADO, J. Usos e Abusos da História Oral.Rio de Janeiro: FGV, 1996.

______. O grande mentiroso: tradição, veracidade e imaginação em história oral. In: História, São Paulo, 1995, pp.125-136.

BRUSCHINI, C. Mudanças e Persistências no trabalho feminino (Brasil, 1985-1995). In: SAMARA, E. M. (Org.). Trabalho Feminino e Cidadania. São Paulo: Humanitas/FFLCH-USP-SP, 1999.p. 29-55.

CHAUÍ, M. S. Cultura e Democracia: discurso competente e outras falas. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FERREIRA, M. M.; DELGADO, L. A. N. (Orgs.). História do Tempo Presente. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

JANOTTI, M. L. M. História Oral: uma utopia? Revista Brasileira de História, São Paulo: Marco Zero/ANPUH, Vol. 13, no 25/26, 1993, pp. 7-16.

MATOS, M. I. S. de. História das mulheres e das relações de gênero: campo historiográfico, trajetórias e perspectivas. Mandrágora, v.19. n. 19, São Paulo, 2013, p.5-15.

______. Cotidiano e Cultura: história, cidade e trabalho. Bauru: EDUSC, 2002.

______; SAMARA, E. M. Cotidiano e trabalho feminino (1890-1940). In: SAMARA, E. M. (Org.). Trabalho Feminino e Cidadania. São Paulo: Humanitas/FFLCH-USP-SP, 1999.p. 57-71.

MONTENEGRO, A. T. História Oral e Memória: a cultura popular revisitada. São Paulo: 3a ed., Contexto, 1994.

PEREIRA, M. D. C. T.A greve dos boias-frias de Guariba e a repressão (Maio de 1984). 2002. Dissertação (Mestrado em História) – USP/FFLCH, São Paulo, 2002.

PLANCHEREL, A. A.; BERTOLDO, E. (Orgs.). Trabalho e Capitalismo Contemporâneo. Maceió: Edufal, 2011.

PORTELLI, A. Tentando Aprender um Pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na História oral. In: Projeto História. São Paulo: EDUC, 1997, pp. 13-49.

SAFFIOTI, H. I. B. Do artesanal ao industrial: a exploração da mulher. Um estudo de operárias têxteis e de confecções no Brasil e nos Estados Unidos. São Paulo, HUCITEC, 1981.

SILVA, M. A. M. De Colono a “boia-fria”. In: DEL PRIORY, M. (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto/Ed.Unesp, 1997.

______.Errantes do fim do século. São Paulo, EDUNESP, 1999.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS, 1990.

SCARPINELLA, G. D. Carreadores da cultura da cana-de-açúcar: vantagens e desvantagens do tratamento do subleito. Revista Brasileira de Ciências Ambientais. n. 29, Set. 2013.

THOMPSON, E.P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro, Zahar, 1981.

______. Costumes em Comum. Estudo sobre a cultura Popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

THOMSON, A. Recompondo a Memória: questões sobre a relação entre a história oral e as memórias. In: Projeto História. São Paulo: EDUC, 1997, pp. 51-84.

WEIL, S. A condição operária e outros estudos sobre a opressão. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

Publicado
2018-01-11
Como Citar
BEZERRA, A. A. (2018). Reflexões acerca do cotidiano de mulheres trabalhadoras rurais “boias frias” na cultura canavieira do interior paulista. Oficina Do Historiador, 10(1), 14-43. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2017.1.26784