Roteiros do sertanejo na literatura

Palavras-chave: Discurso literário. Identidade nacional. Sertanejo. Os Sertões. Vidas Secas.

Resumo

Em um país continental como o Brasil, o território contribui na formação de variadas identidades ligadas aos diferentes espaços que compõem a realidade nacional. A tradição literária, ao conferir tratamento estético a tais formações identitárias, elaboram mitos que estruturam o imaginário social referente à noção de brasilidade. Dentre os mitos assim produzidos, o do sertanejo é central tanto para questão da identidade nacional como para o desenvolvimento da tradição literária. Este trabalho aborda a evolução desse signo a partir da análise de obras características de diferentes momentos do sistema literário brasileiro: Os Sertões, de Euclides da Cunha; Vidas Secas, de Graciliano Ramos; Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa; O rio e Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto e Essa Terra, de Antônio Torres. A pesquisa revelou que a representação literária fratura a categoria sertanejo em dois gêneros segundo os diferentes roteiros migratórios que eles realizam: o “sertanejo errante” e o “sertanejo retirante”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raul Azevedo de Andrade Ferreira, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Doutor em Teoria da Literatura (PPGL/UFPE). Professor do curso de Letras da Universidade Regional do Cariri (URCA) Crato, CE, Brasil.

Cássia da Silva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)/Universidade Regional do Cariri (URCA)

Aluna do curso de doutorado em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Pau dos Ferros, RN, Brasil. Professora do curso de Letras da Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, CE, Brasil.

Referências

ALONSO, Angela. Idéias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002. https://doi.org/10.11606/issn.1808-8139.v0i2p123-127

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

CAMPOS, Luciene Lemos de; RODRIGUES, Luciano. Migrantes e migrações: entre a história e a literatura. Albuquerque: revista de História, Campo Grande, v. 3 n. 5 p. 33-49, jan./jun. 2011.

CASTRO, Iná Elias de. Natureza, imaginário e a reinvenção do Nordeste. In: ROZENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. (org.). Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 103-133.

CUNHA, Euclides da. Os sertões. São Paulo: Ubu editora/ Edições Sesc São Paulo, 2016.

FAZITO, Dimitri. Análise de Redes Sociais e Migração: dois aspectos fundamentais do “retor-no”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 25, n. 72, fev., 2010. https://doi.org/10.1590/s0102-69092010000100007

GNISCI, Armando. Migração e literatura. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, Duque de Caxias, v. II, n. VII, p. 1-8, out./dez., 2003.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso. São Paulo, Brasiliense, 1992.

MELO NETO, João Cabral de. O rio. In: MELO NETO, João Cabral de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006. https://doi.org/10.11606/t.8.2017.tde-02062017-101821

MELO NETO, João Cabral de. Morte e Vida Severina. In: MELO NETO, João Cabral de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006. https://doi.org/10.5216/lep.v13i1.11920

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2003.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Global, 2015.

ROMERO, Sílvio. Cantos populares do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1897.

ROMERO, Sílvio. Compêndio de história da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Imago Ed., Universidade Federal de Sergipe, 2001.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 98. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SCHWARCZ, Lília Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870 – 1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. https://doi.org/10.5585/eccos.n46.8915

TELES, Gilberto Mendonça. O lu(g)ar dos sertões. Juiz de Fora, v. 8, n. 16, jul/dez. 2009.

TORRES, Antônio. Essa terra. 26. ed. Rio de Janeiro: Record, 2014.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Publicado
2019-08-08
Como Citar
Ferreira, R. A. de A., & da Silva, C. (2019). Roteiros do sertanejo na literatura. Navegações, 12(1), e31735. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.1.31735
Seção
Ensaios