ÉTICA E LOGICIDADE – UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE HEGEL E ADORNO

  • Sergio Portella (UNISINOS) Unisinos

Resumo

A filosofia hegeliana, como projeto sistemático de superação da cisão kantiana entre coisa e coisa-em-si, pressupõe uma lógica comum à realidade e ao saber do sujeito. Esta relação se desdobra na passagem do burguês à condição de cidadão como o saber que se eleva das relações econômicas instrumentais ao Estado ético. O bem visado pela ação particular, no saber que a fundamenta, torna a mediação social verdadeira à medida da necessidade sistemática das relações. A fuga ao propósito racional-sistemático que descaracteriza a positividade como um bem perfará a reflexão de Adorno. A perversão das relações sociais pela indústria cultural veta a razão particular à dimensão libertadora da cultura. O sujeito não funda em razões seu fim particular que permanece avesso ao interesse universal. Da poíesis burguesa não emerge a práxis cidadã. A mediação social permanece instrumental na Sociedade civil como palco do antiiluminismo. Logo, o veto da razão ao fundamento do agir prescreve a verdadeira razão prática e a única postura ética cabível às relações sociais. PALAVRAS-CHAVE: Hegel. Adorno. Ética. Iluminismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Portella (UNISINOS), Unisinos
Mestrando, Bolsista PROSUP/CAPES, em Filosofia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS e membro do NEHGL/UFRGS.
Publicado
2009-12-04
Como Citar
Portella (UNISINOS), S. (2009). ÉTICA E LOGICIDADE – UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE HEGEL E ADORNO. Intuitio, 2(3), 279-297. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/5752
Seção
Artigos