Ainda (e sempre) Saussure: história, memória e discurso em três versões de um mesmo texto

Palavras-chave: CLG, Versões, Publicações, Horizonte de retrospecção e projeção.

Resumo

No presente artigo, desenvolveremos uma reflexão acerca do contexto de produção de três versões do Curso de Linguística Geral (CLG), a saber, a versão publicada na Argentina e aquelas publicadas no Brasil e em Portugal. Nosso objetivo é compreender como o CLG é recebido/lido em cada momento histórico fora do contexto francês. Selecionamo-las não só pela relação singular com a língua, mas porque elas são propostas em conjunturas em que o CLG é recebido/lido de forma diferente. Além disso, nas referidas publicações, consideraremos também uma passagem que é bastante controversa, mesmo na edição francesa, aquela que trata do exemplo dado para ilustrar o princípio do arbitrário do signo. Ao comparar essa passagem nas diferentes situações, queremos entender como se inscreve o gesto de interpretação do sujeito que se responsabilizou pela versão da obra em cada um dos países em questão.

Referências

ADRAGÃO, J. V. Nota introdutória à tradução portuguesa. In: SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Victor Adragão. Porto: Dom Quixote, 1971. p. 19-20.

ALONSO, A. Prólogo a la edición española. In: SAUSSURE, F. Curso de Linguística General. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Amado Alonso. Buenos Aires: Losada, 2015. p. 07-31.

ARRIVÉ, M. À procura de Ferdinand de Saussure. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

AUROUX, S. Les méthodes d’historicisation in Histoire Epistémologie Langage, tome XXVIII, Fascicule 1, (2006) SHESL Paris. p. 104-116.

BENVENISTE, É. Problemas de lingüística geral. Tradução de Maria da Glória Novak e Luiza Néri. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Editora da Universidade de São Paulo, 1976.

COSTA, M. I. S. Saussure e o Curso de Linguística Geral: uma relação de nunca acabar. Línguas e instrumentos lingüísticos, n. 31, p. 107-116, jan.-jul. 2013.

GODEL, R. Les sources manuscrites du Cours de Linguistique Générale. Front Cover: Librairie Droz, 1957.

PÊCHEUX, M. O discurso estrutura ou acontecimento. (original Discourse: structure or Event? 1988). Tradução de Eni P. Orlandi. Pontes: São Paulo, 1990.

PUECH, C. O discurso, as heranças e os destinos de Saussure na França. In: CRUZ, A.;

PIOVAZANI, C.; TESTENOIRE, P-Y. Saussure, o texto e o discurso: cem anos de heranças e recepções. São Paulo: Parábola, 2016. p. 13-37.

SALUM, I. Prefácio à edição brasileira. In: SAUSSURE, F. Curso de linguística Geral. 27. ed. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006. p. XIII-XXIII.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística General. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Amado Alonso. Buenos Aires: Losada, 2015.

SAUSSURE, F. Escritos de linguística Geral. Organizado e editado por Simon Bouquet e Rudolf Engler. São Paulo: Cultrix, 2012.

SAUSSURE, F. Curso de linguística Geral. 27. ed. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006.

SAUSSURE, F. Cours de Linguistique Générale. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Paris: Payot & Rivages, 1974.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Victor Adragão. Porto: Dom Quixote, 1971.

SCHERER, A. Estrutura/sistema: eis uma questão para os estudos linguísticos do ponto de vista da história da Linguística. In: SOUZA, Lucília Maria Abrahão e; NAGEM, Glaucia;

BALDINI, Lauro. A palavra de Saussure. São Carlos: Pedro & João Editores, 2016. p. 77-92.

SCHERER, A; SCHNEIDERS, C.; MARTINS, T. Saussure e os estudos saussurianos no sul: algumas reflexões. Línguas e Instrumentos Linguísticos, n. 35, p. 73-94, jan.-jun. 2015.

SÉRIOT, P. Estrutura e totalidade. Tradução de Maristela Cury Sarian e Mariângela P. C. G. Joanilho. Campinas; Cáceres: Editora da Unicamp; UNEMAT, 2016.

TRABANT, J. Faut-il défendre Saussure contre ses amateurs? Notes item sur l’étymologie saussurienne. In: Langages, 39e année, n. 159. 2005. Linguistique et poétique du discours. À partir de Saussure, sous la direction de Jean-Louis Chiss et Gérard Dessons. p. 111-

Disponível em:

www.persee.fr/doc/lgge_0458-726x_2005_num_39_159_2655

Publicado
2018-10-19
Como Citar
Scherer, A. E., & Costa, M. I. S. (2018). Ainda (e sempre) Saussure: história, memória e discurso em três versões de um mesmo texto. Letrônica, 11(3), s54-s67. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2018.s.30804