Produção literária e contexto histórico no século XIX: O Mulato, de Aluísio Azevedo

  • Magna Lima Magalhães FEEVALE
  • Paulo Roberto Staud Moreira Universidade do Vale dos Sinos/UNISINOS
  • Rafael Eduardo Stelter FEEVALE
Palavras-chave: Produção Literária, História, Escravidão

Resumo

Tomando o romance O Mulato, de Aluísio de Azevedo, como pretexto, o artigo pretende analisar as representações político-literárias que ele comporta, sobre a presença negra no Brasil, no final do oitocentos. A obra transita por entre as estruturas sociais que projetavam múltiplos discursos indicando as relações de poder inferiorizantes do negro, como clérigos, comerciantes e Estado. As representações de manutenção do modo de produção escravo em face do desenvolvimento econômico e construção identitária nacional, convergem na lógica de que a emancipação negra não apenas é uma ameaça ao status quo da elite como perpassa o atraso brasileiro apreendido pelo viés da degeneração racial advindo da mestiçagem. Publicado em 1881, período de grandes mudanças estruturais (processo abolicionista, campanha e proclamação republicana, crescimento da imigração europeia), o livro coincide com a recepção no Brasil de várias perspectivas analíticas, que estimularam e condicionaram o pensar das elites nacionais sobre a participação negra, vista principalmente como entrave a consolidação de uma nação civilizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magna Lima Magalhães, FEEVALE
Doutora em História Pela Universidade do Vale dos Sinos.Professora/ pesquisadora da Universidade Feevale. Docente do PPG em Processos e Manifestações Culturais.
Paulo Roberto Staud Moreira, Universidade do Vale dos Sinos/UNISINOS
Doutor em História pela Univeridade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do PPG em História da Unisinos.
Rafael Eduardo Stelter, FEEVALE
Graduando do Curso de História  e  olsista de Iniciação Científica na Universidade Feevale.

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe. O Trato dos Viventes. Formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALONSO, Ângela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. Guerra e Paz. Casa-grande & Senzala e a obra de Gilberto Freyre nos anos 30. São Paulo: Editora 34, 1994.

ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

AZEVEDO, Aluísio. O Mulato. Belo Horizonte: Crisálida, 2005.

______. O Cortiço. São Paulo: Martim Glaret, [1890] 2007.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda Negra, Medo Branco. O negro no imaginário das elites - Século XIX. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

BARROS, José D’Assunção. A construção social da cor: diferença e desigualdade na formação da sociedade brasileira. Petrópolis: Vozes, 2009.

BLACKBURN, Robin. A Construção do Escravismo no Novo Mundo. Do Barroco ao Moderno (1492 / 1800). Rio de Janeiro: Editora Record, 2003.

BOSI, Alfredo. A escravidão entre os dois liberalismos. In: BOSI, Alfredo (org.). Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BOURDIEU, Pierre. Economia das Trocas Linguísticas. São Paulo: EDUSP, 1996.

CARVALHO FRANCO, M. S. de. As idéias estão em seu lugar. Cadernos de Debate, S.L. nº 1, 1976.

CARVALHO, José Murilo de. Pontos e Bordados. Escritos de história e política. Belo Horizonte: editora UFMG, 1998.

CASHMORE, Ellis. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000.

CASTRO, Hebe. M. Mattos. Laços de família e direitos no final da escravidão. In: ALENCASTRO, Luiz Felipe. História da vida privada no Brasil II – Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CHALHOUB, Sidney. Diálogos Políticos em Machado de Assis. In: CHALHOUB, Sidney e PEREIRA, Leonardo (orgs.). A História Contada. Capítulos de História Social da Literatura no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

______. Machado de Assis, historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

______. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1990.

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil?. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

DIMAS, Antonio; LEENHARDT, Jacques; PESAVENTO, Sandra. Reinventar o Brasil. Gilberto Freyre entre história e ficção. Porto Alegre: Editora da UFRGS; São Paulo: Editora da USP, 2006.

FREYRE, Gilberto. O escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX. 2 ed. aum. São Paulo: Nacional; Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1979.

______.Casa Grande e Senzala. Formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: José Olympio, 1961.

GRUZINSKI, Serge. O pensamento Mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

GUIMARÃES, Bernardo. A Escrava Isaura. São Paulo: L&PM, 2011.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LARA, Silvia Hunold. Campos da Violência: Escravos e Senhores na Capitania do rio de Janeiro 1750 – 1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.

LOVEJOY, Paul E. A Escravidão na África. Uma história de suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MACEDO, Joaquim Manuel de. As Victimas-Algozes. Quadros da Escravidão. 3 ed. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa; São Paulo: Scipione, 1991.

MAGALHÃES, Magna. Entre a preteza e a brancura brilha o Cruzeiro do Sul: associativismo e identidade negra em uma localidade teuto-brasileira (Novo Hamburgo/ RS). São Leopoldo: UNISINOS, 2010, Tese de Doutorado.

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista (Brasil, século XIX). Campinas: Unicamp, 2013.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. Escravidão, família e compadrio: a comunidade escrava no processo de ilegalidade do tráfico internacional de escravos (1831-1850). História Unisinos. São Leopoldo: V.18, p.312 - 337, 2014.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. Os cativos e os Homens de Bem: experiências negras no espaço urbano. Porto Alegre: EST Edições, 2003.

______. Por se ter queimado uma preta escrava, com o pretexto de bruxaria: fronteira, impunidade e crença dos senhores no poder mágico-religioso de seus cativos (Rincão de Artigas / 1856). História em Revista. Pelotas: v.6, p.25-52, 2010.

PAIVA, Eduardo. Dar nome ao novo: uma história lexical das Américas portuguesa e espanhola, entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagem e o mundo do trabalho). Belo Horizonte: Tese apresentada ao concurso de Professor Titular, Universidade Federal de Minas Gerais, 2012.

REIS, João Jos;. GOMES, Flávio; CARVALHO, Marcus J. M. O alufá Rufino: tráfico, escravidão e liberdade no Atlântico Negro (c. 1822-c. 1853). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: A formação e o sentido de Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

RODRIGUES, Jaime. De Costa a Costa. Escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

______. O Infame Comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Unicamp, 2000.

RODRIGUES, Raimundo Nina. Os Africanos no Brasil. 7 Ed. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: Editora da UNB, 1988.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Escravos e libertos no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SALLES, Ricardo. In. MANZANO, J. F. A auotbiografia do poeta-escravo. São Paulo: Hedra, 2015.

SANTIAGO, Silvana Santiago. Tal Conceição, Conceição de Tal. Classe, gênero e raça no cotidiano de mulheres pobres no Rio de Janeiro das primeiras décadas republicanas. Campinas, PPGH/Unicamp, 2006. (Dissertação de Mestrado)

SCHWARCZ, Lilia K. Moritz. Espetáculo da miscigenação. Estudos Avançados. São Paulo: v.8, n.20, abr./1994.

______. Retrato em branco e negro: jornais escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

______. O Espetáculo das Raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Roberto. Um Mestre na Periferia do Capitalismo. Machado de Assis. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1990.

SEYFERTH, G. A antropologia a teoria do branqueamento da raça no Brasil: a tese de João Batista de Lacerda. Revista do Museu Paulista. São Paulo: v. 30, p. 81-98, 1985.

SKIDMORE, Tomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

SOARES, Luiz Carlos. O “Povo de CAM” na capital do Brasil: A Escravidão Urbana no Rio de Janeiro do Século XIX. Rio de Janeiro: Faperj / Sete Letras, 2007.

STOWE, H. B. A Cabana do Pai Tomás. São Paulo: Saraiva, 1962.

SWEET, James H. Recriar a África. Cultura, Parentesco e Religião no Mundo Afro-Português (1441-1770). Lisboa: Edições 70, 2007.

TELLES, Edward. Racismo à Brasileira. Uma Nova Perspectiva Sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

THORNTON, John. A África e os Africanos na Formação do Mundo Atlântico. 1400/1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

VELOZO, Mariza; MADEIRA, Angélica. Leituras Brasileiras: itinerários no pensamento social e na literatura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

XAVIER, Giovana. Entre Personagens, Tipologias e Rótulos da Diferença: A mulher escrava na ficção do Rio de Janeiro no século XIX. In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavio (orgs.). Mulheres Negras no Brasil Escravista e no Pós-emancipação. São Paulo: Editora Selo Negro, 2012.

ZORZETTO, Ricardo. Manipulação de dados. Pesquisa FAPESP. São Paulo: n.181, mar. 2011. Disponível em:

Publicado
2018-07-29
Como Citar
Magalhães, M. L., Moreira, P. R. S., & Stelter, R. E. (2018). Produção literária e contexto histórico no século XIX: O Mulato, de Aluísio Azevedo. Oficina Do Historiador, 11(1), 79-101. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2018.1.24502
Seção
Artigos