Revendo a Conjuntura 1933-1935 em Porto Alegre através da vida de Policarpo Hibernon Machado

  • Guilherme Machado Nunes Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Policarpo Hibernon Machado, biografia, FORGS

Resumo

A partir da vida desse barbeiro e jornalista gaúcho, esse artigo pretende discutir alguns limites e possibilidades de militância política e sindical de um membro do PCB no Rio Grande do Sul, especialmente durante o processo de refundação da Federação Operária do Rio Grande do Sul e durante sua nova fase (1933-1935). No Rio Grande do Sul, o imediato pós-30 foi um período de certo arrefecimento das lutas operárias. Foi apenas no final de 1933 que a capital gaúcha presenciou uma grande greve – de padeiros, exigindo o cumprimento de um Decreto do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, que regulamentava seu ofício. Policarpo Hibernon Machado era Secretário-Geral da FORGS, que, até então, pregava um discurso de conciliação e de colaboração com o Estado. A partir desse caso, podemos perceber que, ao mesmo tempo que a Federação radicalizava suas ações e seus discursos, o Estado respondia com um aumento das atividades repressivas, apesar de garantir que a questão social não era mais caso de polícia. Dessa forma, se tentará compreender como um trabalhador comunista conseguiu fazer a transição de uma entidade “colaborativa” para uma entidade “radical” e como os comunistas se apropriaram da legislação trabalhista de Vargas para tentar influenciar o movimento sindical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Machado Nunes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Licenciado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestrando no PPGH da mesma instituição.

Referências

AMARAL, Roberto Mansilla. Astrojildo Pereira e Octávio Brandão: os precursores do comunismo nacional. In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão. As esquerdas no Brasil v. 1: A formação das tradições (1889 – 1945). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BARRETO, Álvaro Augusto de Borba. O movimento operário rio-grandense e a intervenção estatal: a FORGS e os Círculos Operários (1932-1935). 1996. Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-Graduação em História, UFRGS, Porte Alegre, 1996.

BARROS, Orlando de. Os intelectuais de esquerda e o ministério Lindolfo Collor. In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão. As esquerdas no Brasil v. 1: A formação das tradições (1889 – 1945). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BARTZ, Frederico Duarte. Abílio de Nequete (1888 – 1960): os múltiplos caminhos de uma militância operária. História Social (UNICAMP), Campinas v. 14/15, p. 157-173, 2008.

DUARTE, Regina Horta. A imagem rebelde: a trajetória libertária de Avelino Fóscolo. Campinas: Pontes/Ed. da UNICAMP, 1991.

FORTES, Alexandre, Nós do Quarto Distrito: a classe trabalhadora porto-alegrense na Era Vargas. Caxias do Sul, Educs; Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

KAREPOVS, Dainis. A classe operária vai ao parlamento: o Bloco Operário e Camponês do Brasil (1924 – 1930). São Paulo: Alameda, 2006.

KONRAD, Diorge. Alceno. Greve Geral, Luta de Classes e Repressão no Rio Grande do Sul de 1935. Revista Latino-Americana de História, São Leopoldo, v. 1, p. 311-324, 2012.

LEVI Giovanni. Usos da biografia. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes (orgs.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996.

___________. Un problema de escala. Relaciones. Estudios de historia y sociedad. México vol. XXIV, núm. 95, p. 279 – 288, verano, 2003.

LONER, Beatriz. Ana. As frentes sindicais do interior e a FORGS na década de 1930. Métis (UCS), Caxias do Sul, v. 4, n.7, p. 145-168, 2005.

LORIGA, Sabina. A biografia como problema. In: REVEL, Jacques (org). Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1998.

______________. O pequeno X: da biografia à história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

MARÇAL, João Batista; MARTINS, Marisângela. Dicionário Ilustrado da Esquerda Gaúcha. Porto Alegre: Palmarinca, 2008.

OLIVEIRA, Tiago Bernardon de. Anarquismo, Sindicatos e Revolução no Brasil (1906 – 1936). Tese (Doutorado em História). Rio de Janeiro: UFF, 2009.

PETERSEN, Sílvia. Regina. Ferraz.; LUCAS, Maria Elizabeth. Antologia do movimento operário gaúcho: (1870-1937). Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS: Tchê, 1992.

REVEL, Jaques. REVEL, Jacques. Micro-história, macro-história: o que as variações de escala ajudam a pensar em um mundo globalizado. Revista Brasileira de Educação. V. 15, n. 45 set/dez. 2010.

Publicado
2016-12-21
Como Citar
Nunes, G. M. (2016). Revendo a Conjuntura 1933-1935 em Porto Alegre através da vida de Policarpo Hibernon Machado. Oficina Do Historiador, 9(2), 155-174. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.2.21330
Seção
Artigos