O Grémio do Comércio do Concelho de Guimarães: dinâmicas corporativas, associativas e comerciais

  • Jorge Mano Torres
Palavras-chave: Portugal, Estado Novo, Corporatism, Trade Guilds.

Resumo

Este artigo procura analisar a realidade do Grémio do Comércio do Concelho de Guimarães, órgão primário da organização corporativa instaurada pelo Estado Novo, entre o ano do seu surgimento 1939, e 1969, tendo por base a documentação que sobreviveu à sua extinção. O objectivo passa pela análise deste organismo, em particular no relativo às dinâmicas corporativas e internas do organismo, bem como das relações travadas com entidades exteriores à organização corporativa, com base na exploração das actas dos seus órgãos directivos. Por último, é caracterizado o universo social dos agremiados tendo em conta o sector de actividade, a dimensão da empresa e a sua localização no território do concelho vimaranense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASTOS, Carlos. Livro de Ouro do Comércio e da Indústria de Portugal. Porto: Edição do Autor, 1957.

CAL, Alexandre Herculano. Legislação Corporativa. Grémios do Comércio e da Indústria e Sindicatos. Porto: Edição do Autor, 1955.

CARDOSO, José Luís. Corporativismo, Instituições Políticas e Desempenho Económico. In ROSAS, Fernando; GARRIDO, Álvaro (coord.). Corporativismo, Fascismos, Estado Novo. Coimbra: Edições Almedina, 2012, p. 101-120.

FREIRE, Dulce; ESTEVÃO FERREIRA, Nuno; RODRIGUES, Ana Margarida. Corporativismo e Estado Novo. Contributo para um roteiro de arquivos das instituições corporativas. Lisboa: ICS, 2014.

GAGLIARDI, Alessio. Il Corporativismo Fascista. Bari: Gius, Laterza & Fligi, 2010.

GARRIDO, Álvaro. Contexto, fundamentos e lógicas de construção da economia nacional corporativa. In ROSAS, Fernando; GARRIDO, Álvaro (coord.). Corporativismo, Fascismos, Estado Novo. Coimbra: Edições Almedina, 2012, p. 143-164.

GRÉMIO DO COMÉRCIO DO CONCELHO DE GUIMARÃES. Estatutos. Barcelos: Companhia Editora do Minho, 1940.

LUCENA, Manuel. A Evolução do Sistema Corporativo Português, 2 vols. Lisboa: Perspectiva & Realidade, 1976.

ROSAS, Fernando; GARRIDO, Álvaro (coord.). Corporativismo, Fascismos, Estado Novo. Coimbra: Edições Almedina, 2012.

ROSAS, Fernando. Salazar e o Poder, A Arte de Saber Durar. Lisboa: Tinta da China, 2013.

FONTES

Instituto Nacional do Trabalho e Previdência Delegação de Braga (INTP Braga). Relatório 1940.

INTP Braga, Relatório 1942.

INTP Braga, Relatório 1.º semestre 1943.

INTP Braga, Relatório 2.º semestre 1943.

INTP Braga, Relatório 1947.

INTP Braga, Relatório 1948.

INTP Braga, Relatório 1949.

Grémio do Comércio do Concelho de Guimarães (GCCG). Actas da Assembleia Geral, 1944 a 1967;

GCCG, Actas da Comissão Organizadora e comissão directiva n. º1, 1939 a 1942.

GCCG. Actas da Direcção e da comissão adjunta referente à organização e realização das festas da cidade, 1956 a 1957;

GCCG. Actas da Direcção n.º 2, 1942 a 1952;

GCCG. Actas da Direcção n.º 3, 1952 a 1969;

GCCG. Actas de posse, 1937 a 1938;

GCCG. Actas do Conselho Geral n.º 1, 1942 a 1962;

GCCG. Cobrança rural, 1942–1950;

GCCG. Cobrança urbana, 1942–1951;

GCCG. Descarga de cotas, 1953 a 1955;

GCCG. Folha de cobrança do mês, 1956;

GCCG. Folha de cobrança rural, 1958–1959;

GCCG. Folha de cobrança urbana, 1958–1959;

GCCG. Livro de cotização urbana, 1945;

GCCG. Mapas de cobrança, 1957;

GCCG. Registo da cobrança e conta corrente dos sócios e empresas colectadas no 2o semestre, 1940;

GCCG. Registo da cobrança urbana, 1941;

GCCG. Registo das empresas comerciais cotizadoras, 1939 a 1940;

GCCG. Registo de cobrança e conta corrente das empresas cotizadoras, 1940;

GCCG. Registo de cobrança rural, 1941;

GCCG. Registo de sócios auxiliares, 1940 a 1946;

GCCG. Registo de sócios efectivos, 1939 a 1970;

GCCG. Registo de sócios, 1848 a 1970;

GCCG. Registo de sócios, 1950 a 1956;

GCCG. Registo de sócios, 1968 a 1970.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Mano Torres, J. (2018). O Grémio do Comércio do Concelho de Guimarães: dinâmicas corporativas, associativas e comerciais. Oficina Do Historiador, 11(2), 159-182. https://doi.org/10.15448/21778-3748.2018.2.26573
Seção
Artigos