As possibilidades do conhecimento na seção consciência e o papel da linguagem na filosofia de Hegel

Palavras-chave: Consciência, Hegel, Linguagem, Fenomenologia

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar, no interior da seção Consciência da Fenomenologia do Espírito de Hegel, as possibilidades de conhecimento analogamente às especificidades de expressões linguísticas, elencando assim as particularidades de cada uma das figuras da consciência representadas nas subseções sobre a Certeza sensível, a Percepção, e Força e entendimento. Não obstante, nossa análise não visa apenas adentrar nos pormenores de tais figuras, mas contextualiza-las no interior de uma disposição conceitual presente no interior do pensamento hegeliano. Mais especificamente, no interior de uma possível teoria da linguagem que perpassa não somente a Fenomenologia, mas se dispõe também no trato que Hegel apresenta em sua Lógica e Estética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Filipe da Silva Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Juiz de Fora, com financiamento CAPES.

Referências

ALVES, Marco Antonio Sousa. O inferencialismo de Robert Brandom e a rejeição da análise da significação em termos de referência. Peri, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 1-14, 2010.

BRAIDA, C. R. Para uma crítica da semântica inferencial. In: DUTRA, Luiz Henrique; MORTARI, Cézar (org.). Epistemologia: anais do IV Simpósio Internacional Principia: parte I. Florianópolis: NEL/UFSC, 2005. p. 79-122.

BRANDOM, Robert B. Making it explicit: reasoning, representing, and discursive commitment. Cambridge: Harvard University Press, 1994.

BRANDOM, Robert B. Tales of the mighty dead: historical essays in the metaphysics of intentionality. Cambridge: Harvard University Press, 2002.

https://doi.org/10.1017/s0012217300000779

BRANDOM, Robert B. Hegel e a filosofia analítica. Veritas, Porto Alegre, v. 56, n. 1, p. 78-94, jan./abr. 2011.

https://doi.org/10.15448/1984-6746.2011.1.9294

DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. Tradução: Joaquim T. Costa e Antônio M. Magalhães. São Paulo: Papirus, 1991.

HEGEL, G. W. F. Cursos de estética. Tradução: Marco Aurélio Werle. São Paulo: Edusp, 2000. v. 2.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. Tradução: Paulo Menezes, Karl-Heinz Efken e José N. Machado. Petrópolis: Vozes, 2013.

HEGEL, G. W. F. Ciência da lógica: a doutrina do ser. Tradução: Christian G. Iber, Marloren L. Miranda e Federico Orsini. Petrópolis: Vozes, 2016.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das ciências filosóficas. Tradução: Paulo Meneses e José Machado. São Paulo: Loyola, 1995.

HEGEL, G. W. F. Phänomenologie des Geistes. Hamburgo: Felix Meiner, 1988.

HYPP OLITE, J. Gênese e estrutura da fenomenologia do espírito de Hegel. Tradução: Sílvio R. Filho, Andrei J. Vaczi e Denílson S. Cordeiro. São Paulo: Discurso Editorial, 1999.

LEBRUN, G. A paciência do conceito. Tradução: Silvio Rosa Filho. São Paulo: Unesp, 2006.

REDDING, Paul. Hegel’s anticipation of the early history of analytic philosophy. The Owl of Minerva, [s. l.], v. 42. n. 1/2, p. 19-39, 2010.

https://doi.org/10.5840/owl2010/2011421/22

SAFATLE, Vladmir. A paixão do negativo: Lacan e a dialética. São Paulo: UNESP, 2006.

https://doi.org/10.7476/9788539303335

SAFATLE, Vladmir. Linguagem e negação: sobre as relações entre pragmática e ontologia em Hegel. doispontos, Curitiba, v. 3, n. 1, p. 124-167, 2006.

https://doi.org/10.5380/dp.v3i1.5163

SELLARS, Wilfridi. Empiricism and the philosophy of mind. 2nd ed. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

SURBER, Jere O’Neill (ed.). Hegel and language. Albany: State University of New York Press, 2006.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
da Silva Oliveira, L. F. (2019). As possibilidades do conhecimento na seção consciência e o papel da linguagem na filosofia de Hegel. Intuitio, 12(1), e32235. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2019.1.32235
Seção
Artigos: Epistemologia e Metafísica