Vassalos Amotinados em São José do Tocantins – 1736: Governabilidades na América Portuguesa

  • José Augusto Ribas Miranda PUCRS
Palavras-chave: Revoltas, América Portuguesa, Pacto

Resumo

O estudo sobre a dinâmica imperial portuguesa tem alcançado êxito no Brasil nos últimos anos. Diversos autores têm promovido uma releitura da documentação no intuito de compreender a estruturação e funcionamento do domínio imperial português em todas as suas possessões ultramarinas. Este artigo tem como objetivo analisar o debate historiográfico sobre esta dinâmica imperial na América portuguesa. Por meio da leitura de obras relevantes na discussão da estruturação do império luso na América e da análise documental, pretendo demonstrar o estabelecimento da governabilidade do império português em suas possessões ultramarinas, a relação entre súditos e soberano e analisar a natureza das revoltas no antigo regime. Para tanto, faço um estudo de caso sobre um motim, ocorrido no norte das minas de Goiás em 1736, em virtude da cobrança de impostos sobre a mineração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Augusto Ribas Miranda, PUCRS
Graduado em História pela Universidade Federal do Tocantins em 2010, atua em História da américa Contemporânea (Relações Internacionais do Império do Brasil e Historia Politica na América Latina no XIX)
Publicado
2012-10-24
Como Citar
Miranda, J. A. R. (2012). Vassalos Amotinados em São José do Tocantins – 1736: Governabilidades na América Portuguesa. Oficina Do Historiador, 5(1), 02-21. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/11253
Seção
Artigos