Sartre e a unidade da consciência: um breve registro de “A transcendência do ego”

Palavras-chave: Sartre. Consciência intencional. Fenomenologia. Transcendência do ego.

Resumo

Nesse artigo, pretendemos discutir os pressupostos radicados em A Transcendência do Ego premissas a partir das quais Sartre expõe a sua tese corolariamente – fenomenológica – de um ego transcendente. Ao advogá-la, o filósofo se vale de duas críticas recíprocas: a primeira visa refutar a ideia de um ego formal que estaria contido na consciência (posição assumida por Kant e por Husserl). A segunda se contrapõe à existência de um ego material também residente na consciência (posição adotada pela psicologia clássica). Ora, Sartre reconfigura a doutrina husserliana da intencionalidade à medida que inexiste um Eu Puro como resíduo fenomenológico obtido pela epoqué, mas um cogito pré-reflexivo como condição do cogito cartesiano. Toda consciência posicional de objeto é, necessariamente, consciência não-posicional de si. Isso porque a essência mesma da consciência intencional é pura leveza, puro fluxo, movimento para..., para fora e não para dentro. É o movimento mais próprio de uma transcendência do ego.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marivania Cristina Bocca, UNIOESTE

Doutoranda em Filosofia - UNIOESTE 

Linha de Pesquisa - Metafísica e Conhecimento. 

Claudinei Aparecido de Freitas da Silva, UNIOESTE
Professor dos Cursos de Graduação e de Pós-Graduação (Stricto Sensu) em Filosofia da UNIOESTE – Campus Toledo com Estágio Pós-Doutoral pela Université Paris 1 – Panthéon-Sorbonne (2011/2012). Escreveu A Carnalidade da Reflexão: ipseidade e alteridade em Merleau-Ponty (São Leopoldo, RS, Nova Harmonia, 2009) e A Natureza Primordial: Merleau-Ponty e o ‘logos do mundo estético’ (Cascavel, PR, Edunioeste, 2010). Organizou Encarnação e Transcendência: Gabriel Marcel, 40 anos depois (Cascavel, PR, Edunioeste, 2013), Merleau-Ponty em Florianópolis (Porto Alegre, FI, 2015), Kurt Goldstein: psiquiatria e fenomenologia (Cascavel, PR, Edunioeste, 2015), Festschrift aos 20 anos do Simpósio de Filosofia Moderna e Contemporânea da UNIOESTE (Cascavel, PR, Edunioeste, 2016), em parceria com Franco Riva, Compêndio Gabriel Marcel (Cascavel, PR, Edunioeste, 2017) e Fenomenologia no Oeste do Paraná: retrato de uma comunidade (Toledo, PR: Vivens, 2018).

Referências

AGOSTINHO, S. Confissões. Tradução de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

ALVES, P. Irrefletido e reflexão: observações sobre uma tese de Sartre. In: SARTRE, J. P. A transcendência do ego seguido de Consciência de si e conhecimento de si. Tradução de Pedro M. S. Alves. Lisboa: Colibri, 1994, p. 7-41.

BARATA, A. Metáforas da consciência: da ontologia espetacular de Jean-Paul Sartre a uma metafísica da ressonância. Porto: Campos das Letras, 2000.

CONCEIÇÃO, A. A tese de Sartre sobre a transcendência do ego: a recepção crítica do método fenomenológico e as origens da ontologia fenomenológica. In: CASTRO, F. C. L.; NORBERTO, M. (Orgs.). Sartre hoje. Porto Alegre: Editora Fi, 2017. p. 253- 275. v. 1. Disponível em: https://www.editorafi.org. Acesso em: 15 de setembro de 2018.

COOREBYTER, V. Sartre face à la phénoménologie: autour de “L’Intentionnalité" et de “La transcendence de l’Ego”. Bruxelles: Ousia, 2000.

HOFFE, O. Immanuel Kant. Tradução de Christian Viktor Hammm e Valério Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

HUSSERL, E. Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica: introdução geral à fenomenologia pura. Tradução de Márcio Suzuki. Aparecida do Norte: Idéias & Letras, 2006.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. p. 157-158; B 132. Versão em PDF disponível em: http://www.verlaine.pro.br/estetica/critica_da_razao_pura.pdf. Acesso em: 08 de agosto de 2018.

LAPOINTE, F. H. “Psicología fenomenológica de Husserl y Sartre”. In: Revista Latinoamericana de Psicología, Bogotá, v. 2, n. 3, 1970, p. 377-385. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/805/80502306.pdf. Acesso em: 10 de setembro de 2018.

MORRIS, K. J. Sartre. Tradução de Edgar da Rocha Marques. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PRIEST, S. The subject in question: Sartre's critique of Husserl in The transcendence of the ego. London/New York: Routledge, 2000.

SARTRE, J. P. A transcendência do ego seguido de Consciência de si e conhecimento de si. Tradução de Pedro M. S. Alves. Lisboa: Colibri, 1994.

______. Uma idéia fundamental da fenomenologia de Husserl: a intencionalidade. In: ______. Situações, I: críticas literárias. Tradução de Cristina Prado. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

______. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes, 2005.

SASS, S. D. “A concepção sartriana de ego transcendental”. In: Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 13, n. 26, pp. 263-274, jul./dez. 1999, p. 266. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/779. Acesso em: 12 de setembro de 2018.

SCHNEIDER, D. R. Sartre e a psicologia clínica. Florianópolis: UFSC, 2011.

SILVA, F. L. “A transcendência do ego: subjetividade e narrabilidade em Sartre”. In: Síntese, Belo Horizonte, v. 27, n. 88, 2000, p. 165-182. Disponível em: http://www.faje.edu.br/periodicos/index.php/Sintese/article/view/742. Acesso em: 05 de junho de 2019.

______. Ética e literatura em Sartre: ensaios introdutórios. São Paulo: UNESP, 2004.

Publicado
2019-12-18
Como Citar
Bocca, M. C., & da Silva, C. A. de F. (2019). Sartre e a unidade da consciência: um breve registro de “A transcendência do ego”. Intuitio, 12(2), e32858. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2019.2.32858