Modernidade para quem?: o negro e a urbe paulistana

  • Sheila Alice Gomes da Silva PUC-SP
  • Felipe Eugênio de Leão Esteves Doutorando FFCH Historia (UFBA) Mestre em História Social (PUC-SP).
Palavras-chave: Modernidade, Cidade de São Paulo, Grupos negros e urbanização.

Resumo

Resultado das discussões engendradas para a composição da dissertação de mestrado intitulada: “Negros em Guaianases: Cultura e Memória”, o presente artigo estabelece uma contextualização a partir dos processos migratórios do campo para o território urbano, tendo como atores grupos negros e imigrantes, sobretudo, italianos, para refletir sobre os processos de urbanização da cidade de São Paulo. Pautados numa modernidade elitista e de caráter eurocêntrica, impressa - na segunda metade do século XIX e nas primeiras décadas do século XX - nos territórios centrais da urbe, nos leva a identificar consequências sobre a presença dos grupos negros que habitavam as respectivas regiões. Em nome de um projeto civilizatório baseado na projeção europeia de embelezamento e de progresso, levado a frente por uma incipiente burguesia urbana, ações higiênicas de extrema violência expulsaram e segregaram tais populações. Logo, pergunta-se: Modernidade para quem? Mais do que uma cidade buscando um pseudo desenvolvimento, seu ideal era branco, europeu, não havia espaços para os negros. A modernidade buscada se fez seletiva e discriminatória, num movimento materializado no tecido urbano que destacou privilégios de uns a custa da invisibilidade de outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheila Alice Gomes da Silva, PUC-SP

Doutoranda e Mestre em História Social (PUC-SP); Pesquisadora associada ao Centro de Estudos das culturas africanas e da diáspora – CECAFRO e do Núcleo de Estudos de História Social da Cidade – NEHSC, ambos da PUC-SP; atuou como Professora da Universidade Camilo Castelo Branco ministrando a disciplina História e Cultura afro-brasileira e Tutora da Universidade Federal de São Paulo no curso de pós-graduação em Promoção da Igualdade Racial.

Felipe Eugênio de Leão Esteves, Doutorando FFCH Historia (UFBA) Mestre em História Social (PUC-SP).
Mestrando em História Social (PUC-SP); Pesquisador associada ao Centro de Estudos das culturas africanas e da diáspora – CECAFRO e do Núcleo de Estudos de História Social da Cidade – NEHSC, ambos da PUC-SP.

Referências

ANDREWS, George Reid. Negros e brancos em São Paulo (1888 -1988). Bauru/SP: EDUCS, 1998.

ARAÚJO, Carlos Eduardo Moreira de. et al. Cidades Negras: Africanos, crioulos e espaços urbanos no Brasil escravista do século XIX. São Paulo: Alameda, 2006.

AZEVEDO, Amailton Magno. A memória musical de Geraldo Filme: Os sambas e as micro-Áfricas em São Paulo. São Paulo: Faculdade de História. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2006. Tese de doutorado em História, 242 p.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BENTO, Maria Aparecida. Cidadania em Preto e Branco. São Paulo: Ática, 2006.

BERNARDO, Teresinha. Memória em branco e negro: olhares sobre São Paulo. São Paulo: EDUC – Fundação Editora da UNESP, 1998.

COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. 6ª ed. São Paulo: Editora da UNESP, 1999.

____. Da senzala à colônia. 5ª. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

MARICATO, Ermínia. Habitação e cidade. São Paulo: Atual, 1997.

MARTINS, Ana Luiza. Café, trabalho e cotidiano no vale do Paraíba Paulista. In: MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de. (org.) Fazendas de Café do Vale do Paraíba: o que os inventários revelam (1817-1915). São Paulo: Condephaat, 2014, p. 71-94.

MARTINS, Marcelo Thadeu Quintanilha. A Civilização do delegado: Modernidade, polícia e sociedade em São Paulo nas primeiras décadas da República, 1889-1930. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2012. Tese de Doutorado em História, 315 p.

MATTOS, Dirceu Lino de. O parque industrial paulistano. In: AZEVEDO, Aroldo. (org.). A cidade de São Paulo: estudos de geografia urbana. v.3. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1958, p. 5-42.

MATTOS, Wilson Roberto de. Negros contra a ordem: Astúcias, resistências e liberdades possíveis (Salvador, 1850-1888). Salvador: EDUNEB, EDUFBA, 2008.

MORAES, José Geraldo Vinci de. As sonoridades paulistanas: a música popular na cidade de São Paulo – final do século XIX ao início do século XX. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

______. Metrópole em sinfonia: história, cultura e música popular na São Paulo dos anos 30. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de. Inventariando Inventários. In: ______. (org.) Fazendas de Café do Vale do Paraíba: o que os inventários revelam (1817-1915). São Paulo: CONDEPHAAT, 2014. 17 – 28 p.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

REIS, João José. A greve negra de 1857 na Bahia. In: Dossiê Brasil/África. Revista USP. São Paulo: EDUSP, n. 18, jun/jul/ago, 1993, p. 8-29.

RISÉRIO, Antônio. A cidade no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2012.

ROLNIK, Raquel. São Paulo. São Paulo: Publifolha, 2001.

____. A cidade e a lei: Legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. 3ª ed. São Paulo: Studio Nobel/Fapesp, 1997.

______. Territórios negros nas cidades brasileiras (etnicidade e cidade em São Paulo e Rio de Janeiro). Rio de Janeiro: Revista de Estudos Afro-Asiáticos, 17 – CEAA, Universidade Cândido Mendes, set. 1989. Disponível em: http://www.usp.br/srhousing/rr/docs/territorios_negros_nas_cidades_brasileiras.pdf. Acesso em: 10 nov. 2014.

SANTOS, Carlos José Ferreira dos. Nem tudo era italiano: São Paulo e pobreza (1890-1915). São Paulo: Annablume/Fapesp, 2003.

Publicado
2018-07-29
Como Citar
Silva, S. A. G. da, & de Leão Esteves, F. E. (2018). Modernidade para quem?: o negro e a urbe paulistana. Oficina Do Historiador, 11(1), 5-20. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2018.1.23987
Seção
Artigos