Figurações da diáspora

Travessia e resistência em Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves

Palavras-chave: literatura negra, metaficção historiográfica, diáspora, resistência, travessia.

Resumo

Na obra Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves (2016), a protagonista Kehinde, recupera e dita suas memórias a fim de reconstruir suas vivências e deixá-las como legado ao filho perdido, num diálogo repleto de significados e questionador dos discursos colonialistas. Segundo Ribeiro (2017), para a mulher negra, falar sobre suas experiências, significa ocupar o lugar de fala, isto é, ultrapassar o silêncio instituído para quem foi subalternizado, um movimento no sentido de romper com a hierarquia. Os espaços (re)configurados remetem à resistência, desmitificando o imaginário construído pelos colonizadores que os negros são naturalmente inferiores e não têm história (MUNANGA, 2009). Desse modo, o discurso trazido por Kehinde é contra hegemônico no sentido que visa desestabilizar a norma, porém, igualmente é discurso forte e construído a partir de outros referenciais e geografias, visa pensar outras possibilidades de existências para além das impostas pelo regime discursivo dominante (RIBEIRO, 2017).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Fernanda Rodrigues da Luz Teixeira, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara, SP, Brasil.

Doutoranda em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista (Unesp); professora da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (SEE/SP), em Jaú, SP, Brasil.

Paulo César Andrade da Silva, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara, SP, Brasil.
Doutor em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista (UNESP); professor da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Referências

ANZALDÚA, Glória. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revistas Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n.1 p. 229-236, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106. Acesso em: 01 ago. 2019.

BERND, Zilá. O que é negritude. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

COSER, Stelamaris. Híbrido, hibridismo e hibridização. In: Figueredo, Eurídice (org.). Conceito de Literatura e cultura. Juiz de Fora: EdUFF, 2005. p. 163-188.

CUTI. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

DALCASTAGNÈ, Regina. Quando o preconceito se faz silêncio: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Gragoatá. Niterói, n. 24, p. 203-219, 2008.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008. https://doi.org/10.7476/9788523212148.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2016.

HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HUTCHEON, Linda. Poética do Pós-Modernismo. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

MASSEY, Doreen. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, Antonio A. (org.). O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus, 2000.

MASSEY, Doreen. Uma política relacional do espaço. In: MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. 4.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013. p. 211-274.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo, Editora Autentica, 2009.

ORTIZ, Fernando. Contrapunteo cubano del tabaco y el azuçar. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 1983.

PEREIRA, Edimilson de Almeida. Pulsações da poesia brasileira contemporânea: o Grupo Quilombhoje e a vertente afro-brasileira. In: PEREIRA, Edimilson de Almeida (org.). Um tigre na floresta de signos. Belo Horizonte: Mazza, 2010. p. 329-355.

RIBEIRO, Djamila. O que é: lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SANTIAGO, Ana Rita. Vozes literárias de escritoras negras. Cruz das Almas, BA: UFRB, 2012.

SCHWARCZ. Lilia Moritz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

WALTER, Roland. Afro-América: diálogos literários na diáspora negra das Américas. Organizado por Anco Márcio Tenório Vieira e Angela Paiva Dionísio. Recife: Bagaço, 2009.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Teixeira, T. F. R. da L., & da Silva, P. C. A. (2020). Figurações da diáspora: Travessia e resistência em Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves. Navegações, 13(2), e37151. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2020.2.37151
Seção
Artigos