Corpos subjugados: estupro como problemática histórica

  • Kety Carla De March Doutora em História pela UFPR.
Palavras-chave: Gênero, Masculinidades, Violência sexual.

Resumo

O estupro durante muito tempo foi considerado como ato de poucos e degenerados maníacos sexuais. Mas, em meados do século XX, o entendimento sobre esse crime foi sendo modificado, deixando a margem social da experiência cotidiana para ser compreendido como uma relação de força e poder de homens sobre mulheres. Relação esta legitimada socialmente como parte integrante da formação das subjetividades masculinas. Procuramos, a partir da análise de processos criminais de estupro instaurados na comarca de Curitiba, Estado do Paraná, ao longo da década de 1950, analisar os discursos produzidos sobre a violência sexual e sua vinculação aos padrões de masculinidade e feminilidade naquele contexto histórico. Objetivamos problematizar a construção das masculinidades de homens que estavam no limiar entre a necessidade de demonstração de virilidade e dominação, representada na posse sexual do corpo feminino, e a anormalidade da violência sexual. Em que medida esses homens dialogavam com a masculinidade hegemônica deste contexto específico? Como jogavam discursivamente para produzir uma zona de sombra que lhes permitisse não serem julgados anormais pelos seus pares? Nesse contexto em que as mulheres estavam cada vez mais envolvidas com o mundo público, o estupro, mais do que relação sexual forçada, passava a funcionar como um dispositivo de modelação de condutas sexuais e sociais que operava na construção do medo da presença em espaços de vulnerabilidade feminina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kety Carla De March, Doutora em História pela UFPR.
Doutora em História pela UFPR. Professora Colaboradora da Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Referências

Referências bibliográficas:

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2007.

CHARAM, Isaac. O estupro e o assédio sexual: como não ser a próxima vítima. Rio de Janeiro: Record, Rosa dos tempos, 1997.

CONNELL, Robert. La Organizacion Social de La Masculinidad. In. VALDES, Tereza; OLAVARRIA, José. Masculinidad/es: poder y crisis. Cap. 2, ISIS-FLACSO: Ediciones de lasMujeresno 24. 1995.

FAUSTO, Boris. Crime e Cotidiano: a criminalidade em São Paulo (1880-1924). 2 ed. São Paulo. Edusp, 2001.

FORRESTER, John. Estupro, sedução e psicanálise. In: TOMASELLI, Sylvana; PORTER, Roy (orgs). Estupro. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1992.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2005.

GROSSI, Miriam Pillar. Masculinidades: Uma Revisão Teórica. Florianópolis: UFSC, 2004.

HARRISON, Ross. Estupro- estudo de um caso em filosofia política. In: TOMASELLI, Sylvana; PORTER, Roy (orgs). Estupro. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1992.

NORONHA, Edgar Magalhães. Crimes Contra os Costumes: comentários aos Arts. 213 a 226, e 108 n.VIII do Código Penal. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1943.

PORTER, Roy. Estupro – será que tem um significado histórico? In: TOMASELLI, Sylvana; PORTER, Roy (orgs). Estupro. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1992.

SANDAY, Peggy Reeves. Estupro como forma de silenciar o feminino. In: TOMASELLI, Sylvana; PORTER, Roy (orgs). Estupro. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1992.

SESARINO, Shirley Valera Rialto. Construção do masculino na Curitiba das décadas de 1940 e 1950: tornar-se homem. 2001. Dissertação (Mestrado)- UFPR, Paraná, 2001.

SOARES, Orlando. Sexologia Forense. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1990.

TREINER, Sabrine. Os estupros no mundo. In: OCKRENT, Cristine; TREINER, Sandrine (orgs). O livro negro da condição das mulheres. Rio de Janeiro: DIFEL, 2011.

WARSHAW, Robin. Eu nem imaginava que era estupro. Rio de Janeiro: Record, 1996.

VIGARELLO, Georges. História do Estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Rio de Janeiro: Jorge Sahar Editor, 1998.

Publicado
2018-01-11
Como Citar
De March, K. C. (2018). Corpos subjugados: estupro como problemática histórica. Oficina Do Historiador, 10(1), 97-116. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2017.1.26768