A intencionalidade da vontade como faculdade de ação no “De Libero Arbítrio” de Agostinho

  • Matheus Jeske Vahl Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Vontade, Existência, Mundo, Liberdade.

Resumo

A teoria agostiniana da vontade é desenvolvida dentro da elaboração da estrutura fundamental de sua ética, onde o problema acerca da origem do mal e da responsabilidade humana surgem como motivação. Agostinho apresenta a vontade como uma faculdade ativa da alma pela qual o homem exercendo sua liberdade, projeta-se no mundo. Embora seja neutra, ela é suscetível às influências tanto das sensações produzidas pelas relações do homem com o mundo objetivo, quanto do que lhe é transmitido pela razão. Através do entendimento e discernimento destas influências psicológicas, o homem age tanto construindo sua identidade como reduzindo sua condição ontológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Jeske Vahl, Universidade Federal de Pelotas
Doutorando em Filosofia Medieval pela Universidade Federal de Pelotas sob orientação do professor Sérgio R. Strefling

Referências

AGOSTINHO. Diálogo sobre o Livre Arbítrio. Trad. Paula Oliveira e Silva. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001.

____________. A Ordem. Trad. Fr. Augustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, 2008.

___________. Confissões. Trad. João de Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. In: Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 2004. 416p.

___________. Solilóquios. Trad. Audair Fiorotti. 4.ed. São Paulo: Paulus, 2010.

___________. A Vida Feliz. Trad. Ir. Nair de Assis Oliveira. 4.ed. São Paulo: Paulus, 2010.

AYOUB, C. N. A. Iluminação trinitária em Santo Agostinho. São Paulo: Paulus, 2011.

BIGNOTTO, N. “O Conflito das liberdades: Santo Agostinho”. In: Revista Síntese Nova Fase. Belo Horizonte: FAFICH, v. 19, n 58, p. 327-359, 1992.

BURNELL. P. “Concupsciencia”. In: Diccionario de San Agustín: San Agustín a traves del tiempo. Alan Fitzgerad (org.). Burgos: Monte Castelo, 2001. p. 300-306

GILSON, E. Introdução ao estudo de Santo Agostinho. Trad. Cristiane Negreiros Ayoub. 2.ed. São Paulo, Paulus, 2010.

GRACIOSO, J. “A Dimensão Teleológica e Ordenada do Agir Humano em Santo Agostinho”. In: Revista Trans/Form/Ação. Marília, v. 35, edição especial, p. 11-30, 2012.

HORN, C. Agostinho: conhecimento, linguagem e ética. Trad. Roberto H. Pich. Porto Alegre: EDIPUC, 2008.

KAHN, C.H. Discovering the will: from Aristotle to Augustine. In: DILLON, J. M. and LONG, A. A. (eds.) The Questions of ecleticism: Studies in later Greek philosophy. Berkeley: University of California Press, 2002, p. 3-41.

MATTHEWS, G. Santo Agostinho: a vida e as idéias de um filósofo adiante de seu tempo. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

MENDONÇA, M. e MORAES BARBOSA, D. “É possível conciliar presciência divina e liberdade humana: A resposta de Agostinho no De Libero Arbítrio”. In: Revista Civitas Agostiniana. Porto, v.1, n.1, p. 59-78, 2012.

MORESCHINI, C. História da Filosofia Patrística. Trad. Orlando Soares Moreira. São Paulo: Loyola, 2008.

OLIVEIRA E SILVA, P. Introdução ao Diálogo sobre o Livre Arbítrio. In: AGOSTINHO. Diálogo sobre o Livre Arbítrio. Trad. Paula Oliveira e Silva. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001, p. 13-76.

___________________. Fundamentos ontológicos e antropológicos da Visão de Deus de Agostinho. In: Revista Civitas Agostiniana. Porto, v.1, n.1, p. 34-58, 2012.

_____________________. O binomio vontade-ser em De Libero Arbítrio de Santo Agostinho: In: Philosophica. Lisboa, v.1, n. 5, p. 19-34, 1995, p. 28.

PAGLIACCI, D. Volere e Amare: Agostino e la conversione del desidero. Roma: Città Nuova Editrice, 2003.

PICH, R. H. Agostinho e a “descoberta” da vontade: primeiro estudo. In: Veritas. Porto Alegre, v.50, n.2, 2005, p. 175-206.

________. Agostinho e a “descoberta” da vontade: primeiro estudo. In: Veritas. Porto Alegre, v.50, n.3, 2005, p. 139-158.

RICOEUR, P. Finitud e Culpabilidad. 2º ed. Trad. Cristina de Peretti. Madrid, Editorial Trotta, 2011.

__________. O Conflito das Interpretações. Trad. F.M. Sá Correia. Porto: Ed. Rés, 1988.

RIGBY, P. “Pecado Original”. In: Diccionario de San Agustín: San Agustín a traves del tiempo. Alan Fitzgerad (org.). Burgos: Monte Castelo, 2001. p. 1018-1029.

TORCHIA, N. J. Estoicos, Estoicismo. In: FITZGERALD, A. (org.). Diccionario de San Agustín: San Agustín a traves del tiempo. Burgos: Monte Castelo, 2001. p. 517-521.

Publicado
2017-07-25
Como Citar
Jeske Vahl, M. (2017). A intencionalidade da vontade como faculdade de ação no “De Libero Arbítrio” de Agostinho. Intuitio, 10(1), 33-46. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2017.1.26032
Seção
Artigos: Epistemologia e Metafísica