Cesário Verde: lusismo, intertextualidade e saudade

Palavras-chave: Literatura Portuguesa. Poesia Portuguesa. Cesário Verde. Saudade. Lusismo. Poesia Realista.

Resumo

Cesário Verde (1855-1886) é um poeta que se dedicou ao desenvolvimento de uma estética realista; valorizou o vocabulário e a fala coloquiais. Levando-se em conta que a poesia de Cesário Verde repensa os grandes temas do imaginário português, este trabalho quer verificar elementos do lusismo em sua obra, analisando a abordagem do tema da saudade e estabelecendo pontos de intertextualidade com a tradição ocidental. O corpus estudado é a obra Poemas Reunidos (2010). O tema da saudade é tomado neste trabalho a partir da ideia de Eduardo Lourenço (1999). O conceito de lusismo adotado apoia-se em Padilha (2005). A intertextualidade é tratada de acordo com Carvalhal (2006), e o poeta dialoga com João de Deus, Balzac e Camões. Ele é citado por Eça de Queirós, Sá-Carneiro, Fernando Pessoa, Mário Cesariny, Miguéis, João Cabral de Melo Neto, Manuel Bandeira, entre tantos outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio França, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)
Mestre em Estudos Literários, docente na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Feira de Santana, Bahia, Brasil.
Alessandra Leila Borges Gomes Fernandes, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)
Doutora em Literatura Comparada, docente na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Referências

ANJOS, Augusto dos. Eu & Outras Poesias, V.1. Rio de Janeiro: Civilização/Itatiaia, 1982.

BONFÁ, Carlos. A modernidade poética em Cesário Verde e Gomes Leal. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2009. https://doi.org/10.17138/tgft(2)133-135

BORGES, Telma. Matizes de Cesário Verde na Poesia Brasileira. Scripta, Belo Horizonte, v. 15, n. 19, p. 161-179, 2011.

BOTELHO, Patrícia. A criação poética de Cesário Verde: uma nova forma de representação da realidade portuguesa. Darandina, Juiz de Fora, v. 2, n. 2, p. 1-10, 2010.

CAMÕES, Luís. Os Lusíadas. São Paulo: Abril, 1979.

CARNEIRO, Gabriela. A poesia de Alberto Caeiro à luz da filosofia de Martin Heidegger. Dissertação (Mestrado). Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2010. https://doi.org/10.5752/p.2175-5841.2018v16n51p1433

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. São Paulo: Ática, 2006.

CINTRA, Sônia. Relações espaciotemporais na obra de Cesário Verde: fragmentação e busca de totalidade. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. https://doi.org/10.11606/d.8.2009.tde-23112009-145427

DAUD, Roberto. A poesia prosaica de Cesário Verde. Itinerários. Araraquara, n. 26, p. 99-107, 2008.

HERRERA, Ana. A tradição Pessoana: Influência de Fernando Pessoa sobre dois poetas portugueses, Mário Cesariny e Ruy Belo, e dois poetas venezuelanos, Rafael Cadenas e Eugenio Montejo. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Porto, Porto, 2010.

HIGA, Mário. Introdução, estabelecimento de texto e Notas. In: VERDE, Cesário. Poemas Reunidos. Cotia: Ateliê Editorial, 2010.

LOURENÇO, Eduardo. Romantismo, Camões e a Saudade. In: LOURENÇO, Eduardo. Mitologia da Saudade seguido por Portugal como destino. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. https://doi.org/10.5380/rel.v90i2.36491

MACHADO, Álvaro. A Geração de 70 — uma revolução cultural e literária.Biblioteca Breve, v.4. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa Ministério da Educação, 1986.

MAFFEI, Luis. Para glória da doença? Leituras do mal de Camões. Via Atlântica, São Paulo, n. 29, p. 339-351, 2016. https://doi.org/10.11606/va.v0i29.108989

MELO NETO, João. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

MIGUÉIS, José. Léah e outras histórias. Lisboa: Estudios Cor, 1968.

PADILHA, Laura. Da construção identitária a uma trama de diferenças — Um olhar sobre as literaturas em língua portuguesa. Revista Crítica das Ciências Sociais, Coimbra, v. 73, p. 3-28, 2005. https://doi.org/10.4000/rccs.950

PESSOA, Fernando. Arquivo Pessoa. Obra édita. Disponível em: http: / / arquivopessoa.net / textos / 2365. Acesso em: 10 maio 2016.

RAMOS, Isaac. O sagrado e o profano em Alberto Caeiro. Revista Desassossego, São Paulo, v. 3, p. 1-13, 2010. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v2i3p26-38

SACHET, Patrícia. Cesário Verde e Jorge Luís Borges: Perspectivas literárias de cidade. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

SARAIVA, António; LOPES, Óscar. História da Literatura Portuguesa. 17. ed. Porto: Porto Editora, 2005.

STUDART, Júlia. Cesário Verde: nem lá, nem cá. Crítica Cultural, v.5, n.1, p.207-218, 2010. https://doi.org/10.19177/rcc.v5e12010207-218

VAGALUME. https: / / www.vagalume.com.br / chico-buarque / construcao.html, acesso em 11 mai 2016.

VERDE, Cesário. Poemas Reunidos. Cotia: Ateliê, 2010.

Publicado
2019-08-08
Como Citar
França, F., & Fernandes, A. L. B. G. (2019). Cesário Verde: lusismo, intertextualidade e saudade. Navegações, 12(1), e27454. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.1.27454
Seção
Ensaios