Educação patrimonial e reelaboração simbólica em processos de patrimonialização cultural: a situação de Antônio Prado, RS

  • Rodrigo Manoel Dias da Silva Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Gabriel Claro da Rosa Universidade Federal da Fronteira Sul
Palavras-chave: Educação patrimonial. Patrimonialização. Identidade.

Resumo

O artigo pretende elaborar um diagnóstico sociológico sobre os usos da cultura e da patrimonialização cultural na sociedade contemporânea. A partir de estudo teórico e de uma análise situacional, almeja discutir as relações entre educação patrimonial, processos identitários e reelaboração das demarcações simbólicas tomando como elemento reflexivo a situação do tombamento histórico realizado em Antônio Prado, RS, no final da década de 1980, e seus desdobramentos pedagógicos e sociais na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Manoel Dias da Silva, Universidade Federal da Fronteira Sul
Professor do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim. Doutor em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Mestre em Ciências Sociais pela mesma instituição.
Gabriel Claro da Rosa, Universidade Federal da Fronteira Sul
Graduado em Ciências Sociais

Referências

Referências

ABREU, Regina. Patrimonialização das diferenças e os novos sujeitos de direito coletivo no Brasil. In: TARDY, Cecile; DODEBEI, Vera. (Orgs.) Memória e novos patrimônios. Marseille: Open Edition Press, 2015. p. 67-93.

BUCHEBUAN, Terezinha. O. Os velhos casarões de Antônio Prado: processos culturais, patrimônio e conflito. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Cultura e Regionalidade. Universidade de Caxias do Sul, 2010.

CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2006.

FEATHERSTONE, Mike. O desmanche da cultura: globalização, pós-modernismo e identidade. São Paulo: Studio Nobel/SESC, 1997.

FORTUNA, Carlos. Património, turismo e emoção. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra,Portigal: v. 97, p. 23-40, 2012.

GIRON, Loraine Slomp. Colonos e fazendeiros: imigrantes italianos nos Campos de Cima da Serra. In: GIRON, Loraine Slomp. (Org.) Colonos e fazendeiros: imigrantes italianos nos campos de Vacaria. Porto Alegre: EST, 2001. p. 9-16.

______; HEREDIA, Vania. História da Imigração Italiana no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EST, 2007.

IBARRA, Macarena; BONOMO, Umberto; RAMIREZ, Cecília. El patrimonio como objeto de estudio interdisciplinario. Reflexiones desde la educación formal chilena.Polis. Santiago, Chile: v. 13, n. 39, p. 373-391, 2014.

LEWGOY, Bernardo. Do velho ao antigo: etnografia do surgimento de um patrimônio. São Paulo, v. 5/6, p. 1-23, 1997.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Loyola, 2004.

MARTINS, Pedro. Cabo-verdianos em Lisboa: manifestações expressivas e reconstrução identitária. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 31, p. 241-269, 2009.

MEMÓRIA E PRESERVAÇÃO – Antônio Prado - RS. Brasília: IPHAN/Monumenta, 2009.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, 1993.

PEIXOTO, Paulo. A identidade como recurso metonímico dos processos de patrimonialização. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v. 70, p. 183-2014, 2004.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

ROVEDA, Fernando. Memória & Identidade: Antônio Prado, Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Caxias do Sul: Lorigraf, 2005.

SILVA, Rodrigo Manoel Dias da. Políticas socioculturais brasileiras e os interesses formativos do Programa Cultura Viva. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 94, n. 236, p. 249-274, 2013.

______. Educação, cidadania e agenciamentos formativos nas políticas culturais brasileiras. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 127, p. 397-415, 2014.

SOVIK, Liv. Os projetos culturais e seu significado social.Galáxia, São Paulo, n. 27, p. 172-182, 2014.

VAN VELSEN, Jaap. A análise situacional e o método de estudo de caso detalhado. In: FELDMAN-BIANCO, Bela. (Org.) A Antropologia das sociedades contemporâneas. São Paulo: Global, 1987.

YÚDICE, George. La globalización y la nueva división internacional del trabajo cultural. In: LACARRIEU, Mónica; ÁLVAREZ, Marcelo. (Comp.) La (indi)gestión cultural: una cartografía de los procesos culturales contemporáneos. Buenos Aires: La Crujía, 2002. p. 19-45.

______. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

Publicado
2018-01-11
Como Citar
Dias da Silva, R. M., & Rosa, G. C. da. (2018). Educação patrimonial e reelaboração simbólica em processos de patrimonialização cultural: a situação de Antônio Prado, RS. Oficina Do Historiador, 10(1), 163-182. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2017.1.21841