A gênese niilista de João Gilberto Noll

  • Diego Gomes do Valle Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: História Literária, João Gilberto Noll, Niilismo

Resumo

Este artigo busca estabelecer uma relação entre a obra romanesca de João Gilberto Noll – seu conteúdo ideológico depreendido genericamente – e a forma filosófica conhecida historicamente como niilismo. Para sustentar tal hipótese, buscamos traçar uma gênese mais ou menos detectável, na literatura e na filosofia, deste modo de se conceber a realidade, a saber: retirando todo e qualquer princípio causal do ser. Assim sendo, neste breve texto a obra do escritor gaúcho aparece como uma continuadora desta tradição em que o nada é o próprio objeto da perquirição.

 

************************************************************************************************************************************************************************************************************

The nihilistic genesis of João Gilberto Noll

Abstract: This article seeks to establish a relationship between the novelistic work of João Gilberto Noll – its ideological content inferred generally – and the philosophical form known historically as nihilism. To support this hypothesis, we seek to draw a more or less detectable genesis, literature and philosophy, this way of conceiving reality, namely, removing any causal principle of being. Thus, in this short text gaucho writer’s work appears as a continuer of this tradition in which nothing is the proper object of perquisition.

Keywords: Literary History; João Gilberto Noll; Nihilism

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Gomes do Valle, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Graduado em Letras Port./Esp. (UEPG), Mestre em Estudos Literários (UFPR) e Doutor em Teoria e História Literária (UNICAMP). Atualmente, Professor Colaborador da UEPG.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

ANDERS, Gunther. Kafka: pró e contra (os autos do processo). Editora Perspectiva: São Paulo, 1969.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

BLOOM, Harold. Onde encontrar a sabedoria? Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

BORGES, Jorge Luis. Sobre os sonhos e outros diálogos. São Paulo: Hedra, 2009.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Rio de Janeiro: Record, 2005.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os demônios. São Paulo: Ed. 34, 2004.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Memórias do subsolo. Trad. Boris Schnaidermann. São Paulo: Ed. 34, 2000.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Diário de um escritor. Rio de Janeiro: Estrela de ouro, 1967.

GILLESPIE, Michael Allen. Nihilism before Nietzsche. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

KUNDERA, Milan. A arte do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

MELVILLE, Herman. Bartleby, o escrivão. Rio de Janeiro: José Olympio, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Vontade de potência. São Paulo: Ediouro, s/d.

NOLL, João Gilberto. Escribo porque Dios no existe. [s.d] Entrevista concedida ao Centro de literatura aplicada de Madrid. Madrid, 2009. Disponível em: <http://funcionlenguaje.com/rincon-bibliografico/joao-gilberto-Noll-qescribo-porque-dios-no-existeq.html>. Acesso em: 21 fev. 2015.

NOLL, João Gilberto. Hotel Atlântico. São Paulo: Francis, 2004.

NOLL, João Gilberto. Acenos e afagos. Rio de Janeiro: Record, 2008.

NOLL, João Gilberto. O quieto animal da esquina. São Paulo: Francis, 2003c.

NUNES, Benedito. Leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Quíron, 1973.

POUILLON, Jean. O tempo no romance. São Paulo: Cultrix, 1984.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa – a intriga e a narrativa histórica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

SANTOS, Mário Ferreira dos. Tratado de Simbólica. São Paulo: É Realizações, 2007.

TREECE, David. Prefácio. In: Noll, João Gilberto. Romances e contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

TURGUENIEV, Ivan. Pais e filhos. São Paulo: Abril Cultural, 1981.

WALLACE, David Foster. Hablemos de langostas. Buenos Aires: DeBolsillo, 2008.

Publicado
2015-10-06
Como Citar
Valle, D. G. do. (2015). A gênese niilista de João Gilberto Noll. Navegações, 8(1), 16-25. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2015.1.20079
Seção
Ensaios