A concepção de justiça de John Rawls

  • Flavia Renata Quintanilha (UNESP) UNESP/CAPES
Palavras-chave: John Rawls. Estrutura básica. Posição original. Princípios de justiça. Justiça como equidade.

Resumo

Rawls, em sua teoria da justiça, justiça como equidade,  apresenta os princípios básicos que irão instituir uma sociedade bem-ordenada, possibilitando que se atinja um sistema de cooperação equitativa entre seus cidadãos e que, através desses princípios, sejam garantidas as liberdades e igualdade entre eles. De um modo geral, pode-se dizer dessa teoria que o homem se insere primordialmente por uma posição original na qual se encontram envoltos  por um véu da ignorância, ponto a partir do qual todas as pessoas podem ser consideradas livres e iguais. Esta noção intuitiva de situação inicial é a condição que possibilita a escolha imparcial dos princípios de justiça. O primeiro princípio garante direito igual a liberdades e direitos básicos iguais para todos; o segundo princípio refere-se as desigualdades sociais e econômicas, e deve preencher duas condições: primeiro, possibilitar condições de justiça e igualdade de oportunidades e, segundo, proporcionar maior vantagem para os membros mais desfavorecidos da sociedade. Conforme a teoria rawlsiana, esta é a condição para sua concepção de justiça de uma sociedade bem-ordenada, em outras palavras, os princípios adotados na posição original deverão ser acessíveis a todos os cidadãos e orientarão as instituições, a fim de ser possível se atingir a base de legitimidade política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavia Renata Quintanilha (UNESP), UNESP/CAPES
Mestranda em Filosofia pela Unesp - PPGF, na área de filosofia política e ética.
Publicado
2010-06-22
Como Citar
Quintanilha (UNESP), F. R. (2010). A concepção de justiça de John Rawls. Intuitio, 3(1), 33-44. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/6107
Seção
Artigos