Que importa quem fala? – O desaparecimento do autor segundo Michel Foucault

  • Bianca Kelly Souza (UFU) Unimontes/UFU
Palavras-chave: Autor, Obra, Foucault

Resumo

Michel Foucault utiliza em sua conferência denominada “O que é um autor?” a seguinte frase: “Que importa quem fala, disse alguém, que importa quem fala”. Sua intenção é retratar nestas palavras certa indiferença que constitui para ele o princípio ético fundamental da escrita contemporânea. Foucault desenvolve uma crítica radical à idéia de autor – e mais geralmente do par autor/obra, deixando transparecer uma recusa à categoria de autor e ao gesto biográfico, chegando a defender o anonimato rigoroso. Ele subverte assim, os princípios éticos da autenticidade autoral consagrado a longas datas. O filósofo parte da idéia de que a figura do autor deve ser apagada em proveito das formas próprias aos discursos, o que o conduz a investigar o que este desaparecimento permite descobrir, quais os espaços, as lacunas, e as funções livres que estes espaços deixaram descobertos.

 

Palavras-chave: Autor. Obra.  Foucault.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Kelly Souza (UFU), Unimontes/UFU
Professora do Departamento de Filosofia da Universidade Estadual de Montes Claros/UNIMONTES - MG e Aluna do Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia/UFU - MG. Área: Filosofia Contemporânea.
Publicado
2011-12-11
Como Citar
Souza (UFU), B. K. (2011). Que importa quem fala? – O desaparecimento do autor segundo Michel Foucault. Intuitio, 4(2), 123-132. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/9676
Seção
Artigos