As confrarias bracarenses no século XVIII: uma abordagem

  • Norberto Tiago Ferraz Lab2pt - Universidade do Minho
Palavras-chave: Confraria, Braga, Modernidade

Resumo

Com este artigo é nosso objetivo darmos a conhecer ao leitor uma primeira abordagem à importância do movimento confraternal bracarense no século XVIII. Braga era, na Idade Moderna, o centro religioso e político de um importante senhorio: o do arcebispado desta metrópole. Na verdade a diocese de Braga remontava já aos tempos romanos. Na centúria setecentista a cidade chegou a ser governada por arcebispos pertencentes à Casa Real Portuguesa: D. José de Bragança e D. Gaspar de Bragança. Tendo em atenção a sua relevância nacional a nível político e religioso foi natural que esta cidade conhecesse um importante movimento confraternal local. As confrarias bracarenses da Idade Moderna eram um reflexo das práticas cultuais e pias promovidas pela Igreja Católica que, nesta época, tinham assumido um controlo quase absoluto sobre estas instituições surgidas ainda na Idade Média sob impulso dos leigos. Eram igualmente o reflexo da forte diferenciação social existente: haviam confrarias que se quais pertenciam apenas certos grupos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Norberto Tiago Ferraz, Lab2pt - Universidade do Minho

Licenciado e Mestre em Sociologia pela Universidade do Minho

Doutorado em História Moderna pela Universidade do Minho

Membro do Lab2pt

Referências

ABREU, José Paulo. Em Braga de 1790 a 1805: D. Frei Caetano Brandão: o reformador contestado. Braga: Universidade Católica Portuguesa; Faculdade de Teologia de Braga; Cabido Metropolitano e Primacial de Braga, 1997.

ABREU, Laurinda: O terramoto de 1755 e o Breve do papa Bento XIV (1756). In ARAÙJO, Ana Cristina; CARDOSO, José Luís; MONTEIRO, Nuno Gonçalo; ROSSA, Walter; SERRÂO, José Vicente. O Terramoto de 1755 impactos históricos. Lisboa: Livros do Horizonte, 2007, pp. 237-255.

ARAÚJO, António de Sousa. “Irmandades de clérigos e assistência ao clero em Portugal. Notas para o estudo do problema na irmandade dos Clérigos de São Pedro de Montório de Cervães (Braga). Sacerdotes seus membros nos três últimos séculos 1665-1965.” Itinerarium, Lisboa, 28, p. 401-452, 1982.

ARAÚJO, Maria Marta Lobo de. “Rezar e cantar pelos mortos e pelos vivos: as confrarias das Almas do Pico de Regalados no século XVIII.” Boletim Cultural, Vila Verde, nº 1, p. 223-256, 2005.

ARAÚJO, Maria Marta Lobo de: A oferta assistencial na Braga setecentista. In REY CASTELAO, Ofélia; LÓPEZ, Roberto J. El mundo urbano en el siglo de la Ilustracion. Actas, Tomo II. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 2009, pp. 245-256.

CAPELA, José Viriato. As freguesias do distrito de Braga nas Memórias Paroquiais de 1758: a construção de um imaginário minhoto setecentista. Braga: Universidade do Minho, 2003.

CAPELA, José Viriato; FERREIRA, Ana da Cunha. Braga Triunfante (Braga nas Memórias Paroquiais de 1758). Braga, Universidade do Minho, 2002.

CASTRO, Maria de Fátima. “Confraria de Nossa Senhora da Purificação sedeada na igreja do hospital de São Marcos. Os estatutos reformados em 1743.” Misericórdia de Braga, Braga, nº 2, p. 169-204, 2006.

CASTRO, Maria de Fátima. “Trajectórias e cruzamentos entre a irmandade de Nossa Senhora do Ó e as confrarias de Nossa Senhora do Amor, Nossa Senhora da Purificação e Nossa Senhora da Apresentação e entre a igreja do hospital de são Marcos e a capela de São Miguel-o-Anjo.” Misericórdia de Braga, Braga, nº 4, p. 167-176, 2008.

COSTA, Luís. A igreja paroquial de São Vicente. Braga: APPACDM, 1991.

COSTA, Luís. O templo de Santa Cruz. Braga: Edição da Irmandade de Santa Cruz, 1993.

GOMES, Paula Alexandra de Carvalho. Oficiais e confrades em Braga no tempo de Pombal. (Contributos para o estudo do movimento e organização confraternal bracarense no século XVIII). 2002, Dissertação de Mestrado em História, Universidade do Minho, Braga, 2002.

LOPES, Maria Antónia. “Provedores e escrivães da Misericórdia de Coimbra de 1700 a 1910. Elites e fontes de poder.” Revista Portuguesa de História, Coimbra, Tomo XXXVI, vol. II, p. 203-274, 2002-2003.

LOPEZ MUÑOZ, Miguel Luis. “La hermandad de Ntra. Sra. de Covadonga, de asturianos y montañeses, de Granada (1702-1810).” Chronica Nova, Granada, 18, p. 237-266, 1990.

MARQUES, José. “As confrarias da Paixão na antiga arquidiocese de Braga.” Teológica, Homenagem a Avelino Jesus da Costa, Braga, II série, vol. XXVII, fasc. 2, p. 447-480, 1993.

MARQUES, João Francisco. “A acção da Igreja no terramoto de 1755, ministério espiritual e pregação,” Lusitânia Sacra, Lisboa, 2ª série, (18), p. 219-239, 2006.

SALVADO, Maria Adelaide Neto. A confraria de Nossa Senhora do Rosário de Castelo-Branco: espelho de quereres e de sentires. Coimbra: A Mar Arte, 1998.

SANCHEZ LÓPEZ, Juan António: Comportamientos sociales y cofradias de pasion en la Málaga barroca. In I Congresso Internacional do Barroco, Actas, vol. II. Porto: Reitoria da Universidade do Porto, Governo Civil do Porto, 1991, pp. 351-374.

SENNA DE FREITAS, Bernardino José. Memórias de Braga, vol. II. Braga: Imprensa Católica, 1890.

SENNA DE FREITAS, Bernardino José. Memórias de Braga, vol. III. Braga: Imprensa Católica, 1890.

SENNA DE FREITAS, Bernardino José. Memórias de Braga, vol. V. Braga: Imprensa Católica, 1890, p. 229.

SOUSA, Ariana Sofia Almendra. Os estatutos e a confraria de São Vicente de Braga no século XVIII. 2011, Dissertação de Mestrado em História, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, Braga, 2011.

TORRES. António Brandão Martins. Confraria de Nossa Senhora do Rosário. Memória do Tricentenário. Póvoa de Varzim: s.n., 1986.

VIEIRA, Maria José de Azevedo. A confraria do Menino Deus, e a paróquia de Maximinos (1700-1850) População, sociedade e assistência. 1994, Dissertação de Mestrado em História, Universidade do Minho, Braga, 1994.

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Ferraz, N. T. (2016). As confrarias bracarenses no século XVIII: uma abordagem. Oficina Do Historiador, 9(1), 341-355. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.20350