"EPISTEMIC OPERATORS" - FRED I. DRETSKE

  • Luis Munaretti da Rosa (PUCRS)

Resumo

Neste artigo Drestke mostra que nem todos operadores sentenciais têm o mesmo grau de ‘penetrabilidade’ nas conseqüências lógicas da proposição a que se aplicam inicialmente. Haveria operadores completamente penetrantes, como ‘é o caso que..,’, que penetram em todas as conseqüências de uma proposição para a qual está sendo aplicado o operador sentencial; haveria também operadores não-penetrantes, e operadores semi-penetrantes. O foco de estudo neste artigo está neste último tipo de operador, pois ele inclui operadores epistêmicos como ‘sabe que ...’ e ‘tem razão para crer que ...’. Argumentos céticos estariam contando com a penetração destes operadores nas consequências lógicas de determinadas proposições conhecidas ou justificadas, o que Drestke procura mostrar ser um erro. O artigo é do ano de 1970 e, desde então, tem provocado um interessante debate na literatura – um debate vivo nos dias atuais. Trata-se de um marco no que diz respeito aos princípios de inferência pertinente à epistemologia. palavras-chave: epistemologia; inferencialidade; operadores sentenciais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Munaretti da Rosa (PUCRS)
Estudo epistemologia analítica e filosofia da lógica.
Publicado
2009-12-04
Como Citar
Munaretti da Rosa (PUCRS), L. (2009). "EPISTEMIC OPERATORS" - FRED I. DRETSKE. Intuitio, 2(3), 400-418. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/5974
Seção
Traduções