NZINGA MBANDI NA HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA: ASCENSÃO E LIDERANÇA NO REINO DO NDONGO E MATAMBA

  • Priscila Maria Weber PUC-RS
Palavras-chave: Nzinga Mbandi. Historiografia Brasileira. Ndongo e Matamba.

Resumo

Observaremos o modo como a rainha Nzinga Mbandi ascendeu em 1623 à liderança dos reinos de Ndongo e Matamba em discussões oriundas de obras que compõem a historiografia brasileira e que trabalham com a história das sociedades africanas. Para tanto, ressaltaremos o referencial bibliográfico e as fontes documentais utilizadas, especialmente a obra História Geral das Guerras Angolanas, do soldado português António de Oliveira de Cadornega. Problematizaremos o acesso ao corpus bibliográfico e documental, inferindo analiticamente em questões que sopesem descrições rígidas e literalizadas, que via de regra excluem as contextualizações e as distintas linguagens políticas empregadas na produção de uma obra, logo, de uma discussão historiográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Maria Weber, PUC-RS
Priscila Maria Weber é formada em História pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Atuou como professora em redes educacionais particulares e públicas. Cursa mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica – PUC-RS com bolsa CNPq. Principais temas de pesquisa: história da África, relações luso-afro-brasileiras, história das ideias e dos intelectuais. E-mail: [email protected]
Publicado
2014-10-17
Como Citar
Weber, P. M. (2014). NZINGA MBANDI NA HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA: ASCENSÃO E LIDERANÇA NO REINO DO NDONGO E MATAMBA. Oficina Do Historiador, 1278-1300. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/19023