TEIXEIRA, V. R. O “criado-mudo” e a língua que recria os sentidos da história. Navegações, v. 2, n. 2, 12 jan. 2010.