Confrontação e cordialidade: Elementos para uma Comparação entre os Pensamentos Autoritários de Carl Schmitt e Francisco Campos

  • Vinícius Liebel PUCRS
Palavras-chave: Autoritarismo, Francisco Campos, Carl Schmitt, Nazismo, Ditadura.

Resumo

Propõe-se no presente artigo uma reflexão acerca dos elementos centrais presentes no bojo do pensamento autoritário de direita que se desenvolve entre as décadas de 1920 e 1930. Focado nos escritos de Carl Schmitt (Alemanha) e Francisco Campos (Brasil), o paper se pretende uma peça comparativa entre os dois, membros que são de uma elite intelectual que acabaria por forjar a estrutura jurídico-ideológica do Estado Novo e do Estado Nazista. As análises aqui propostas serão feitas em uma constante justaposição das ideias da matriz europeia, especialmente com os escritos schmittianos O Conceito do Político e Teologia Política, com aquelas que resultaram na obra principal de Campos no período, O Estado Nacional. Tomando os escritos de Carl Schmitt em comparação com os de Francisco Campos, dois juristas que atuaram em primeiro plano no campo dos debates políticos em seus países e que foram decisivos na busca por legitimação das ditaduras que os marcaram, as reflexões aqui propostas buscam verificar as sincronias e os pontos de divergência entre as estruturas teóricas de ambos os autores, resultando em uma caracterização global e qualitativa de seus pensamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA FILHO, Agassiz. 10 Lições sobre Carl Schmitt. Petrópolis: Editora Vozes, 2014

BENJAMIN, Cássio Corrêa. Schmitt e o Problema da Democracia – nostalgia da transcendência ou a representação como questão para a Democracia. In: Kriterion, Belo Horizonte, n. 118, dez. 2008, p. 417-441

BENJAMIN, Walter. Sobre o Conceito de História. In: BENJAMIN, Walter. O Anjo da História. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p. 7-20

BERCOVICI, Gilberto. Carl Schmitt e a Tentativa de uma Revolução Conservadora. In: ALMEIDA, J.; BADER, W. O Pensamento Alemão no século XX. vol. 1. São Paulo: Cosacnaif, 2013. p. 83-122.

BOOKBINDER, Paul. Roots of Totalitarian Law: the early works of Carls Schmitt. Social Science, vol. 56, n. 3, 1981. p. 133-145.

BROSZAT, Martin. Hitler and the Collapse of Weimar Germany. Berg: Hamburg, 1987.

CAMPOS, Francisco. Sessão de 31 de Julho de 1924 da Câmara dos Deputados. In: CAMPOS, Francisco. Francisco Campos – Discursos Parlamentares. Brasília, Câmara dos Deputados, 1979.

_____. O Estado Nacional: sua estrutura, seu conteúdo ideológico. Brasília: Senado Federal, 2001.

CASTORIADIS, Cornelius. A Instituição Imaginária da Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GIRARDET, Raoul. Mythes et Mythologies Politiques. Paris: éditions du Seuil, 1986.

HABERMAS, Jürgen. Liquidando os danos – os horrores da autonomia. Apresentação a SCHMITT, Carl. O Conceito do Político; Teoria do Partisan. Belo Horizonte: Del Rey, 2008. p. vii-xix.

HUNTINGTON, Samuel. The Third Wave: Democratization in the Late Twentieth Century. Norman: Univ. of Oklahoma Press, 1991.

KOLINSKY, Eva; WILL, Wilfred van der. In Search of German Culture: an introduction. In: KOLINSKY, E.; WILL, Wilfred (ed.). The Cambridge Companion to Modern German Culture. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. p. 1-19.

LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República: uma interpretação. In: FAUSTO, Boris (org.). História Geral da Civilização Brasileira – o Brasil Republicano. vol. 9. Rio de Janeiro: Difei, 1985. p. 359.

LENHARO, Alcir. A Sacralização da Política. São Paulo: Papirus, 1986.

MASCHKE, Günter. Im Irrgarten Carl Schmitts. In: CORINO, Karl (org.). Intellektuelle im Bann des Nationalsozialismus. Hamburg: Hoffmann und Campe, 1980. p. 205.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Desafios e Possibilidades na Apropriação de Cultura Política pela Historiografia. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (org.). Culturas Políticas na História – Novos Estudos. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014. pp. 13-38.

_____. MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Ruptura e Continuidade na Ditadura Brasileira. In: MOTTA, R. P. S.; ABREU, L. A. (org.). Autoritarismo e Cultura Política. Porto Alegre: Edipucrs, 2013. pp 9-32.

RODRIGUES, José Honório. Conciliação e Reforma no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1965.

SANTOS, Rogério Dultra dos. Francisco Campos e os Fundamentos do Constitucionalismo Antiliberal no Brasil. In: Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 50, n. 2, 2007, p. 281-323.

SCHMITT, Carl. Politische Theologie Berlin: Dunker & Humblot, 1922.

_____. Verfassungslehre. Berlin: Duncker & Humblot, 2003.

_____. Political Theology – Four Chapters on the Concept of Sovereignty. Chicago: University of Chicago Press, 2005.

_____. O Conceito do Político; Teoria do Partisan. Belo Horizonte: Del Rey, 2008a.

_____. Corolário II: Sobre a relação entre os conceitos de guerra e inimigo. In: SCHMITT, Carl. O Conceito do Político; Teoria do Partisan. Belo Horizonte: Del Rey, 2008b. p. 110-119.

SCHWAB, George. The Challenge of the Exception – An Introduction to the Political Ideas of Carl Schmitt between 1921 and 1936. Berlin: Duncker & Humblot, 1970.

WEIGEL, Björn. “Märzgelallene” und Aufnahmestopp im Frühjahr 1933 – Eine Studie über den Opportunismus. In: BENZ, Wolfgang (org). Wie wurde man Parteigenosse? Frankfurt am Main: Fischer, 2009. p. 91-109.

Publicado
2015-11-23
Como Citar
Liebel, V. (2015). Confrontação e cordialidade: Elementos para uma Comparação entre os Pensamentos Autoritários de Carl Schmitt e Francisco Campos. Oficina Do Historiador, 8(2), 120-136. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2015.2.19686