Os sentidos da festa: Mário Melo e as escolas de samba no carnaval recifense (1955-1956)

  • Augusto Neves Silva Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Mario Melo - Escolas de Samba - Intelectuais - Historia do Recife - Cultura Popular

Resumo

o presente artigo tem por objetivo analisar quais os motivos que levaram alguns membros da intelectualidade pernambucana a criticar a presença das escolas de samba no carnaval do Recife. Por que para alguns intelectuais o samba não poderia co-existir em meio a outras práticas culturais da folia recifense? Qual o sentido de tradição que estavam defendendo para aqueles dias de momo? O que estava em jogo para que o samba fosse condenado? Dentro desse processo elegi os escritos do jornalista Mário Melo, por ser ele uma das principais vozes deste cenário. Dar visibilidade a estes conflitos é procurar compreender naqueles "alegres" dias de momo não um campo de consenso harmônico, mas um meio de efetivação de disputas e embates entre diferentes práticas e tradições a serem legitimadas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto Neves Silva, Universidade Federal Fluminense
Licenciado (2007), Bacharel (2009) e Mestre (2011) em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense. Trabalha com temas relacionados ao estudo do carnaval, festas, escolas de samba, intelectuais, identidade, cultura popular, Cultura Negra, Teoria e metodologia da História e Patrimônio Cultural.

Referências

ALVES, Bernardo. A Pré-História do samba. Petrolina: Edição do Autor, 2002.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. Festas: Máscaras do Tempo. Entrudo, mascarada e frevo no carnaval do Recife. Recife, Fundação de Cultura da cidade do Recife, 1996.

BOBBIO, Norberto. Os Intelectuais e o Poder. São Paulo: UNESP, 1997.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1997.

CUNHA, Fabiana Lopes da. Da Marginalidade ao estrelato. O Samba na construção da Nacionalidade (1917 – 1945). São Paulo: Annablume, 2004.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Ecos da Folia: uma história social do carnaval carioca (1880 – 1920). São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

FOUCAULT, Michel. “Nietzsche, a genealogia e a história”, In: Microfísica do Poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HOBSBAWM, Eric & RANGER, Terence (Orgs). A Invenção das Tradições. 6. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

GUILLEN, Isabel C. M. Maracatus-nação entre os modernistas e a tradição: discutindo mediações culturais no Recife dos anos de 1930 e 1940. CLIO. Série História do Nordeste (UFPE). Recife, v. 01, n.21, p. 107-135, 2003.

LAZARRI, Alexandre. Coisas para o povo não fazer: carnaval em Porto Alegre (1870 – 1915). Campinas, SP: Editora da UNICAMP / Cecult, 2001.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Entre Pernambuco e África. História dos Maracatus-nação do Recife e a espetacularização da cultura popular (1960 – 2000). Tese de Doutoramento em História, UFF, Niterói, Rio de Janeiro, 2010.

MAIA, Clarissa Nunes. Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas. O controle social sobre os escravos em Pernambuco no século XIX. (1850 - 1888). São Paulo: Annablume, 2008.

MATTA, Roberto da. Carnavais, Malandros e Heróis - Para uma Sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro. Rocco, 1987.

MONTENEGRO, Antônio Torres. História, Metodologia, Memória. São Paulo. Editora: Contexto, 2010.

MOURA, Roberto M. No Principio era a roda: um estudo sobre samba, partido alto e outros pagodes. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

PEREIRA DE QUEIROZ, Maria Isaura. O carnaval brasileiro, o vivido e o mito. São Paulo, Brasiliense, 1992.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Carnaval das Letras: Literatura e folia no Rio de Janeiro do século XIX. 2. Ed. rev. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2004.

REZENDE, Antônio Paulo. O Recife: histórias de uma cidade. (Org.) Magdalena Almeida. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2002.

RIDENTI, Marcelo. Cultura e política brasileira: enterrar os anos 60? In: Intelectuais: sociedade e política, Brasil – França. Elide Rugai Bastos, Marcelo Ridenti, Dennis Rolland (Orgs.). São Paulo: Cortez, 2003.

ROSTAND, Paraíso. Cadê Mário Melo. Recife: COMUNIGRAF, 1997.

SANDRONI, Carlos. O Feitiço Decente. Transformações do Samba no Rio de Janeiro (1917 – 1933). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. : Ed. da UFRJ, 2001.

SCHWARZC, Lilia Moritz. Apresentação, In: BLOCH, Marc. Apologia da História: ou o ofício do historiador. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

SILVA, A. N. “Quem gosta de samba, bom pernambucano não é?”. 2011. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

_______. Debate Historiográfico sobre as escolas de samba em Recife (1955 – 1970). 2009. Monografia (Conclusão de Bacharelado em História). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

TINHORÃO, José Ramos. Os Sons de Negros no Brasil. Cantos, danças folguedos: origens. 2. Ed. São Paulo: Ed. 34, 2008.

VIANNA, Hermano. O Mistério do Samba. 6. ed. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editores, UFRJ, 2007.

VOUVELLE, Michel. Os Intermediários Culturais, In: Ideologias e Mentalidades. Tradução de Maria Julia Cottvasser. 2. Ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Silva, A. N. (2016). Os sentidos da festa: Mário Melo e as escolas de samba no carnaval recifense (1955-1956). Oficina Do Historiador, 9(1), 265-284. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.19982