Vestígios do trágico em Mário de Carvalho

  • Carla Carvalho Alves
Palavras-chave: Mário de Carvalho, História, Ficção, Trágico, Antígona

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir algumas questões relativas ao romance português, Um Deus passeando pela brisa da tarde, de Mário de Carvalho. Considerando-se a temática histórica apresentada nesta obra, buscaremos estabelecer relações entre o caráter ficcional, predominante na estrutura narrativa, e o subsídio histórico a partir do qual ela se desenvolve. Consideraremos a constituição do personagem-narrador, Lúcio Valério Quíncio, a partir de uma influência bastante incisiva referenciada em seu discurso: o trágico proveniente da presença metonímica da tragédia grega, em uma alusão à peça de Sófocles, Antígona.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Alves, C. C. (2010). Vestígios do trágico em Mário de Carvalho. Navegações, 3(1). Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/navegacoes/article/view/7187
Seção
Ensaios