Justiça restitutiva como procedimento de libertação da escravidão negra em Epifanio de Moirans

  • Joel Francisco Decothé Jr. Programa de Pós-Graduação em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Grupo de pesquisa Filosofia política, normatividade e dialética. Linha de Pesquisa: Justiça política, sociedade civil e Estado. http://orcid.org/0000-0002-9499-1233
Palavras-chave: Restituição, Justiça, Escravidão, Libertação.

Resumo

Este texto busca articular uma das aporias que marcaram a vida das sociedades coloniais da América espanhola, a saber, o tráfico e escravidão de pessoas negras trazidas do continente africano. Diante desta situação este estudo aborda uma das primeiras propostas teóricas antiescravagista, que foi propugnada pelo religioso capuchinho Epifanio de Moirans OFMCap (1644-1689). Sua obra Servi liberi seu naturalis mancipiorum libertatis iusta defensio foi concluída em 1682. Esta proposta versa, entre outras coisas, sobre os procedimentos justos de libertação da escravidão, mediante a restituição dos bens às pessoas que foram vítimas destas práticas injustas nas paragens coloniais. Para tanto, seguimos o itinerário de análise da provocativa inquirição encetada contra as mentalidades escravagistas. A exigência ética aqui é a da realização do imperativo de restituição dos bens às pessoas escravizadas. Isso objetivava o ato restaurativo do valor do seu trabalho escravo. Em seguida, buscamos reconstruir como poderia ser implementada a concepção de uma teoria da justiça restitutiva, que tinha de lidar com a tensão de contínua dubiedade na recepção injusta de pessoas no tráfico escravo. Por fim, tratamos da proposição contestatória do frade capuchinho francês, no sentido de se instituir um procedimento de restituição dos bens materiais como algo factível. Então, a meta era a do ressarcimento integral dos danos causados pela famigerada e injusta prática legal da escravidão negra no contexto ibero-americano colonial. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Francisco Decothé Jr., Programa de Pós-Graduação em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Grupo de pesquisa Filosofia política, normatividade e dialética. Linha de Pesquisa: Justiça política, sociedade civil e Estado.

Doutorando em Filosofia no Programa de Pós-Graduação em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestre em filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Especialização em teologia luterana pela Escola Superior de Teologia (EST).Licenciado em filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Bacharel em teologia pela Escola Superior de Teologia (EST).

Referências

AQUINO, S. T. de. Suma teológica: justiça, religião, virtudes sociais. Volume 6, 2ª seção da 2ª parte: questões 57-122 São Paulo: Loyola, 2005.

ARISTÓTELES. Tópicos. Dos Argumentos sofísticos. Metafísica. Ética a Nicômaco. Poética. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

BOMFIM, M. América Latina: Males de Origem. Rio de Janeiro: Topbooks, 1993.

DECOTHÉ JUNIOR, J. "Aspectos da crítica de Francisco José de Jaca à ideologia da escravidão na escolástica colonial". In: Problemata: Revista internacional de filosofia, v. 8. n.3, p. 20-38, 2017. Disponível em: << http://www.periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/problemata/article/view/34926/18793>>. Acessado em: 03 de maio de 2019.

DEMMER, K. Introdução à teologia moral. Tradução Pier Luigi Cabra. 2ª Edição. São Paulo: Loyola, 2007.

D’OCA, F. R. M. Two Capuchin Friars in Defense of African Slaves' Liberty: Francisco José de Jaca and Epifanio de Moirans. In: Patristica et Mediaevalia, v. 36, pp. 91-108, 2015.

______. "Tráfico de escravos e consciência moral: o pensamento antiescravagista de Epifânio de Moirans". In: Dissertatio: Revista de Filosofia, Pelotas, vol.48, pp.130-172. 2017a. Disponível em: << https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/dissertatio/article/view/11408/7909>>. Acessado em: 03 de maio de 2019.

______. “Discurso Antiescravista de Epifanio de Moirans sobre os Títulos de Escravidão”. In: Síntese, Belo Horizonte, vol. 44, n.139, pp. 279-303, 2017b, p. 285. Disponível em: << http://faje.edu.br/periodicos/index.php/Sintese/article/view/3770>>. Acessado em: 30 de abril de 2019.

FARIA, M. D. C. B. D. A liberdade esquecida: fundamentos ontológicos da liberdade no pensamento aristotélico. São Paulo: Loyola, 1995.

FREITAS NETO, J.A.de. Bartolomé de las Casas: narrativa trágica, o amor cristão e a memória americana. São Paulo: Annablume, 2003.

GARCIA, J.T.L. Dos defensores de los esclavos negros en el siglo XVII (Francisco José de Jaca y Epifanio de Moirans). Caracas – Maracaibo, Biblioteca Corpozulia – Universidad Católica Andrés Bello, 1982.

GONZÁLEZ, M. A. P. Epifanio de Moirans: exponente singular de la práctica antiesclavista. In: MOIRANS, E. de. Siervos libres una propuesta antiesclavista a finales del siclo XVII. Edición crítica por Miguel Anxo Pena González y la colaboración de C. Baciero, J. M. Soto, T. de Azcona y J. Labiano. CSIC, Madrid, 2007a.

______. “Una propuesta antiesclavagista de Primera Hora: el “Servi Liberi” de Epifanio de Moirans”. In: Summa Historiae, Revista de Estudiso Latinoamericanos, Año II Nº 2. Número Especial: La Esclavitud Africana em América, Lima-Perú, pp. 29-70, 2007b, p. 65. Disponível em: << https://www.academia.edu/21557640/Una_propuesta_antiesclavista_de_primera_hora_el_Servi_Liberi_de_Epifanio_de_Moirans >>. Acessado em: 3 de maio de 2019.

GUTIERREZ, G. A densidade do presente. Tradução Thiago Gambi. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

JACA, F. J. de. Resolución sobre la libertad de los negros y sus originarios, en estado de paganos y después ya cristianos. Ed. Miguel Anxo Pena González. Madrid: Consejo de Investigaciones Científicas, 2002.

JOSAPHAT, C. Paradigma teológico de Tomás de Aquino: sabedoria e arte de questionar, verificar, debater e dialogar: chaves de leitura da Suma de Teologia. São Paulo, SP: Paulus, 2012.

LOPES, J. R. As palavras e a lei. São Paulo: Editora 34, 2004.

MASCARO, A. L. Filosofia do direito. São Paulo: Atlas, 2010.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Tradução Marta Lança. 2ª Edição. Lisboa: Antígona Editores, 2017.

MOIRANS, E. de. Siervos libres una propuesta antiesclavista a finales del siclo XVII. Edición crítica por Miguel Anxo Pena González y la colaboración de C. Baciero, J. M. Soto, T. de Azcona y J. Labiano. CSIC, Madrid, 2007.

SARANYANA, J.-I. A filosofia medieval – das origens patrísticas à escolástica barroca - tradução: Fernando Salles. - São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lulio”, 2006.

______. Teología en América Latina. Madrid: Iberoamericana; Frankfurt am Main: Vervuert, 1999-2008. 3 v.

Publicado
2019-12-18
Como Citar
Decothé Jr., J. F. (2019). Justiça restitutiva como procedimento de libertação da escravidão negra em Epifanio de Moirans. Intuitio, 12(2), e34097. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2019.2.34097