Sobre penteados e cabelos africanos: visões eurocêntricas nas páginas da Eu sei tudo (1917-1929)

  • Ana Carolina Carvalho Guimarães Universidade de São Paulo.

Resumo

Este artigo analisa imagens e textos relativos às mulheres africanas, publicados na revista ilustrada Eu Sei Tudo entre os anos de 1917 e 1929. A hipótese desenvolvida é a de que este periódico contribuiu para a difusão de representações e estereótipos da cultura e das mulheres africanas, especialmente quando se considera que esta revista, originalmente francesa, era produzida no Brasil a partir dos exemplares que circulavam naquele país. Buscou-se, então, dar enfoque à maneira como a revista e o almanaque Eu Sei Tudo, publicado anualmente entre 1921 e 1958, veiculavam ilustrações e informações sobre os cabelos das mulheres africanas. Neste sentido, conclui-se que preponderou nesse periódico uma visão eurocêntrica de mundo, a partir da qual eram apresentadas ideias de modernidade e civilização que, frequentemente, tinham nos modos de tratamento da África e dos africanos o seu oposto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Carvalho Guimarães, Universidade de São Paulo.

Departamento: História da Educação

Área: Educação

Referências

Referências Bibliográficas

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi. Antropos-Homem. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985, vol. 5, p. 296-332.

BERMANN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BRASIL. Lei No 10.639, de 9 de Janeiro de 2003.

CHARTIER, Roger. O mundo como Representação. Estudos avançados. [online]. São Paulo, v. 5, n. 11, 1991, p. 173-191.

D’AVILA, Jerry. Diploma de brancura. Política social e racial no Brasil, 1917-1945.

São Paulo, Editora da UNESP, 2006, p. 17-47.

DOURADO, Rosiane de Jesus. As formas modernas da mulher brasileira (1920 -1939). Rio de Janeiro, 2005, p. 61-97.

FERNANDES, Arminda. Nela Martins Lopes. A imagem da mulher na revista Eu Sei Tudo na primeira metade do século XX. Faculdade de Educação de Minas Gerais, 2009, p. 1-11.

______. Ser mulher mãe:a educação da saúde nas páginas da Eu Sei Tudo nas primeiras décadas do século XX (1918 - 1932). 2009.Dissertação (Pós Graduação em Educação)- Faculdade de Educação de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. O Almanaque, a locomotiva da cidade moderna: Campinas décadas de 18870 e 1880. 1998. Tese (Doutorado em História)- Faculdade Estadual de Campinas. Campinas-SP: [s.n.]. 1998.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, n. 21, set./out./nov./dez. 2002, p. 40-51.

______. Sem perder a raiz:Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. 1ª edição. Minas Gerais: Autêntica, 2006.

MAUAD, Ana Maria Mauad. Sob o signo da imagem. A Produção da Fotografia e o Controle dos Códigos de representação Social da Classe Dominante, no Rio de Janeiro, na Primeira Metade do Século XX. 1990. Dissertação (Mestrado em História)- Universidade Federal Fluminense. Niterói – RJ. 1990.

MUDIMBE, Valentin Yves. Ainvenção da África: Gnoses, filosofia e a ordem do conhecimento. Mangualde, Luanda: Edições Pedago; Edições Mulemba, 2013.

SA, Guilherme José da Silva e; SANTOS, Ricardo Ventura; RODRIGUES-CARVALHO, Claudia and SILVA, Elizabeth Christina da. Crânios, corpos e medidas: a constituição do acervo de instrumentos antropométricos do Museu Nacional na passagem do século XIX para o XX.Hist. cienc. Saúde-Manguinhos [online]. 2008, vol.15, n.1 [cited 2014-06-20], p. 197-208 .

SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras. 2011.

SANTOS, Dominique Vieira Coelho dos. Acerca do conceito de representação.Revista de Teoria da História. Ano 3, n. 6, Goiás, p. 27-53, dez. 2011.

SANTOS, Rogério Fernandes. A influência dos estereótipos no julgamento da veracidade de enunciados. 2008Dissertação (Pós Graduação em Psicologia)- Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2008.

Fontes Primárias

Almanach Eu Sei Tudo, Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, 1921 a 1929.

Revista Eu Sei Tudo, Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, junho de 1917 a dezembro de 1929.

Publicado
2018-01-11
Como Citar
Guimarães, A. C. C. (2018). Sobre penteados e cabelos africanos: visões eurocêntricas nas páginas da Eu sei tudo (1917-1929). Oficina Do Historiador, 10(1), 6-13. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2017.1.22463