As mitologias políticas Integralistas e a mobilização das massas na estratégia de Plínio Salgado: o mito conspiratório e as representações da crise no Brasil entreguerras

Palavras-chave: Plínio Salgado, Integralismo, Mitologias Políticas,

Resumo

Este artigo aborda aspectos particulares das linguagens políticas integralistas, analisando estratégias e opções na construção das narrativas integralistas situadas no campo do que chamamos “mitologias políticas”. Dentro desse campo interpretativo da História Política, analisamos especificamente a utilização do “mito conspiratório” nas narrativas integralistas, tomando como fontes uma seleção de textos escritos entre 1932 e 1937 por Plínio Salgado, fundador e Chefe Nacional da Ação Integralista Brasileira (AIB). A discussão sobre os usos da linguagem no integralismo nos conduz às discussões acerca do papel fundamental que o mito assume nos vocabulários políticos do Entreguerras, enquanto uma das maiores características dos movimentos de massa do período, como a AIB. Dialogamos com a teoria e método desenvolvidos nas obras de E. Cassirer e R. Girardet, que tratam do mito na linguagem política do período analisado com grandes contribuições. Analisando esse nicho das mitologias políticas integralistas, esperamos contribuir com os estudos que buscam compreender o universo intelectual da AIB e suas estratégias de mobilização das massas, dentro de uma abordagem linguística e contextualista como sugerem R. Koselleck e J. Pocock.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Ivo Dias Tanagino, Universidade Federal de Juiz de Fora
Doutorando em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), financiado pela CAPES. Também é Mestre e Bacharel em História pela UFJF. Licenciado em História pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES-JF). Desenvolve pesquisas no campo da História Política brasileira, com ênfase no período Entreguerras, investigando temas como Integralismo, Teoria da História e Historiografia.

Referências

BEIRED, José Luiz Bendicho. Sob o Signo da Nova Ordem: intelectuais autoritários no Brasil e na Argentina. São Paulo: Loyola, 1999.

CASSIRER, Ernst. Linguagem e Mito. 3 ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

______. O Mito do Estado. São Paulo: Códex. 2003.

CASTRO, Ricardo Figueiredo. “A Frente Única Antifascista (FUA) e o antifascismo no Brasil (1933-1934)”. Topoi, Rio de Janeiro, dez 2002, p. 354-388.

CEPÊDA, Vera Alves. “Contexto político e crítica à democracia liberal: a proposta de representação classista na Constituinte de 1934”. Perspectivas, São Paulo, v. 35, pp. 211-242, jan-jun 2009.

DUTRA, Eliana R. de Freitas. O ardil totalitário: imaginário político no Brasil dos anos 30. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Belo Horizonte: Editora UFMG, 1997.

GOMES, Ângela de Castro; ABREU, Martha. “Apresentação”. In: A nova “Velha” República: um pouco de história e historiografia. Revista Tempo, n 26, jan 2009. Disponível em:

http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/v13n26a01.pdf, acessado em 21 de janeiro de 2013.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: Contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC-Rio, 2006.

LAHUERTA, Milton. “Os intelectuais e os anos 20: moderno, modernista, modernização”. In: DE LORENZO, Helena Carvalho; COSTA, Wilma Peres da. A década de 20 e as origens do Brasil moderno. São Paulo: Editora da UNESP, 1998.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o “Perigo Vermelho”: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2002.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. A Questão Nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1990.

PINTO, António Costa. “Fascism: a ‘revolutionary right’ in interwar Europe”. In: ATKIN, Nicholas; BIDDISS, Michael. Themes in modern European history, 1890-1945. Nova York: Routledge, 2009, pp. 215-242.

POCOCK, John. G. H; MICELI, Sérgio (Orgs.). Linguagens do ideário político. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2003.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. 2 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: DIFEL, 1979.

FONTES

______. Protocolos e Rituais da Ação Integralista Brasileira. Niterói, Edição do Núcleo Municipal de Niterói, abr 1937.

SALGADO, Plínio. A Doutrina do Sigma. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1935.

______. “Literatura e Política”. In: ______. Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1956, v.19, pp. 1-125.

______. O que é Integralismo. Rio de Janeiro: Schmidt, 1937a.

______. Páginas de Combate. Rio de Janeiro: Antunes, 1937b.

______. Palavra Nova dos Tempos Novos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Tanagino, P. I. D. (2016). As mitologias políticas Integralistas e a mobilização das massas na estratégia de Plínio Salgado: o mito conspiratório e as representações da crise no Brasil entreguerras. Oficina Do Historiador, 9(1), 171-189. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.22857