Os ratos: uma trama de ponteiros, pontuações e negócios

Palavras-chave: Os ratos. Dyonelio Machado. Sinais de pontuação. Forma literária. Processo social.

Resumo

O objetivo desse ensaio é analisar o uso dos sinais de pontuação e o da dimensão gráfica de Os ratos (1935), de Dyonelio Machado, como forma de esclarecimento das relações sociais entre narrador e personagem (a diferença de classe), dos personagens entre si (as trocas de favor) e segundo a expressão da subjetividade de Naziazeno (as consequências psicológicas da mecânica do dinheiro). O foco é a pesquisa das nuances de sentidos do texto, a partir do emprego da pontuação e dos seus efeitos em uma determinada cena ou frase – sem perder de vista o resultado geral da obra e os impasses histórico-sociais aos quais o estético responde. Para tanto, é examinado principalmente o aproveitamento das aspas, dos itálicos, das reticências e das exclamações. Nesse sentido, a formalização do romance e a maneira que ela internaliza e reflete os dilemas retratados são fundamentais para este estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Lopes Schiffner, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Letras com ênfase em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Integrante do grupo de pesquisa “Literatura Brasileira em dinâmica desigual e combinada”, sob a orientação do Prof. Dr. Homero Vizeu Araújo.

  

Referências

ADORNO, Theodor W. Sinais de Pontuação. In: ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. São Paulo: Ed. 34, 2012. p. 141-149.

ARAÚJO, Homero Vizeu; REIS, Octávio Linhares. Favor, dívida impagável e forma literária em Os ratos. Cerrados: revista do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Brasília, v. 24, n. 40, p. 39-53, 2015. https://doi.org/10.12957/matraga.2017.29035

ARRIGUCCI JÚNIOR, Davi. O cerco dos ratos. In: ARRIGUCCI JÚNIOR, Davi. (org.). O guardador de segredos. Rio de Janeiro: Companhia das letras, 2010. p. 100-112. https://doi.org/10.1590/s0103-40142010000300018

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Edusp, 2006. 712 p.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor M. Memórias do subsolo. São Paulo: Ed. 34, 2009. 147 p.

ELIOT, T. S. Poesia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. 313 p.

GIL, Fernando Cerisara. O romance da urbanização. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999. 148 p.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, 220 p.

LODGE, David. A arte da ficção. São Paulo: L&PM Pocket, 2012. 245 p.

MACHADO, Dyonélio. Os ratos. São Paulo: Ática, 1999. 144 p.

RAMOS, Graciliano. Angústia. Rio de Janeiro: Record, 2011. 382 p.

SIMMEL, Georg. O conflito da cultura moderna e outros escritos. São Paulo: Senac, 2013, 188 p.

WOOD, James. Como funciona a ficção. São Paulo: Cosac Naify, 2012, 194 p.

ZAGURY, Eliane. A novela clássica do modernismo brasileiro. In: ZAGURY, Eliane. A palavra e os ecos. Petrópolis: Vozes, 1971. p. 11-19.

Publicado
2019-08-08
Como Citar
Schiffner, T. L. (2019). Os ratos: uma trama de ponteiros, pontuações e negócios. Navegações, 12(1), e27216. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.1.27216
Seção
Ensaios