Liberdade e politica em o "Ser e o Nada" de Sartre e "Entre o Passado e o Futuro"de Hannah Arendt

  • Roberto Carlos Favero (UNISINOS) Unisinos
Palavras-chave: Liberdade, Política, Ética e Compromisso

Resumo

Hannah Arendt não está sozinha quando problematiza a liberdade no campo filosófico em pleno século XX. Sartre, também, foi desafiado a se confrontar com os limites e a possibilidade da liberdade dentro da história. Sartre constrói sua própria fenomenologia em O Ser e o Nada de maneira a abrir campo para uma filosofia que é, em primeiro lugar, uma filosofia do fazer, do agir, ou seja, como uma obra que se pretende “fenomenológica” alcança uma idéia de liberdade tão concreta e inseparável de sua facticidade, de seu ser no mundo? Tanto Hannah Arendt como Sartre, se preocupam com a liberdade como questionamento central em seus escritos, bem como revelam a necessidade de resgatá-la e preservá-la, seja para evitar a dominação e a exclusão social, seja para evitar um totalitarismo. Para a intelectual judia, a liberdade, propriamente dita, só pode ser exercitada se inserida no espaço público, especialmente, no espaço político, fato esse cuja inexistência foi a razão da desconfiança da esfera pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2011-12-11
Como Citar
Favero (UNISINOS), R. C. (2011). Liberdade e politica em o "Ser e o Nada" de Sartre e "Entre o Passado e o Futuro"de Hannah Arendt. Intuitio, 4(2), 148-161. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/8915
Seção
Artigos