“Por Cristo luto; por Cristo vos conclamo”. Plínio Salgado e o catolicismo no Brasil: um casamento perfeito?

  • Vinícius da Silva Ramos Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Alexandre Luís de Oliveira
Palavras-chave: integralismo, catolicismo, secularização.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo demonstrar o quanto à separação do Estado com a religião, processo conhecido como secularização, enfrentou resistência por parte de lideranças políticas da década de 1930, em especial o Chefe Nacional da Ação Integralista Brasileira (AIB), Plínio Salgado. Suas posições se pautavam na resistência a um processo que havia se iniciado já no fim do século XIX, com a Proclamação da República e a não mais associação entre Estado brasileiro e Igreja Católica Romana. Sua atuação foi marcadamente influenciada por uma religiosidade aflorada, e em seus textos ficou evidente a tentativa de manter o Estado atrelado ao catolicismo. Juntamente a esses fatos, demonstramos o quanto as relações das lideranças católicas e Plínio Salgado foram repletas de movimentos de aproximação e distanciamento, principalmente devido à desconfiança dessas em relação ao futuro político do Brasil. Nosso esforço é no sentido de compreender o quanto esse processo de secularização não foi pacífico e muito menos aceito por toda a sociedade da época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARATA, Julio. O integralismo e a igreja católica. A Batalha, maio-jun. 1938.

BERTONHA, João Fábio. Integralismo: problemas, perspectivas e questões historiográficas. Maringá: Eduem, 2014.

BHARGAVA, Rajeev. Political secularism in DRYZEK, John and alii (ed): The Oxford Handbook of Political Theory. Oxford, Oxford, 2006.

CALDEIRA, João Ricardo de Castro. Integralismo e política regional: a ação integralista no Maranhão. São Paulo: Annablume,1999.

CAMARGO, Aspásia. O Golpe silencioso: as origens da República Corporativa. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1989.

Oficina do Historiador, Porto Alegre, EDIPUCRS, v. 9, n. 1, jan./jun. 2016,

CAVALARI, Rosa Maria Feiteiro. Integralismo: ideologia e organização de um partido de massa no Brasil (1932-1937). Bauru: EDUSC, 1999.

CHASIN, José. O integralismo de Plínio Salgado: formas de regressividade no capitalismo hiper-tardio. São Paulo: Ciências Humanas, 1978.

CHAVES, Niltonci B. A saia verde está na ponta da escada: as representações discursivas do Diário dos Campos a respeito do Integralismo em Ponta Grossa. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 4, n. 1, p. 57-80, 1999. p. 62.

FERREIRA, Marieta de Morais. A batalha. In: ABREU, Alzira Alves de et al. (Coords.). Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro – Pós-1930. Rio de Janeiro: CPDOC, 2010. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br.>. Acesso em: 01 set. 2015.

GRINBERG, Keila e SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial: volume III – 1870-1889.

Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

HABERMAS, Jurgen. Fé e saber. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

MENDONÇA, Lafaiete de. Patriota sincero: D. Carlos Carmelo emite sua opinião sobre a personalidade de Plínio Salgado e nega, do ponto de vista moral, qualquer incompatibilidade entre a Igreja e o Integralismo. A Razão, 30 jul. 1937.

NANCY, Jean-Luc. Church, State, Resistance in DEURIES, Hent et alii (ed). Political Theologies, Public Religions in a post-secular world. New York, Fordhan, 2006.

SALGADO, Pínio. O integralismo brasileiro perante a nação. Lisboa, 1946.

SALGADO, Plínio. O ritmo da História. São Paulo: Voz do Oeste, 1978.

TERENCIO. Histórias em pílulas VI. A Cruz, ano XIX, n. 28, 11 jul. 1937. p. 2.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. São Paulo: Difel, 1979.

VASCONCELLOS, Manoel Luís Cardoso. Um intelectual cristão diante de seu tempo: a trajetória de Alceu Amoroso Lima. Thaumazein, Santa Maria, v. 1, p. 74-88, 2014.

VASCONCELOS, Gilberto. Ideologia curupira: análise do discurso integralista. São Paulo: Brasiliense, 1977.

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Ramos, V. da S., & Oliveira, A. L. de. (2016). “Por Cristo luto; por Cristo vos conclamo”. Plínio Salgado e o catolicismo no Brasil: um casamento perfeito?. Oficina Do Historiador, 9(1), 07-32. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.22983