A República radical: a formação dos movimentos sociais na França (1880-1914)

Palavras-chave: França, Esquerda Radical, Movimentos Sociais

Resumo

A estabilização institucional ocorrida na França no período de 1880 a 1930, proporcionada pela vitória dos republicanos, retomou os ideais da revolução de 1789 através da democracia liberal e, ao mesmo tempo, garantiu a ordem e a coesão necessárias, pela via do nacionalismo, para que o país fosse bem sucedido na guerra, principal problema vivido desde o conflito com a Prússia em 1870. Nesse processo, a chamada III República absorveu e moldou as mobilizações sociais, cada vez mais próximas ao parlamentarismo e à forma institucional pela produção de um estado social. Ao mesmo tempo, formaram-se agrupamentos que procuraram radicalizar a ideia de República, ou mesmo combater a democracia liberal que encaminhava sua dominação enquanto forma de governo. Entre esses grupos, destacaram-se os que se identificavam na esquerda radical, como as diversas tendências libertárias do período. Tendo esses problemas em vista, este artigo se concentra no processo de formação dos repertórios de ação das mobilizações coletivas nesse período, e toma como exemplo uma mobilização específica, a que correspondeu ao sindicalismo de ação direta da Conféderation Générale du Travail (CGT).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Cezar Mundim, Universidade Federal do Rio Grande do Sul / Université Paris 1 - Panthéon-Sorbonne

Doutorando em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pela Université Paris 1 - Panthéon-Sorbonne (Cotutela). Mestre em História pela Universidade Federal de Goiás (2007). Bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal de Goiás (2003), e bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2003). Formação com ênfase na área de História Contemporânea e História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes campos de pesquisa: história social do trabalho, história do cinema e história intelectual.

*Idioma conhecido: Francês também.

Referências

ALONSO, Angela. As Teorias dos Movimentos Sociais: um balanço do debate. In: Dossiê De Volta aos Movimentos Sociais. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, CEDEC, 76, 2009, pp. 49-86.

BRON, Jean. Histoire du Mouvement Ouvrier Français. Tome II. La Contestation du capitalisme par les travailleurs organisés (1884-1950). Paris, Les Éditions Ouvrières. 1970.

DREYFUS, Michel. Histoire de la C.G.T. Cent ans de syndicalisme en France. Bruxelles, Éditions Complexe, 1995.

GARRIGUES, Jean. Le boulangisme comme mouvement social, ou les ambiguïtés d’un social-populisme. In : Histoire des mouvements sociaux en France de 1814 à nos jours. Paris, La Découverte, 2012, pp. 239-248.

MCADAM, Doug; TARROW Sidney; TILLY, Charles: Para mapear o Confronto Político. In: Dossiê De Volta aos Movimentos Sociais. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, CEDEC, 76, 2009, pp. 11-48.

PELLOUTIER, Fernand. Méthode pour la création et le fonctionnement des Bourses du Travail. In : Histoire des Bourses du travail : origine, institutions, avenir. Ouvrage posthume de Fernand Pelloutier; préf. par Georges Sorel ; [Notice biographique sur Fernand Pelloutier] par Victor Dave. 1921. pp. 284-285.

PERROT, Michelle. As três eras da disciplina industrial na França do século XIX. In: Os Excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução de Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988-a. pp. 53-80.

_______ . O olhar do Outro: Os patrões franceses vistos pelos operários (1880-1914). In: Os Excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução de Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988-b. pp. 81-100.

_______ . O primeiro Primeiro de Maio na França (1890): nascimento de um rito operário. In: Os Excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. 1988-c. pp. 127-164.

PIGENET, Michel. Action directe et grève générale. In : Histoire des mouvements sociaux en France de 1814 à nos jours. Paris, La Découverte, 2012. pp. 283-293.

PIGENET, Michel; TARTAKOWSKI, Danielle. Avant-Propos. In : PIGENET, Michel; TARTAKOWSKI, Danielle (Orgs.). Histoire des mouvements sociaux en France de 1814 à nos jours. Paris, La Découverte, 2012-a. pp. 7-13.

_______ . Le social à la rencontre du politique ou la nationalisation des mobilisations (années 1880 – années 1930). Introduction. In : PIGENET, Michel; TARTAKOWSKI, Danielle (Orgs.). Histoire des mouvements sociaux en France de 1814 à nos jours. Paris, La Découverte, 2012-b. pp. 182-195.

REBÉRIOUX, Madeleine. La République radical? 1898-1894. Éditions du Seuil, 1975.

TILLY, Charles. From Mobilization to Revolution. New York, Random House, 1978.

TILLY, Charles; WOOD, Lesley j. Los Movimientos Sociales, 1768-2008. Desde sus orígenes a Facebook. Barcelona, Crítica, 2010.

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Mundim, L. F. C. (2016). A República radical: a formação dos movimentos sociais na França (1880-1914). Oficina Do Historiador, 9(1), 95-114. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.22997