Por dentro da biografia: trajetória intelectual e “campo literário” em Júlia Lopes de Almeida

  • Deivid Aparecido Costruba UNESP - Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Sociabilidade intelectual. Mulheres escritoras. Júlia Lopes de Almeida.

Resumo

Este texto tem como objetivo analisar a trajetória intelectual de Júlia Lopes de Almeida e suas estratégias a fim de inserir-se em uma seara literária predominantemente masculina. Para além da discussão, cabe destacar que a entrevista concedida pelo casal Júlia Lopes de Almeida e Filinto de Almeida ao cronista João do Rio fornece pistas interessantes das relações familiares da escritora carioca e, consequentemente, reforça os estudos macroestruturais no que diz respeito à biografia histórica. Esses trabalhos postulam que em uma história individual/biográfica deve-se examinar os atores como reflexos, como reveladores de uma época. Portanto, a história intelectual de Júlia Lopes de Almeida pode ser interpretada como uma história de indivíduos ou grupo de indivíduos que, neste caso específico, reivindicavam a harmonização de direitos entre homens e mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deivid Aparecido Costruba, UNESP - Universidade Estadual Paulista
Doutorando em História e Sociedade pela Faculdade de Ciências e Letras, UNESP - Universidade Estadual Paulista, instituição na qual realizou também o seu mestrado (2011) e a sua graduação (2007). Atua na área de História, com ênfase em História e Gênero, História do Feminismo, História das Mulheres, "Literatura e Gênero" e Júlia Lopes de Almeida. Participa atualmente do GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INTERDISCIPLINARES SOBRE CULTURA, POLÍTICA E SOCIABILIDADE., da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

AVELAR, Alexandre de Sá. A biografia como escrita da História: possibilidades, limites e tensões. Revista de História (UFES), v. 24, p. 157-172, 2010.

BORGES, Vavy Pacheco. O “eu” e o “outro” na relação biográfica: algumas reflexões. In: NAXARA, Márcia; MARSON, Izabel; BREPOHL, Marion (Orgs.). Figurações do outro. Uberlândia: EDUFU, 2009, p.225-238.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes Ferreira (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996, p. 183-191.

_____. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Trad. de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras. 1996.

_____. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

_____. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BROCA, Brito. A vida literária no Brasil – 1900. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

COELHO, Nelly Novaes. Panorama da Literatura Infantil/Juvenil: Das Origens Indo- Europeias ao Brasil Contemporâneo. 4ªed. São Paulo: Ática, 1991.

DE LUCA, Leonora. “A Mensageira”: uma revista de mulheres escritoras na modernização Brasileira.1999. Dissertação (Mestrado em Sociologia). IFCH, UNICAMP, Campinas, 1999.

_____. Amazonas do pensamento: a gênese de uma intelectualidade feminina no Brasil. 2004. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). IFCH, UNICAMP, Campinas, 2004.

DEL PRIORE, Mary. Biografia: quando o indivíduo encontra a História. Topói, v.10, n.19, p. 7-16, jun/dez 2009.

GRIECO, Agripino. “Contistas maiores e menores”. In: ____. Evolução da prosa brasileira. São Paulo: José Olympio, 1947. v. 3.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil 2ªed., São Paulo: Editora Ática, 1998.

_____. Literatura infantil brasileira: história & histórias. 6ª ed. São Paulo: Editora Ática. 1999.

_____. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira: história, autores e textos. 4.ed. São Paulo: Global, 1993.

LE GOFF, Jacques. A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

MACHADO NETO, Antonio Luís. Estrutura social da república das letras: sociologia da vida intelectual brasileira, 1870-1930. São Paulo, Grijalbo, Universidade de São Paulo, 1973.

MICELI, Sérgio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle Époque tropical: Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

NOGUEIRA, Maria Alice; NOGUEIRA, Claudio M. Martins. Bourdieu & a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

PINTO, Celi Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

PEREIRA, Lúcia Miguel. Prosa de ficção: de 1870 a 1920. 2.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

TELLES, Norma. Orelhas. In: ALMEIDA, Júlia Lopes de. A Falência. Florianópolis: Editora Mulheres e EDUNISC, 2003.

_____. Escritoras, Escritas, Escrituras. In: DEL PRIORE, Mary. (org.) História das mulheres no Brasil. 7.ed. São Paulo: Contexto, 2004.

VERÍSSIMO, José. Letras e literatos. Rio de Janeiro: Leite Ribeiro e Maurillo, 1919.

_____. “Um romance da vida fluminense”. In: _____. Estudos de literatura brasileira. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1910.

XAVIER, Elódia. A mulher no banco dos réus. In: ALMEIDA, Júlia Lopes de. A Intrusa. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Dep. Nacional do Livro, 1994. p. III.

Publicado
2018-01-11
Como Citar
Costruba, D. A. (2018). Por dentro da biografia: trajetória intelectual e “campo literário” em Júlia Lopes de Almeida. Oficina Do Historiador, 10(2), 93-112. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2017.2.23227