A arqueologia foucaultiana da hermenêutica renascentista

  • Richer Borges Souza (PUCRS/UFRGS) PUCRS e UFRGS
Palavras-chave: Linguagem, Arqueologia, Renascença, Semelhança, Saber, Hermenêutica

Resumo

A filosofia contemporânea tem como uma de suas características a da bifurcação metodológica entre formalização e interpretação, isto é, a da possibilidade de optarmos entre a via analítica ou a via hermenêutica. Para Foucault, as técnicas interpretativas que utilizamos hodiernamente são derivadas daquelas utilizadas por Nietzsche, Marx e Freud. Porém, ao voltar sua atenção às condições de possibilidade históricas das distintas filosofias e das ciências humanas, Foucault revela que em determinados períodos de nossa cultura o emprego destas vias metodológicas não se dava a partir de uma tomada de decisão consciente do Sujeito. Neste trabalho, pretendemos apresentar a arqueologia foucaultiana dos saberes renascentistas, realizada na obra As palavras e as coisas, na qual o filósofo defende que a hermenêutica, para além de ser a via característica dos saberes deste período, foi, sobretudo, a única possível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Richer Borges Souza (PUCRS/UFRGS), PUCRS e UFRGS
M
Publicado
2011-07-21
Como Citar
Souza (PUCRS/UFRGS), R. B. (2011). A arqueologia foucaultiana da hermenêutica renascentista. Intuitio, 4(1), 147-156. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/8737
Seção
Artigos