História da violência e sociedade brasileira

  • Jóice Bernaski Universidade Estadual do Centro Oeste.
  • Helio Sochodolak Unicentro -PR/PPGH
Palavras-chave: Cotidiano, Sociedade, Violência

Resumo

Desenvolvemos, no presente artigo, a hipótese de que a violência humana é histórica. Ela é um elemento que constrói e transforma as estruturas, as conjunturas e os cotidianos de distintas formas em várias temporalidades. Nesta perspectiva, abordaremos as características que a violência se circunscreveu em alguns períodos históricos, como nas sociedades Antigas, de fins da Idade Média, Antigo Regime, Modernidade e Pós-Modernidade. No Brasil, a História foi marcada pelo constante uso da violência, tendo suas origens com o processo de colonização, primeiramente, na violenta política de subjugamento do indígena subsidiado pela ideologia da guerra justa, das jurisdições e dos aldeamentos. Com a prática da escravidão ocorrida durante séculos, que suprimiu a vida humana de maneira selvagem, e ainda de forma mais suave, com a política de subterfúgio empregada ao imigrante europeu, submetendo-o à escravidão simbólica. Essas práticas colonizatórias construíram um Brasil pautado na concentração de riquezas refletidas na desigualdade social que se proliferou no cotidiano, marcada, também, pelo uso constante da violência. Também abordaremos como os processos criminais são fontes profícuas para o entendimento da violência processada no Brasil. Essas discussões forçam a tese de que a violência é intrínseca à vida social, seja ela caracterizada de forma física ou simbólica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jóice Bernaski, Universidade Estadual do Centro Oeste.
Graduada em História pela Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO (2013) e possui especialização em Educação Especial com Ênfase em Libras, pelo Instituto Superior de Aprendizagem Multidisciplinar - ISAM (2014). Atualmente é mestranda no Programa de Pós-Graduação em História da Unicentro, Área de concentração História e Regiões, e Linha de pesquisa Espaços de práticas e relações de poder. Desenvolve pesquisas nas seguintes temáticas: Étnico-Raciais, povos Indígenas, região, sertão, espaço, cultura e representação. Utiliza fontes como processos criminais, relatos de viajantes e relatórios de diretores da Provincía do Paraná, notadamento do século XIX. 
Helio Sochodolak, Unicentro -PR/PPGH

Hélio Sochodolak é mestre em História Social pelas Universidades Estaduais de Londrina e Maringá (2001). É doutor (2005) em História Social pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Assis) . Leciona na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO-PR) desde 2003. Atua como professor permanente no Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) e como professor visitante no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Londrina (UEL). No mestrado e no doutorado, desenvolveu pesquisas em história das ideias e da leitura no século XIX tomando como tema o jovem Nietzsche. Atualmente pesquisa em duas linhas de investigação. A linha "Regiões, práticas socioculturais e relações de poder" está vinculada ao PPGH da UNICENTRO. Possui a proposta de compreender diversas formas de conceber historicamente as tensões entre as práticas socioculturais e as relações de poder na constituição de noções de região. A linha "História do cotidiano e da violência no Paraná" se relaciona com as pesquisas em processos criminais no contexto do Sul do Paraná a partir de fins do século XIX. A história da violência entre os imigrantes e seus descendentes possibilita a problematização do discurso paranista na configuração de uma região: ?o Paraná diferente?. Hélio foi presidente da Associação Nacional de História - Seção Paraná, no período de julho de 2008 a outubro de 2010. Foi diretor do Centro de Documentação e Memória (CEDOC) da UNICENTRO-Irati-PR durante o ano de 2012 e coordenou o Programa de Pós-graduação da UNICENTRO-PR, com área de concentração em História e Regiões no biênio 2013-2014.

 

Referências

ARENDT, H. Da Violência. Brasília: Edund, 1985.

BENJAMIN, W. Sobre a crítica do poder como violência. In__________. O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 57-82.

CIMITILE, Luiz. Catálogo Seletivo de Documentos Referentes aos Indígenas no Paraná Provincial 1853-1870. Curitiba: Imprensa Oficial, 2007. Disponível em http://www.arquivopublico.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/catalogo_indigena_L.pdf

CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle èpoque. 2ed. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2001.

ELIAS, N. Sugestão para uma teoria de processos civilizadores. In: O Processor civilizador. 2 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1994. p. 192-297.

GIRARD, R. A violência e o sagrado. São Paulo: UNESP, 1990.

GRINBERG, K. A história nos porões dos arquivos judiciários. In: PINSKY, Carla Bassanezi; LUCA, Tania Regina de (orgs). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009.

FOUCAULT, M. A vida dos homens infames. Estratégias, poder – saber. Ditos e escritos – vol IV. Rio de Janeiro: Forense, 2003. p. 203-222.

INOCENTINI, Thaís. Capitanias Hereditárias e desenvolvimento: Herança colonial sobre desigualdade e instituições. (dissertação) São Paulo: Escola de Economia de São Paulo/Fundação Getúlio Vargas, 2005.

MARCONDES FILHO, C. Violência fundadora e violência reativa na cultura brasileira. São Paulo em perspectiva, 15 (2) 2001. p. 20-27.

Publicado
2018-07-29
Como Citar
Bernaski, J., & Sochodolak, H. (2018). História da violência e sociedade brasileira. Oficina Do Historiador, 11(1), 43-60. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2018.1.24181
Seção
Artigos