Breves considerações sobre a recepção de António Oliveira Salazar no panorama intelectual da Nova Ordem dos anos 30

  • José Santos Universidade Nova de Lisboa.
Palavras-chave: Corporatism, António Oliveira Salazar, Estado Novo/New State,

Resumo

Em Le Siècle du Corporatisme, Mihail Manoilescu encapsulava o percepcionado triunfo do corporativismo integral sobre a democracia liberal e o comunismo em meados dos anos 30. Na sua mente, o corporativismo integral teria sido um passo inevitável na evolução filosófica de Homem (e das suas instituições políticas), alcançando maturidade política no início dos anos 30, marcando uma nova e hegemônica era na cena política e ideológica Europeia. Publicando Le Siècle du Corporatisme em 1934, o intelectual romeno estava plenamente consciente de que o Espírito do seu tempo favorecia a verificação de seus postulados, especialmente no rescaldo da crise de 1929 e o consequente colapso e incapacidade reactiva do sistema liberal-capitalista. António Oliveira Salazar emergiu deste caldo cultural, simbolizando o que Manoilescu e outros descreveram como a capacidade das Nações entenderam a necessidade de depositar nas mãos de certos selecionados indivíduos a iniciativa de transformação social. No final dos anos 30 a sua prática política e intervenções doutrinárias (publicadas regularmente na imprensa internacional), transformaram o português num dos principais intérpretes do corporativismo, especialmente após a publicação na França de Salazar. Le Portugal et son Chef (1934), Une Révolutions dans la Paix (1937) e Comment un relève un État (1937). Partindo deste conjunto de publicações, este trabalho pretende interpretar a recepção do Ditador português no panorama europeu dos anos 30.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Santos, Universidade Nova de Lisboa.
Investigador do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa.

Referências

BALDI-PAPINI, U. Portogallo Nuovo, lineamenti critici della riforma politico-costituzionale del Portogallo, Florença, Casa Editrice Poligrafica Universitaria, 1938.

BIAGGI, Bruno. Il Portogallo D’Oggi. Florença, Felice Le Monnier, Firenze,1939.

D’ORS, Eugénio. “Prólogo” em António Ferro Oliveira Salazar. El Hombre y su Obra, Madrid, Ediciones «Fax», 1935.

ELIADE, Mircea. Salazar, a Revolução em Portugal, Lisboa, Esfera do Caos. 2011 [1942]).

FERRO, António. Salazar. O Homem e a sua Obra, Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1933.

FERRO, António. Salazar, le Portugal et son chef, Précédé d’une note sur l’Idée de Dictadure de Paul Valery, Paris, Bernard Grasset, 1934a.

FERRO, António. Salazar, il Portogallo e il suo capo, Roma,Sindacato Italiano ArtiGrafiche, (Collana: Sprazzi dell'idea fascista sul mondo), 1934b.

FERRO, Antonio. Salazar: Portugal and her leader; translated by H. de Barros Gomes and John Gibbons; with a preface by Sir Austen Chamberlain; and a foreword by Oliveira Salazar, Londres, Faber, 1939.

LOEWENSTEIN, Karl. Autocracy versus democracy in contemporary Europe I, The American Political Science Review, vol. XXIV, pp. 571 – 593. 1935.

LUDWIG, Emil. Nine etched from life, Nova Iorque,R. M. McBride & company, [Edição britânica com o título Leaders of Europe, Londres,I. Nicholson and Watson,], 1934.

MANOILESCU, Mihael. Le Siècle du Corporatisme. Doctrine du Corporatisme Intégral et Pur, Paris, Librairie Félix Alcan, 1934.

MANOILESCU, Mihail. El Partido Único, Zaragoza,Editorial «Heraldo de Aragón», 1938 (1937).

MATOS, Helena. Salazar - volume II a propaganda, Mem Martins,Temas e Debates, 2004.

MONTEIRO, Armindo, “Prefácio” em Leopoldo Nunes O Ditador das Finanças, Lisboa, Ottosgráfica, 1930.

NUNES, Leopoldo, O Ditador das Finanças, Lisboa, Ottosgráfica, 1930.

RAMOS DO Ó, Jorge. Os Anos de Ferro. O Dispositivo cultural durante a “Política do Espírito”. 1933-1949. Lisboa, Editorial Estampa, 1999.

REIS SANTOS, José. Nem Fascismo nem Nazismo? Processos de difusão e recepção do Estado Novo como uma 3ª via no contexto dos processos de transição institucional da Europa da Nova Ordem, Tese de Doutoramento em História Contemporânea apresentada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2017.

ROBLES, Gil, Prólogo a ‘El Pensamento de la Revolucion Nacional’, Buenos Aires, Ediciones Fenix, 1938.

ROSAS, Fernando. “Prefácio”, Entrevistas de António Ferro a Salazar, Lisboa,Parceria A. M. Pereira, 2003.

ROSAS, Fernando. Salazar e o Poder. A Arte de saber durar, Lisboa, Tinta de China, 2013.

SALAZAR, António Oliveira. “Condições da reforma financeira” (27 Abril 1928) in António Oliveira Salazar, Discursos, 1928-1934, Coimbra, Coimbra Editora, pp. 1-6, 1928 (1935).

SALAZAR, António Oliveira. “Ditadura Administrativa e Revolução Política” (28 Maio 1930) em António Oliveira Salazar, Discursos, 1928-1934, Coimbra, Coimbra Editora, pp. 43-66, 1930a (1935).

SALAZAR, António Oliveira. “Princípios Fundamentais da Revolução Política” (30 Julho 1930) em António Oliveira Salazar, Discursos, 1928-1934, Coimbra, Coimbra Editora, pp. 67-96, 1930b (1935).

SALAZAR, António Oliveira. “As grandes certezas da Revolução Nacional” (28 Maio 1936) em António Oliveira Salazar, Discursos, 1935-1937, Coimbra, Coimbra Editora, pp. 125-142, 1936 1937).

SALAZAR, António Oliveira. Discursos, 1928-1934, Coimbra, Coimbra Editora, 1935.

SALAZAR, António Oliveira. Como se reerge um Estado [Comment on Relève un État]. Lisboa: Esfera do Caos, 1937a (2007).

SALAZAR, António Oliveira. Une Revolution dans La Paix, Paris, Flammarion, 1937b.

SALAZAR, António Oliveira. Discursos, 1935-1937, Coimbra, Coimbra Editora, 1937c.

SCHMITTER, Philippe. Still the Century of Corporatism, The Review of Politics, vol. 36, n.1, pp. 85-131, 1974.

SCHREIBER, Émile. Le Portugal de Salazar, Paris, Les Éditions Denoël, 1938.

SIEBURG, Friedrich. Le Nouveau Portugal. Portait d’un vieux Pays, Paris, Les Éditions de France, (traduzido do alemãopor Pierre Klossowski), 1938.

Publicado
2016-12-21
Como Citar
Santos, J. (2016). Breves considerações sobre a recepção de António Oliveira Salazar no panorama intelectual da Nova Ordem dos anos 30. Oficina Do Historiador, 9(2), 61-78. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/24563
Seção
Dossiê